Kaspersky cloud: atinge a marca incrível de 1 bilhão de assinaturas de detecção

kaspersky-cloudO banco de dados em nuvem da Kaspersky Lab agora contém um bilhão de itens maliciosos, incluindo vírus, trojans, backdoors, ransomware, além de aplicativos de publicidade e seus componentes.

Um quinto deles foi descoberto e identificado como malicioso pelo Astraea – um sistema de análise automática de malware que opera dentro da infraestrutura da Kaspersky Lab.

O número de ameaças virtuais que surgem todos os dias é tão grande que tornou-se impossível processar cada uma delas manualmente. Por isso, a automação do processo de descoberta e análise de malware, em associação com o conhecimento humano, é a melhor abordagem viável para combater as ameaças virtuais modernas.

A porcentagem de malware descobertos e adicionados automaticamente ao banco de dados em nuvem da Kaspersky Lab pelo Astraea tem aumentado regularmente nos últimos cinco anos: de 7,53% em 2012 para 40,5% em dezembro de 2016. A proporção cresce em sincronia com o número de novos arquivos maliciosos descobertos diariamente pelos especialistas e sistemas de detecção da Kaspersky Lab – esse crescimento foi de 70.000 arquivos por dia em 2011 para 323.000* por dia em 2016.

“Ter um bilhão de arquivos maliciosos exclusivos é um marco incrível. Isso mostra a dimensão do submundo do crime virtual, que evoluiu de vários fóruns pequenos que ofereciam ferramentas maliciosas personalizadas para a produção em massa de malware e atividades cibercriminosas feitas sob medida. Esse marco também destaca a qualidade e a evolução de nossas tecnologias automatizadas de análise de malware. Desse bilhão de arquivos, mais de 200 milhões foram adicionados pelo sistema de análise automática Astraea. Nossos sistemas avançados não somente detectam a grande maioria dos malware conhecidos encontrados diariamente como também descobrem ameaças desconhecidas. Embora os outros 800 milhões de arquivos tenham sido adicionados por outros sistemas internos de detecção ou por nossos especialistas, a contribuição para a base de dados em nuvem da Kaspersky Lab feita por meio do sistema de análise automática é significativo e continuará aumentando”, diz Vyacheslav Zakorzhevsky, chefe da equipe de antimalware da Kaspersky Lab.

O Astraea é um dos sistemas de análise automática de malware que faz parte da infraestrutura de proteção da Kaspersky Lab e analisa automaticamente as notificações recebidas de computadores protegidos e ajuda a descobrir ameaças ainda desconhecidas.

Ao usar esses metadados (como idade, origem, nome do arquivo, caminho do arquivo, e mais), o Astrea é capaz de detector ameaças sem precisar usar informações sobre o conteúdo dos arquivos.

Agradecemos ao Igor, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Baboo

4 Responses to Kaspersky cloud: atinge a marca incrível de 1 bilhão de assinaturas de detecção

  1. João Matta says:

    Poxa, acabei de desinstalar meu Kaspersky para poder usar o novo Windows Defender, da última atualização do Windows 10. Ele veio com várias melhorias, inclusive nas nuvens. Agora fiquei na dúvida se volto ou não ao Kaspersky hehe

    • Augusto says:

      João Matta, eu ficaria com o Kaspersky mesmo não gostando de seu visual e facilidade de uso o Kaspersky tem mais bala na agulha.

      No meu caso eu to com um notebook só com o WIndows Defender da Microsoft porém juntamente com o Zemana Antilogger e o Shadow Defender virtualizando tudo caso pegue algum vírus ao reiniciar volta tudo como estava antes, só os arquivos que deixo fora (Pastas escolhidas a dedo) incluindo a pasta do WIndows Defender para que o mesmo atualize também o Banco de dados dele assim toda reinicialização como o sistema está congelado ele volta sem erros como eu deixei. Espero que seja o suficiente para barrar todos ou ao menos a maioria dos virus. O sistema fica liso, rodando macio só com o Windows Defender e o Shadow Defender.

  2. José Pinheiro says:

    Caro amigo Victor,
    Muito bom este post. Contudo, o KIS não detectou um código antigo EICAR alterado, postado no link http://www.techtudo.com.br/dicas-e-tutoriais/noticia/2011/05/seu-computador-esta-seguro-teste-eficacia-do-seu-antivirus.html.
    Curioso é que uma versão antiga do AVAST detectou ambos e agora também não o detectou. O AVIRA continua a detectar os dois códigos. Será que o ignoram como EICAR? Então, por que ainda detectam o primeiro código? Se possível, comente. Obrigado.

    • Victor Hugo says:

      José Pinheiro,
      Erros e falhas podem acontecer como neste caso muito bem lembrado por você, mas na média o que podemos afirmar é que a qualidade das assinaturas de detecção da Kaspersky é excelente, assim como a sua tecnologia baseada nas nuvens.

      Abraço.

%d blogueiros gostam disto: