Avaliação dos principais apps de VPN

Levantamento da empresa de segurança AV Test analisou soluções como NordVPN, Avast SecureLine VPN, F-Secure FREEDOME VPN, Norton WiFi Privacy e Hotspot Shield.

Um novo estudo do instituto alemão de segurança em tecnologia AV Test testou 12 das principais soluções de VPN (rede virtual privada) disponíveis no mercado Entre outras coisas, a pesquisa, realizada no ultimo mês de abril, analisou as aplicações em diferentes situações para avaliar pontos como usabilidade, privacidade, desempenho e funcionalidade.

A lista de aplicativos testados inclui soluções como NordVPN, Avast SecureLine VPN, F-Secure FREEDOME VPN, Norton WiFi Privacy, Cisco AnyConnect Secure Mobility Client e Hotspot Shield – vale notar que a fabricante dessa última aplicação, a Anchorfree, comissionou o estudo.

Em usabilidade, por exemplo, são levados em conta fatores como a quantidade de passos necessários para diferentes processos, como configuração e conexão, além do número de idiomas suportados. “A configuração é bastante fácil para todos os produtos voltados para os consumidores”, afirma a AV no levantamento.

Em segurança, o teste analisou uma variedade de pontos, como vulnerabilidade para vazamentos e proteção contra URLs maliciosas. “O ranking para as primeiras colocações na lista é muito próximo para esse teste. Em termos de recursos e segurança fornecida, a lista se resume aos quatro produtos a seguir: ExpressVPN, F-Secure FREEDOME VPN, Hotspot Shield Elite e Private Internet Access”, destaca a AV Test na conclusão da seção de segurança e privacidade da pesquisa.

Compatibilidade

De acordo com a AV Test, todos os produtos testados no estudo oferecem suporte para as plataformas Windows, Android e iOS. Além disso, o macOS, da Apple, é compatível com todas as soluções da lista, com exceção do produto da Cisco.

Esse estudo pode ser acessado aqui.

Fonte: IDGNow!

Proteção do Windows Defender: dá pra confiar?

O Windows Defender é uma solução antivírus gratuita e integrada ao Windows que a Microsoft oferece de maneira completa há alguns anos. O que muitas pessoas não sabem, infelizmente, é que o Windows Defender não é um “cão de guarda” tão potente assim.

De acordo com uma análise recente da PC Magazin, o Windows Defender tem uma proteção “satisfatória” — obviamente, o veículo nota que as soluções pagas são bem mais robustas e oferecem mais segurança aos computadores. Entre os pontos positivos analisados, o Defender tem sucesso ao proteger o PC de falsos positivos e também possui um bom recurso de pastas protegidas.

Segundo a análise, o antivírus com maior pontuação é o Kaspersky Total Security

Por outro lado, o antivírus da Microsoft não consegue detectar malwares com a mesma capacidade de outros 11 antivírus analisados. Ainda, o programa consome muitos recursos do computador enquanto trabalha. Por isso, ficou em último lugar no ranking de softwares antivírus.

Segundo a análise, o antivírus com maior pontuação é o Kaspersky Total Security, empatado com o Bitdefender Total Security Multi Device, seguidos pelo Avast Premier.

A revista PC Magazin comparou o Windows Defender, gratuito, com 11 soluções antivírus pagas. É praticamente óbvio que a solução da Microsoft ficaria em último lugar.

Fontes: Tecmundo e Techbook

Quanto tempo um hacker pode levar para decifrar a sua senha?

kaspersky_password_checkEm quanto tempo um hacker habilidoso, usando os recursos de um computador convencional, pode descobrir a sua senha? A empresa russa de segurança Kaspersky criou uma calculadora que dá a resposta instantaneamente.

Basta digitar uma senha no campo principal para descobrir a força. A empresa diz para você não usar suas senhas reais. A dica é colocar alguma que seja parecida. Por exemplo: se sua senha for AbC@190, substitua por AbD@290.

Senhas mais fáceis, como a tradicional “123456” levam apenas um segundo para ser descobertas. Já senhas mais complexas, que usam maiúsculas, minúsculas, números e caracteres especiais, podem levar bem mais tempo.

Uma senha parecida com a que eu uso para o Gmail, por exemplo, levaria cinco séculos para ser decifrada. Amigos hackers, não entendam isso como um desafio pessoal, ok?

Agradecemos ao Paulo Sollo, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Época