É seguro conversar pela Internet?

securityQual a melhor aplicação para troca de informações privadas? Ou melhor, quais canais você deveria evitar para esse tipo de compartilhamento?

Não é preciso dizer que é má ideia utilizar meios de comunicação não confiáveis. No entanto, isso acontece todos os dias com muitos de nós sem considerarmos as possíveis consequências.

Uma pesquisa recente, patrocinada pela Kaspersky Lab e conduzida pela B2B International, mostrou que 62% dos entrevistados não acham mensagens online seguras, 61% não confiam em serviços de VoIP e 60% não se sentem protegidos ao conversarem por vídeo chat. Ao mesmo tempo, 37% dos participantes preferem messengers online, 25% estão em messengers de mídias sociais e 15% usam VoIP com frequência.

Além disso, 17% dos usuários utilizam meios eletrônicos de comunicação para trocar mensagens privadas e dados críticos. Teria sido útil saber quantos deles já encontraram seus dados expostos online, porém essa métrica não fez parte da pesquisa.

O olhar desconfiado que os serviços de mensagens recebem é totalmente justificado. Uma pesquisa feita pela Electronic Frontier Foundation (EFF) mostrou que a maioria dos aplicativos de mensagens populares não tem altos níveis de segurança.

A pontuação mais alta no nível de segurança que um desses aplicativos atingiu foi sete pontos (em uma escala que ia até 10). Infelizmente, Skype, AIM e Blackberry Messenger só conseguiram um ponto, enquanto Viber, Google Hangouts, Facebook Messenger e Snapchat só atingiram até dois pontos.

O famoso WhatsApp também só conseguiu dois pontos, mas existe a possibilidade que esse aplicativo finalmente faça o dever de casa e logo conseguirá uma pontuação maior no que diz respeito a confiabilidade da encriptação – depois que um protocolo criado pela Open Whisper Systems se torne completamente implantado pelo WhatsApp.

Todos os messengers realizam comunicação encriptada, porém nenhum muda as chaves de encriptação ou verifica a identidade do interlocutor. Além do mais, as empresas desenvolvedoras são capazes de ler suas trocas de mensagens. Por conta da natureza do código, as vulnerabilidades podem ser descobertas e corrigidas apenas pela equipe responsável pelo desenvolvimento – todos esses fatores foram considerados na avaliação da EFF.

Dos aplicativos de mensagens relevantes, apenas dois mostraram segurança aceitável: Apple iMessage, com quatro pontos; e o Telegram, cinco pontos. Os desenvolvedores do Telegram parecem ter começado a ler as correspondências dos usuários e bloquear canais indesejáveis (aqueles ligados a organizações terroristas.)

Apenas um aplicativo de conversa por vídeo popular se mostrou relevantemente seguro – o Apple Facetime – obteve quatro pontos.

Então quer dizer que não existe nenhum serviço de mensagens completamente seguro? Bem, existem vários deles, mas eles não são muito usados. Já ouviu falar do Chatsecure, CryptoCat, Signal ou SilentText? Provavelmente não, mas eles são os campeões nos critérios da EFF. Outros que são igualmente populares, como OTR messages da Adium e Pidgin, bem como o Retroshare e Subrosa, que marcaram seis pontos.

Serviços de VoIP seguros também existem: RedPhone e Silent Phone, que tiraram nota máxima, e o Jitsi, com seis pontos.

Um aplicativo de mensagens realmente seguro não recorre somente a criptografia. Programas seguros usam chaves de encriptação dinâmicas, de forma que uma pessoa mal-intencionada não seja capaz de comprometer as mensagens se interceptar alguma chave. Além disso, é uma vantagem se o messenger depender de códigos-fonte livres, essencialmente permitindo que a comunidade de usuários identifique bugs e vulnerabilidades, ajudando a corrigir esses problemas. Dessa forma, os desenvolvedores desses serviços não são capazes de acessar as mensagens privadas, o que torna a troca de mensagens quase “privada”.

Então, se você decidisse compartilhar algo muito secreto por meio de mensagens online, sugerimos que você faça seu interlocutor usar um desses aplicativos menos populares mais seguros.

No geral, o uso dos de messengers prova que as pessoas são bem desleixadas quanto a privacidade. A maioria prefere se manter a uma opção mais familiar e conveniente sem se importar o nível de segurança ou privacidade que ela garante. O mesmo ocorre com pessoas que cruzam uma rua fora da faixa, pela conveniência do local.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa matéria.

Fonte: Kaspersky blog

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: