Você usa caixas eletrônicos? Está cada vez mais arriscado…saiba porque

atm-jackpottingCaixas automáticos ou ATMs sempre foram um dos principais alvos de criminosos. No passado, atacar um ATM incluía aparatos pesadas como maçaricos e explosivos. No entanto, com a aurora da Era Digital, tudo mudou. Os criminosos de hoje podem atingir o mesmo objetivo sem esses efeitos especiais.

Olga Kochetova, especialista em testes de infiltração da Kaspersky Lab, explicou os motivos pelos quais os caixas são tão vulneráveis, em sua palestra “Formas de roubar ATMs com e sem malware.”

1. Em primeiro lugar, ATMs são basicamente computadores. Eles consistem em um número de sistemas eletrônicos, incluindo controles industriais, porém sempre há um computador comum no núcleo do sistema.

2. Além disso, é bem provável que esse computador seja controlado por um Sistema operacional bem antigo como o Windows XP. Você provavelmente já sabe o que tem de errado nisso: o XP não recebe mais suporte da Microsoft, então qualquer vulnerabilidade encontrada depois que o suporte foi interrompido jamais será corrigida. E você pode ter certeza que existem MUITAS como essa.

3. É possível que existam diversos programas vulneráveis sendo executados em sistemas de ATMs. Desde flash players desatualizados com mais de 9000 erros conhecidos até ferramentas de administração remota e muito mais.

4. Fabricantes de ATMs tendem a acreditar que sempre estão operando em “condições normais” e nada pode dar errado. Desse modo, dificilmente existe qualquer controle de integridade de software, solução de antivírus ou autenticação por aplicativo que envie comandos para o distribuidor de notas.

5. Em contraste às unidades de depósito e entrega de dinheiro que estão sempre bem protegidas e trancadas, a parte do computador de um ATM é facilmente acessível. Seu envoltório tende a ser feito de plástico, ou de metal fino na melhor das hipóteses, além de trancado com uma fechadura simples demais para barrar criminosos. A lógica dos fabricantes é a seguinte: se não tem dinheiro nessa parte, por que se importar em como mantê-la?

6. Módulos de ATM são interconectados com interfaces padrão, como portas COM e USB. Às vezes essas interfaces são acessíveis de fora da cabine do ATM. Se não, basta lembrar do problema anterior.

7. Por natureza, ATMs tem de estar conectados – e sempre estão. Já que a Internet é o meio mais barato de comunicação nos dias de hoje, bancos a usam para conectar os caixas aos centros de processamento.

Considerando todos os problemas mencionados, existem muitas oportunidades para os criminosos. Por exemplo, eles podem criar um malware, instalá-lo no sistema do ATM e sacar dinheiro. Esses trojans aparecem regularmente. Por exemplo, há um anofoi descoberto um chamado Tyupkin.

Outra forma é usar programas adicionais que podem ser conectados às portas USB dos caixas eletrônicos. Para provar sua ideia, Olga Kochetova e Alexey Osipov, usaram um pequeno computador Raspberry Pi, equipado com adaptador Wi-Fi e bateria. Veja o vídeo abaixo para saber o que aconteceu depois.

Um ataque por meio da Internet pode ser ainda mais perigoso. Criminosos podem estabelecer centros de processamentos de dados falsos, ou tomarem um verdadeiro. Nesse caso, criminosos podem roubar diversos ATMs sem precisarem ter acesso a seu hardware. Foi exatamente isso que os hackers do grupo Carbanak conseguiram fazer: eles obtiveram controle sobre PCs críticos nas redes de bancos e depois disso, foram capazes de enviar comandos diretos para os ATMs.

No fim, bancos e fabricantes de ATMs deviam ser mais atenciosos com a segurança das máquinas bancárias. Eles precisam reconsiderar tanto os softwares e medidas de segurança de hardware, produzir uma infraestrutura de rede segura e por aí vai. Também é importante que os bancos e fabricantes reajam rápido às ameaças e colaborem intensivamente com agências reguladoras da lei e empresas de segurança.

Fonte: Kaspersky blog

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: