Bitcoin deve ser um dos principais alvos dos cibercriminosos em 2014

bitcoinNeste 2014 o Bitcoin deve ser o alvo de cibercriminosos, segundo relatório publicado pela empresa de segurança Kaspersky Lab. Isso só não deve acontecer caso a moeda digital sofra pressão global para deixar de ser utilizada ou desvalorize drasticamente por outro motivo.

Bitcoin deve ser o alvo de cibercriminosos. A menos que se desvalorize

Dessa forma, o foco dos criminosos digitais no próximo ano deve permanecer como em 2013: roubo de dinheiro. Além do Bitcoin, o Android vai ser um alvo em potencial, e quando seu uso para serviços bancários se popularizar, veremos “um tsunami de Cavalos de Troia bancários para esta plataforma móvel”, de acordo com o Diretor de Pesquisa e Análise da Kaspersky para a América Latina, Dmitry Bestuzhev.

O relatório ainda alerta para as tentativas de golpe relacionadas à Copa do Mundo, que vai ser disputada no Brasil entre junho e julho de 2014. As principais prováveis ameaças são phishing e malware – inclusive em caixas eletrônicos –, dentre outros ataques DDoS.

Em 2013 o foco dos cibercriminosos foi o roubo de dinheiro, que teve como principais formas de ataque o Bitcoin, malwares instalados em caixas eletrônicos e falsos aplicativos na Google Play. O estudo, voltado ao continente latino-americano, revelou que o Brasil foi um dos países de onde partiram mais ataques, assim como o Peru.

“Os cibercriminosos oriundos de Brasil e Peru dividiram o continente atacando vítimas em sua língua nativa”, explica o Diretor da divisão da Kaspersky para a região, Bestuzhev, que prevê ataques mais sofisticados no próximo ano, pois “os dois grupos entraram em contato com crackers da Rússia e outros países da ex-União Soviética e estão adquirindo o conhecimento e a tecnologia para implementá-las na região”.

“Como resultado, os ataques tornam-se mais complexos e mais bem sucedidos, porque combinam a tecnologia de seus contatos no Leste Europeu e da engenharia social, que explora as fraquezas das pessoas na América Latina”, completou. Após Peru e Brasil – nessa ordem –, os países da América Latina com pior situação quando o assunto é segurança digital foram México, Colômbia, Argentina e Chile.

Agradeço ao Davi, amigo e colaborador do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Baboo

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: