Anonymous diz ter derrubado milhares de contas do EI no Twitter

anonymousO grupo de hackers Anonymous disse nesta terça-feira (17) que mais de 5,5 mil contas no Twitter ligadas ao Estado Islâmico foram derrubadas. A ação acontece um dia após o grupo declarar guerra aos jihadistas, na sequência dos ataques terroristas de Paris.
Os hackers fizeram o anúncio por meio de uma conta na rede social dedicada à operação contra os jihadistas.

“Nossa capacidade de derrubar o Estado Islâmico é resultado direto de nosso coletivo sofisticado de hackers, exploradores de dados e espiões que temos ao redor do mundo. Temos pessoas que são muito, muito próximas ao EI, o que torna a coleta de informações sobre eles e outras atividades relacionadas muito fáceis para nós”, disse Alex Poucher, porta-voz do Anonymous, à agência russa RT.
Nesta segunda-feira (16), o Anonymous divulgou um vídeo declarando guerra ao Estado Islâmico . “Vocês devem saber que vamos encontrá-los”, diz a gravação em francês (veja o vídeo aqui).

O anúncio foi feito por um homem usando uma máscara de Guy Fawkes (um soldado inglês que virou símbolo de rebelião). Ele avisa que o grupo vai lançar a maior operação já vista. “Esperem ataques cibernéticos massivos. A guerra está declarada. Preparem-se.”
No vídeo, o homem afirma ainda que “os franceses são mais fortes do que vocês pensam e vão sair dessa atrocidade ainda mais fortalecidos”. O grupo apresentou condolências às famílias das vítimas.
O anúncio foi publicado no YouTube no último sábado (14), um dia depois dos ataques que deixaram 129 mortos e mais de 350 feridos em Paris.

O Anonymous é um coletivo que reúne voluntários e ativistas pelo mundo. Segundo a revista “Foreign Policy”, depois dos ataques em Charlie Hebdo, em janeiro deste ano, o grupo conseguiu derrubar 149 sites ligados ao Estado Islâmico. Também divulgou uma lista com mais de 100 mil contas do Twitter relacionadas aos terroristas, além de mais de 5 mil vídeos.

Fonte: G1

Grupo hacker Anonimous declara guerra ao Estado Islâmico

anonymousOs ataques terroristas do Estado Islâmico à cidade de Paris, na última sexta-feira, 13, causaram medo e comoção em diversas partes do mundo. O grupo hacker Anonymous anunciou nesta segunda-feira, 16, que vai “caçar” os responsáveis pelos atentados e declarou guerra aos extremistas.

Mas, afinal, de que modo é possível combater terroristas pela internet? O consultou Arthur Cesar Oreana, especialista em segurança e tecnologia da informação, comentou a respeito das possíveis ações que um grupo como o Anonymous pode tomar – e como uma possível “guerra cibernética” pode gerar consequências no mundo todo.

Antes de mais nada, é preciso esclarecer que não é possível prever o que o Anonymous, especificamente, vai fazer contra o Estado Islâmico. O grupo já fez esse tipo de “declaração de guerra” no passado – mais recentemente após o atentado à redação da revista francesa Charlie Hebdo, em janeiro deste ano.

Na época, perfis do Anonymous no Twitter divulgaram uma relação de usuários da rede social que se diziam membros do Estado Islâmico ou faziam propaganda a favor do regime extremista do califado sugerido pelos terroristas. Arthur acredita, sim, que esse é um dos possíveis planos de ação dos hackers.

“Eles podem tirar sites de propaganda do Estado Islâmico do ar, denunciar perfis, mas é difícil elencar quais seriam os alvos. Só estando dentro do grupo para saber seu plano de ação. Mas a promessa deles é caçar terroristas pela internet”, diz o especialista. Segundo ele, porém, é mais provável que essa troca de ataques cibernéticos se limite apenas aos países mais diretamente envolvidos com a crise.

De acordo com Arthur, é pouco provável que um site mantido na Argentina, por exemplo – tendo ele ou não relação com o Estado Islâmico – seja atingido por essa “guerra virtual”. Dada a natureza do Anonymous, portanto, é mais prudente acreditar que esses ataques se limitem a prejudicar o sistema de propaganda dos terroristas, meio pelo qual eles recrutam novos membros na Europa e no Oriente Médio.

Um contra-ataque, porém, é o que pode tornar as coisas um pouco mais sérias. Se o Estado Islâmico encarar o Anonymous como inimigo, é possível que a organização lance uma série de vírus de computador que ataquem indústrias e setores da economia em países ocidentais. Uma estratégia que já foi vista no passado.

“A guerra cibernética é o quinto meio de guerra, depois da guerra na terra, no mar, no ar e no espaço. Já tivemos situações em que um vírus desacelerou o programa de enriquecimento de urânio em um país”, diz Arthur, em referência ao método utilizado para a obtenção de energia nuclear (e também de bombas). “Essa pode ser uma opção para o Estado Islâmico tanto de ataque quanto de contra-ataque. Não há como saber se outros países serão ou não afetados.”

Fonte: Olhar Digital

Anonymous anuncia ataque iminente contra o Facebook

facebook

O grupo de ciberativistas Anonymous lançou um chamado global contra o Facebook nos últimos dias. Nomeada #OP TRUTH FORCE (do inglês, Operação Força Verdadeira), a investida é motivada por possíveis atitudes censoras da rede social.

“Nós temos testemunhado um número crescente de contas deletadas e bloqueadas de usuários que ousam ridicularizar, satirizar ou contrariar líderes políticos e corporações envolvidas com política”, afirma o grupo.

O ataque coletivo consiste em lotar o Facebook com este tipo de material. Ao passo que é uma tomada mundial, o grupo espera tornar impossível a moderação de todo o conteúdo na rede social.

A operação está marcada para o dia 6 de abril a partir da 1h (22h do dia 5 de abril pelo horário de Brasília) e deve durar 24 horas. A data escolhida relaciona-se a outros movimentos sociais. Foi o dia em que Mahatma Ghandi convocou o povo indiano à luta pacífica contra a Grã Bretanha. Anos depois a data também marcaria o início da sedição popular egípcia.

Agradeço ao Davi e ao Lucas, amigos e colaboradores do Seu micro seguro, pela referência a esta notícia.

Fonte: Olhar Digital

Guias falsos do Anonymous instalam Malware Zeus

Um guia para a realização de ataques do Anonymous foi modificado para infectar os simpatizantes do movimento com a praga Zeus, capaz de roubar senhas de banco e informações pessoais das vítimas. Um criminoso usou um texto que estava no site Pastebin e alterou o endereço da ferramenta do protesto on-line para incluir a praga virtual.

A informação é da empresa de segurança Symantec, que afirma que a tentativa de enganar os Anonymous começou ainda no dia 20 de janeiro, junto com o movimento contra a queda do Megaupload.
O guia original destinado aos Anonymous e publicado no Pastebin oferecia o download do programa Slowloris, uma ferramenta criada para derrubar sites de internet com o menor esforço possível. O guia modificado, idêntico ao original e também publicado no Pastebin, tinha uma URL de download que levava para o malware Zeus.

O arquivo ainda continuava com a funcionalidade de ataque aos sites, eliminando a suspeita de que havia algum problema. O computador do internauta, porém, já estava sob o controle do responsável pelo vírus.
O Zeus é capaz de formar uma rede zumbi com suas vítimas, ou seja, colocar todos os sistemas infectados à disposição do seu criador. De acordo com a Symantec, esse recurso era utilizado para forçar os simpatizantes do Anonymous a continuar atacando os alvos do movimento, mesmo depois de ter fechado a ferramenta voluntária do Slowloris.

Ainda segundo a Symantec, o guia malicioso publicado no Pastebin teve o endereço do Slowloris copiado em outros guias do Anonymous, levando a mais integrantes do movimento a terem contato com a versão maliciosa do Slowloris, gerando um efeito em cadeia.

Agradeço aos amigos e colaboradores deste site, Vanderlei e Davi, pela referência a esta notícia.

Fonte: Linha Defensiva

Cuidado: Links do Anonymous podem complicar a sua vida

O Anonymous hoje tem uma série de fãs que apoiam todas as ações dos hackers ativistas – mas até que ponto você está disposto a ajudá-los na guerra contra as organizações governamentais? O grupo de segurança Sophos alerta que vários links mandados pelo Twitter fazem com que seu computador faça parte dos ataques contra uma série de sites – e isso pode complicar sua vida.

De acordo com o Daily Mail, os links fazem parte da chamada “Operação Megaupload”, uma série de ações em resposta ao fechamento do site de compartilhamento de arquivos. Eles parecem páginas comuns, mas lançam uma série de dados a páginas antipirataria ou do governo dos Estados Unidos, fazendo com que elas saiam do ar por pouco tempo.

A consequência é que o ataque a entidades como o FBI fica muito mais fácil com milhares de internautas comuns participando – e fazer parte dos ataques virtuais é crime, o que pode ocasionar a prisão do dono do computador, mesmo que ele não faça ideia do que aconteceu. Por isso, por mais que você apoie a causa do Anonymous, tenha cuidado ao acessar endereços suspeitos.

Agradeço ao Vanderlei e ao Thiago, amigos e colaboradores deste site, por terem feito referência a esta notícia.

Fontes: Tecmundo, Daily Mail