Crackers investem no roubo de dados via phishing

Estratégias de phishing também miram na iminente Copa do Mundo para lançar ciberataques, alerta Kaspersky Lab

O relatório “Spam e phishing em 2017”, produzido pela Kaspersky Lab, mostra que 29% dos usuários brasileiros foram afetados por campanhas de phishing no ano. Ao todo, a quantidade média de spam em 2017 diminuiu para 56,63%, o que representa 1,68% a menos do que em 2016. Ao mesmo tempo, o número de ataques de phishing aumentou. O sistema antiphishing da empresa russa de cibersegurança foi acionado 246 milhões vezes nos computadores de usuários da companhia – 59% mais do que no ano anterior.

Mas quais as principais estratégias dos crackers?

Segundo a Kaspersky Lab, os criminosos têm acompanhado os assuntos internacionais e usado temas em alta para enganar os usuários e roubar dinheiro ou informações pessoais. Os remetentes de spam se mostraram agentes atentos, monitorando instantaneamente questões globais com o objetivo principal de chamar e explorar a atenção das vítimas.

A Copa do Mundo de Futebol, que ocorre neste ano, foi um dos principais temas. Os remetentes de spam propagaram e-mails relacionados ao tema. Assim, enviaram às vítimas mensagens fraudulentas com logotipos oficiais do evento, incluindo informações dos organizadores e das marcas dos patrocinadores, que avisavam aos usuários sobre prêmios de sorteios e até prometendo ingressos gratuitos.

Outro tema em alta nos spams e golpes de phishing em 2017 são as criptomoedas, principalmente o bitcoin, que ganhou notoriedade com a disparada no seu preço. Os pesquisadores da Kaspersky Lab já tinham registrado um crescimento nos golpes com temas relacionados ao blockchain no terceiro trimestre de 2017. Até o final do ano, foi observado um amplo arsenal de ferramentas de envio de spam.

Estratégias

De acordo com as descobertas da empresa, os criminosos têm usado truques como sites disfarçados de bolsas de criptomoeda, serviços falsos oferecendo mineração na nuvem, ou seja, o uso de data centers especializados para locação. Mas, em todos os casos, os usuários se tornaram vítimas e perderam dinheiro.

Em esquemas de fraude mais tradicionais, como prêmios falsos de loterias, os criminosos também começaram a usar os bitcoins como isca. E, além dos bancos de dados de endereços visados anunciados por meio de spam, também foram oferecidos para compra bancos de dados com e-mails de usuários de criptomoedas, prometendo ótimas oportunidades.

Outras tendências e estatísticas importantes de 2017 destacadas pelos pesquisadores da Kaspersky Lab incluem:

– A fonte de spam mais popular foram os EUA (13,21%), seguidos da China (11,25%) e do Vietnã (9,85%). Outros dos dez países mais importantes incluem Índia, Alemanha, Rússia, Brasil, França e Itália.

– O país mais visado por envios de e-mails maliciosos foi a Alemanha (16,25%), com um leve aumento de 2,12 pontos percentuais em relação a 2016. Outros países dentre os dez principais incluem China, Rússia, Japão, Reino Unido, Itália, Brasil, Vietnã, França e Emirados Árabes Unidos.

– A maior porcentagem de usuários afetados por phishing ocorreu no Brasil (29,02%). No todo, 15,9% usuários exclusivos dos produtos da Kaspersky Lab no mundo todo foram atacados por golpes de phishing.

Fonte: IDGNow!

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: