O que explica as atualizações do Windows 7 cada vez mais pesadas

Os pacotes de segurança do Windows 7, os mais abrangentes de cada Patch Tuesday, dobraram de tamanho desde que a Microsoft reformulou o regime de atualização do sistema operacional em 2016.

De acordo com os próprios dados da empresa, o chamado “Pacote cumulativo mensal de qualidade de segurança” cresceu mais de 90% desde a primeira até a 21ª atualização. Desde o início de outubro de 2016, a versão x86 aumentou de 72 MB para 137,5 MB, um salto de 91%. Enquanto isso, a versão de 64 bits passou de 119,4 MB para 227,5 MB, representando também um aumento de 91%.

No ano passado, quando a Microsoft anunciou grandes mudanças na forma como presta serviços ao Windows 7, admitiu que os pacotes aumentariam. “Os rollups começarão pequenos, mas esperamos que isso cresça com o tempo”, disse Nathan Mercer, gerente de marketing de produto da Microsoft. Segundo ele, um acumulado mensal em outubro incluiria todas as atualizações de outubro, enquanto novembro incluiria as atualizações de outubro e novembro, e assim por diante.

Dois meses depois, quando lhe perguntaram sobre a questão do crescimento, Mercer voltou a admitir que os acúmulos poderiam ser maiores. “Eventualmente, o acumulado mensal crescerá em torno do tamanho de 500 MB”, disse Mercer em meados de outubro de 2016.

No ritmo das últimas atualizações, a versão de 64 bits pesará aproximadamente 244 MB até outubro de 2018 e, um ano depois, com o Windows 7 perto de sua data de expiração, cerca de 306 MB. Da mesma forma, a edição x86 aumentaria para 147MB e 186 MB em 2018 e 2019, respectivamente.

Após uma expansão agressiva ao longo do primeiro ano, a taxa de crescimento das atualizações do Windows 7 quase parou. Nas 12 atualizações de outubro de 2016 a outubro de 2017, o Windows 7 x64 cresceu 83 MB; as nove atualizações seguintes aumentaram o tamanho em apenas 25 MB.

“O tamanho é definitivamente uma preocupação”, disse Chris Goettl, gerente de produtos da Ivanti, empresa de segurança e gerenciamento de clientes. “Quando os pacotes crescem para 300 MB a 500 MB, algumas empresas não têm tempo de inatividade (para baixar e instalar atualizações desse tamanho), especialmente aquelas com alcance global ou para áreas remotas em conexões lentas”.

As empresas escolhem a atualização

A Microsoft emite dois tipos de atualizações de segurança para o Windows 7 por mês: um pacote cumulativo de atualizações e o que a empresa apelidou de “Atualização de qualidade somente de segurança”. O último inclui os patches relacionados à segurança do mês e nada mais.

Como eles contêm apenas os patches de um mês, são muito menores que o pacote acumulativo. A segurança de 64 bits para julho foi de apenas 37 MB e a de 32 bits foi menor que 24 MB, em comparação com os lançamentos de 228 MB e 138 MB do acumulativo.

Mas apenas algumas máquinas com Windows 7 são elegíveis para as atualizações menores somente de segurança: aquelas atendidas pelo WSUS (Windows Server Update Services), sejam de terceiros ou do próprio System Center Configuration Manager (SCCM) da Microsoft, que dependem do WSUS para conteúdo. Todos os outros dispositivos do Windows 7, incluindo os executados por consumidores e pequenas empresas, que se conectam por meio do Windows Update ou do Windows Update for Business, recebem as atualizações acumulativas.

Com a atualização acumulativa, não é possível instalar os patches sem todas as correções desde, pelo menos, outubro de 2016. Se um patch quebra algo, como um aplicativo ou fluxo de trabalho crítico para os negócios , todos os lançamentos subsequentes devem ser colocados em espera.

Mas ao adotar as atualizações somente de segurança, uma equipe de TI pode lançar, por exemplo, a versão de junho, mesmo que ela tenha sido adiada por causa de um patch não autorizado. Essa prática é semelhante, embora em um nível mais macro, à maneira como os patches individuais são implantados ou bloqueados, dependendo das interferências no sistema.

Redução do problema

Nem todas as máquinas com Windows 7 precisam pagar o preço total pelos pacotes crescentes. As empresas que implementam atualizações por meio do WSUS podem aplicar o recurso opcional “Express Installation Files”, que limita a largura de banda consumida na rede local, reduzindo o tráfego relacionado à atualização.

Isso é feito identificando os bytes que mudam entre duas versões do mesmo arquivo, gerando uma atualização contendo apenas essas diferenças. No entanto, há uma desvantagem, que a Microsoft explica neste documento de suporte: Depois de ativar o recurso, o tamanho dos downloads dos servidores da Microsoft para os servidores locais do WSUS aumenta substancialmente. Segundo a Microsoft, os arquivos de instalação expressa podem triplicar o número de bits baixados para o (s) servidor (es) do WSUS.

“Quando você distribui atualizações usando esse método, é necessário um investimento inicial em largura de banda”, afirmou a Microsoft. “Os arquivos de instalação expressos são maiores do que as atualizações que eles devem distribuir. Isso ocorre porque o arquivo de instalação expresso deve conter todas as variações possíveis de cada arquivo que ele deve atualizar. No entanto, esse custo é mitigado pela quantidade reduzida de banda necessária para atualizar os computadores clientes na rede corporativa”, continua o documento.

Fonte: IDGNow!

Correção do Windows 10 gerando problemas

De acordo com uma publicação recente nos fóruns de suporte do Windows, uma série de computadores que receberam o pacote KB4103721 — que deveria consertar problemas causados pela grande atualização do Windows 10 que chegou no final de abril deste ano — não conseguem mais iniciar o Windows 10.

Ao que parece, a atualização que deveria corrigir alguns problemas acabou provocando outros ainda mais sérios. De acordo com o usuário que reportou a falha inicialmente, alguns arquivos do sistema foram corrompidos nessa nova atualização, o que acarretou no comprometimento da sequência de inicialização do SO.

Até o momento, a Microsoft ainda não reconheceu o problema, tampouco disponibilizou uma solução oficial para a falha. Ainda assim, os próprios usuários encontraram duas formas de reverter a situação. Uma delas é simplesmente reinstalar o Windows 10 a partir de sua versão mais recente ou entrar no modo de segurança do sistema a partir de um pendrive bootável do Windows.

Fonte: Tecmundo

Atualização de Abril do Windows 10 causa travamentos no Chrome

Depois de uma enxurrada de reclamações em tópicos do Reddit e em fóruns de suporte do Windows, a Microsoft reconheceu na última quarta-feira (02) que a grande atualização de abril de 2018 do Windows 10 de fato é “incompatível” com o Google Chrome, o navegador web mais utilizado no mundo.

Depois de fazer a instalação da atualização que foi liberada nesta semana, vários usuários reportaram que não conseguem usar o navegador da Google, pois ele trava e congela a tela inesperadamente com certa frequência. A única forma de voltar a usar o computador depois desses travamentos seria reiniciando a máquina ou utilizar uma das recomendações da própria Microsoft.

Em um computador com teclado físico, a Microsoft explica que é possível destravar o sistema fazendo a seguinte combinação: Windows+Ctrl+Shift+B. Quem estiver usando um tablet pode solucionar o problema apertando os dois botões de volume laterais juntos três vezes seguidas em um espaço de dois segundos. É possível também apenas fechar a tampa do notebook e abri-la novamente alguns segundos depois.

Como esse bug passou pelos Insiders?

Esse mesmo problema de travamento de apps no Windows 10 com a grande atualização de abril de 2018 (versão 1803) também pode acontecer com a própria Cortana, o que nos leva a pensar como duas aplicações populares como essas não foram devidamente testadas nas versões preliminares da atualização.

Microsoft prometeu consertar o problema com uma atualização que será liberada na próxima terça-feira, dia 08 de maio

Afinal, a Microsoft tem um programa de testadores com mais de 10 milhões de pessoas conferindo as novas versões do Windows antes de elas chegarem ao consumidor final. Dessa maneira, podemos imaginar que o bug foi causado por alguma coisa nova que a empresa fez no SO, depois de ter recebido todo o feedback dos Insiders.

Seja como for, a Microsoft prometeu consertar o problema com uma atualização que será liberada na próxima terça-feira, dia 08 de maio. Até lá, quem já atualizou o sistema terá que decorar a sequência de teclas para o destravamento ou deixar o Chrome de lado por alguns dias.

Fonte: Tecmundo

Microsoft encara problemas com processadores AMD após atualização

Os processadores da AMD não são afetados pela falha de CPU Meltdown, que vem tomando as manchetes desde a última semana, mas a solução para o problema aparentemente pode deixar de joelhos algumas CPUs da fabricante. A Microsoft inclusive interrompeu a oferta do patch de segurança para o Windows para alguns sistemas da AMD após relatos de PCs com problemas para inicializar.

“Após investigar, a Microsoft determinou que alguns chipsets da AMD não correspondem aos documentos enviados anteriormente para a Microsoft para desenvolver as mitigações do Windows para proteção contra as vulnerabilidades de chipset conhecidas como Spectre e Meltdown”, afirma a empresa de Redmond em um aviso de segurança.

“Para evitar que os usuários da AMD entrem em um estado de não inicialização das máquinas, a Microsoft vai interromper temporariamente neste momento o envio os updates de sistema do Windows para os dispositivos com os processadores da AMD impactados.”

No entanto, a Microsoft não especifica quais CPUs da AMD são vulneráveis ao erro em questão. A CSO dos EUA informa que boa parte dos relatos em fóruns on-line sobre o problema são relacionados a chips mais antigos como Athlon e Sempron, sendo que o maior tópico sobre o assunto conta com mais de 160 respostas e mais de 800 votos para “Eu tenho a mesma pergunta”.

A AMD e a Microsoft estão trabalhando para resolver o problema. As atualizações de segurança para os computadores afetados voltarão a ser distribuídas após a questão ser resolvida. Caso o seu PC AMD não inicialize mais depois da instalação do patch de emergência liberado na última semana, a Microsoft diz que seus guias para resolução de erros de tela azul no Windows 7, 8 e 10 podem ajudar.

Mesmo que você não possa instalar o patch para o Meltdown neste momento, é muito importante atualizar o seu navegador o quanto antes. Firefox, Chrome, IE e Edge receberam updates com proteções iniciais contra a falha Spectre – um problema separado do Meltdown e desses patches com bugs para o Windows. Os chips da AMD são suscetíveis ao Spectre.

Fonte: IDG Now!

Microsoft divulga solução para bug em atualização recente

A Microsoft distribuiu no último dia 17 sua mais nova versão do Windows 10, o Fall Creators Update, que, entre várias novidades, trouxe recursos para as realidades virtual e aumentada. A atualização, contudo, não deu certo para muitos usuários, que reclamam de instabilidade no sistema e desaparecimento de aplicativos e configurações. Para essas últimas reclamações, a companhia de Redmond publicou uma solução alternativa, enquanto não faz a correção via software.

Os problemas fazem como que apps como a calculadora fiquem inacessíveis. Não é possível encontrá-los nem mesmo via Menu Iniciar ou busca pela assistente digital Cortana. A irritação é ainda maior quando você tenta baixar esses utilitários via Windows Store, que confirma a presença dos programas na máquina — e a prova é que eles podem ser abertos por meio da loja digital.

Enquanto trabalha nos ajustes, a empresa recomenda que os usuários resetem ou desinstalem completamente os títulos afetados, para então instalá-los novamente. Contudo, o meio mais efetivo de tê-los de volta é registrando-os mais uma vez com o uso do framework PowerShell, com a seguintes instruções:

  • Digite PowerShell na busca via Cortana. Ao encontrá-lo, clique com o botão direito para rodar a aplicação como administrador
  • Na janela do PowerShell, digite os seguintes comandos, que podem demorar alguns minutos para funcionar:
  • reg delete “HKCU\Software\Microsoft\Windows NT\CurrentVersion\TileDataModel\Migration\TileStore” /va /f
  • get-appxpackage -packageType bundle |% {add-appxpackage -register -disabledevelopmentmode ($_.installlocation + “\appxmetadata\appxbundlemanifest.xml”)}
  • $bundlefamilies = (get-appxpackage -packagetype Bundle).packagefamilyname
  • get-appxpackage -packagetype main |? {-not ($bundlefamilies -contains $_.packagefamilyname)} |% {add-appxpackage -register -disabledevelopmentmode ($_.installlocation + “\appxmanifest.xml”)}
  • Assim que você completar todos os comandos, os apps devem aparecer na lista de aplicativos, com a opção de serem fixados ao Menu Iniciar.

Vale destacar que a Microsoft não garante o retorno de todos os softwares perdidos e ainda não há data para o update para conserto definitivo desses bugs.

Agradecemos ao Paulo Sollo, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Tecmundo

Windows 10 Fall Creators Update ao alcance de todos

É hora de atualizar o Windows 10 mais uma vez. Nesta terça-feira (17), a Microsoft lançou o aguardado Fall Creators Update, nova versão do sistema operacional que, como o nome já diz, foca suas novidades nos usuários criativos ou que utilizam a plataforma para criação de conteúdo. O grande destaque da edição é a chegada da “realidade mista”, misturando as categorias virtual e aumentada dessa tecnologia.

O suporte a headsets que fazem uso desse recurso fica disponível para todos os usuários que realizarem a atualização. Com isso, a empresa quer facilitar o uso desse tipo de dispositivo, aumentando a integração entre diferentes computadores e também facilitando o desenvolvimento e implementação. É possível, por exemplo, visualizar a realidade aumentada a partir de webcams comuns até utilizar recursos desse tipo em aparelhos de alta complexidade e valor.

Microsoft fortalece parcerias

Com o Fall Creators Update, a Microsoft também solidifica a parceria com nomes como Acer, Dell e HP, todas com lançamentos de headsets voltados especificamente para essa tecnologia. No Brasil, por exemplo, é lançado nesta semana o Lenovo Explorer, que custa R$ 2.499 e traz sensores embutidos nos próprios óculos, facilitando a instalação e uso sem a necessidade de componentes externos, que precisam ser espalhados pela sala.

A nova atualização do Windows 10 deposita boa parte de suas fichas no potencial gráfico e isso se traduz de diferentes maneiras. Chega a todos os usuários, por exemplo, o Paint 3D, permitindo que qualquer um crie objetos tridimensionais de forma simples, com importação e exportação para e a partir de softwares do pacote Office e capacidades de animação diretamente no aplicativo. Eles também podem ser transportados para o mundo real por meio dos sistemas de “realidade mista”.

Esse potencial de criação também aparece no aplicativo de Fotos, com a criação de colagens, apresentações e outros se tornando mais simples. Com alguns cliques, os usuários poderão transformar as memórias de uma viagem, por exemplo, em uma exibição complexa, com direito a transições, trilha sonora e, novamente, efeitos tridimensionais. Mais uma vez, a promessa é que fazer isso será simples e rápido.

Temos ainda as atualizações de visual, como parte do novo conceito de Fluent Design, da Microsoft. A partir da nova atualização, janelas passam a ter elementos transparentes e transições mais interessantes, de forma a não apenas gerar um resultado mais bonito, mas também facilitar a utilização e localização de itens no sistema operacional.

Nos jogos, também temos novidades. A Microsoft está adicionando novidades ao aplicativo do Mixer voltadas especificamente para quem assiste grandes transmissões de eSports, e realizando mudanças no Modo Jogo, incrementando ainda mais a otimização dos games de acordo com cada hardware e os recursos disponíveis.

Por fim, temos outras pequenas adições, como a possibilidade nativa de fazer anotações sobre qualquer arquivo PDF, melhorias no recurso de localização da caneta stylus vinculada ao computador e incrementos na tecnologia de sincronização de abas, trabalhos e outros entre diferentes dispositivos, por meio do Microsoft Edge e outros apps compatíveis. A Microsoft também melhorou algumas opções de acessibilidade e adicionou outras, como uma que permite a utilização do Windows 10 somente com o olhar.

Além das correções de bugs e melhorias de performance que sempre acompanham atualizações desse tipo, a Microsoft também deu atenção à segurança, incrementando o sistema de permissões. Agora, como nos smartphones, os usuários serão levados a darem, expressamente, a autorização para aplicativos que estiverem tentando acessar recursos como câmeras e microfone. Antes, essa anuência era dada de forma implícita, com a plataforma entendendo o download como tal.

O Fall Creators Update já está disponível, gratuitamente, para todos os usuários. A atualização pode ser feita diretamente pela internet, a partir do próprio assistente do sistema operacional. Opções que utilizam drives USB ou permitem a criação de mídia também estão disponíveis.

Agradecemos ao Augusto, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Canaltech

Atualização problemática do Windows 8.1

O Windows 8.1 definitivamente não foi a versão mais popular do sistema operacional da Microsoft. Isso fica bastante evidente se considerarmos o sucesso do Windows 7, que ainda equipa uma boa parcela dos PCs ao redor do globo – aproximadamente 48% de todos os computadores do mundo.

Porém, embora tenha apenas 6% dessa fatia de mercado, o Windows 8.1 vem dando uma dor de cabeça para a Microsoft. A partir da última atualização de setembro, boa parte dos usuários que ainda rodam essa versão do SO estão alegando que não conseguem mais logar em suas máquinas usando a conta Microsoft. A mensagem que eles recebem é: “Desculpe, não conseguimos nos conectar com os serviços da Microsoft no momento. Se o problema persistir, procure por ‘problemas de rede’ na tela inicial”.

Admitindo o erro

Em uma página de suporte no site da própria Microsoft, um dos colaboradores da empresa assume que o update de setembro foi o responsável por esse erro.

“Esse é um bug conhecido no Windows 8.1 depois da última atualização de setembro. Nossos engenheiros já estão trabalhando nisso e dando o melhor para resolver o problema o mais rápido possível para minimizar as inconveniências para nossos clientes. Vamos mantê-los atualizados por meio deste tópico assim que uma correção seja liberada”.

De acordo com alguns usuários, esse é um problema que já acontece desde o dia 13 de setembro. Como alternativa, é preciso entrar no sistema utilizando uma conta local, perdendo o acesso a alguns privilégios que a conta Microsoft garantia, como o download de aplicativos da loja.

Diante da situação, parece que a Microsoft não parece estar muito interessado em resolver o problema. Vale ressaltar que o Windows 8.1 vai receber suporte oficial até o dia 9 de janeiro de 2018. Será que a empresa está querendo adiantar essa data? Ou uma correção será realmente liberada em breve?

Fonte: Tecmundo