Atualização de Abril do Windows 10 causa travamentos no Chrome

Depois de uma enxurrada de reclamações em tópicos do Reddit e em fóruns de suporte do Windows, a Microsoft reconheceu na última quarta-feira (02) que a grande atualização de abril de 2018 do Windows 10 de fato é “incompatível” com o Google Chrome, o navegador web mais utilizado no mundo.

Depois de fazer a instalação da atualização que foi liberada nesta semana, vários usuários reportaram que não conseguem usar o navegador da Google, pois ele trava e congela a tela inesperadamente com certa frequência. A única forma de voltar a usar o computador depois desses travamentos seria reiniciando a máquina ou utilizar uma das recomendações da própria Microsoft.

Em um computador com teclado físico, a Microsoft explica que é possível destravar o sistema fazendo a seguinte combinação: Windows+Ctrl+Shift+B. Quem estiver usando um tablet pode solucionar o problema apertando os dois botões de volume laterais juntos três vezes seguidas em um espaço de dois segundos. É possível também apenas fechar a tampa do notebook e abri-la novamente alguns segundos depois.

Como esse bug passou pelos Insiders?

Esse mesmo problema de travamento de apps no Windows 10 com a grande atualização de abril de 2018 (versão 1803) também pode acontecer com a própria Cortana, o que nos leva a pensar como duas aplicações populares como essas não foram devidamente testadas nas versões preliminares da atualização.

Microsoft prometeu consertar o problema com uma atualização que será liberada na próxima terça-feira, dia 08 de maio

Afinal, a Microsoft tem um programa de testadores com mais de 10 milhões de pessoas conferindo as novas versões do Windows antes de elas chegarem ao consumidor final. Dessa maneira, podemos imaginar que o bug foi causado por alguma coisa nova que a empresa fez no SO, depois de ter recebido todo o feedback dos Insiders.

Seja como for, a Microsoft prometeu consertar o problema com uma atualização que será liberada na próxima terça-feira, dia 08 de maio. Até lá, quem já atualizou o sistema terá que decorar a sequência de teclas para o destravamento ou deixar o Chrome de lado por alguns dias.

Fonte: Tecmundo

Microsoft encara problemas com processadores AMD após atualização

Os processadores da AMD não são afetados pela falha de CPU Meltdown, que vem tomando as manchetes desde a última semana, mas a solução para o problema aparentemente pode deixar de joelhos algumas CPUs da fabricante. A Microsoft inclusive interrompeu a oferta do patch de segurança para o Windows para alguns sistemas da AMD após relatos de PCs com problemas para inicializar.

“Após investigar, a Microsoft determinou que alguns chipsets da AMD não correspondem aos documentos enviados anteriormente para a Microsoft para desenvolver as mitigações do Windows para proteção contra as vulnerabilidades de chipset conhecidas como Spectre e Meltdown”, afirma a empresa de Redmond em um aviso de segurança.

“Para evitar que os usuários da AMD entrem em um estado de não inicialização das máquinas, a Microsoft vai interromper temporariamente neste momento o envio os updates de sistema do Windows para os dispositivos com os processadores da AMD impactados.”

No entanto, a Microsoft não especifica quais CPUs da AMD são vulneráveis ao erro em questão. A CSO dos EUA informa que boa parte dos relatos em fóruns on-line sobre o problema são relacionados a chips mais antigos como Athlon e Sempron, sendo que o maior tópico sobre o assunto conta com mais de 160 respostas e mais de 800 votos para “Eu tenho a mesma pergunta”.

A AMD e a Microsoft estão trabalhando para resolver o problema. As atualizações de segurança para os computadores afetados voltarão a ser distribuídas após a questão ser resolvida. Caso o seu PC AMD não inicialize mais depois da instalação do patch de emergência liberado na última semana, a Microsoft diz que seus guias para resolução de erros de tela azul no Windows 7, 8 e 10 podem ajudar.

Mesmo que você não possa instalar o patch para o Meltdown neste momento, é muito importante atualizar o seu navegador o quanto antes. Firefox, Chrome, IE e Edge receberam updates com proteções iniciais contra a falha Spectre – um problema separado do Meltdown e desses patches com bugs para o Windows. Os chips da AMD são suscetíveis ao Spectre.

Fonte: IDG Now!

Atualização para o Windows Fall Creators gera bug em alguns PCs

De acordo com diversos relatos na Web, um bug está impedindo a instalação do Windows 10 Fall Creators Update em PCs com certas combinações de hardware.

Bug impede instalação do Windows 10 Fall Creators Update

A Microsoft lançou a atualização, que também é conhecida como Windows 10 v1709, no dia 17 de outubro. O problema é quem nem todos conseguiram instalar a atualização com sucesso e a causa está aparentemente ligada a combinações específicas de placas-mãe e SSDs.

Muitos dos problemas relatados com a instalação do Windows 10 Fall Creators Update parecem afetar PCs com certas placas-mãe com chipset X299 e SSDs compatíveis com o protocolo NVMe.

Usuários relataram os problemas no fórum da Microsoft e nos fóruns de fabricantes como a ASUS. Usuários com placas da MSI e Gigabyte também foram afetados.

A Microsoft confirmou que está ciente do problema e está trabalhando com os fabricantes para resolvê-lo o mais rápido possível.

Como solução temporária, é recomendável que os usuários com placas-mãe baseadas no chipset X299 que tiveram o problema façam a instalação limpa do Windows 10 Fall Creators Update ao invés de tentarem atualizar para esta versão.

Agradecemos ao Augusto, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Baboo

Microsoft divulga solução para bug em atualização recente

A Microsoft distribuiu no último dia 17 sua mais nova versão do Windows 10, o Fall Creators Update, que, entre várias novidades, trouxe recursos para as realidades virtual e aumentada. A atualização, contudo, não deu certo para muitos usuários, que reclamam de instabilidade no sistema e desaparecimento de aplicativos e configurações. Para essas últimas reclamações, a companhia de Redmond publicou uma solução alternativa, enquanto não faz a correção via software.

Os problemas fazem como que apps como a calculadora fiquem inacessíveis. Não é possível encontrá-los nem mesmo via Menu Iniciar ou busca pela assistente digital Cortana. A irritação é ainda maior quando você tenta baixar esses utilitários via Windows Store, que confirma a presença dos programas na máquina — e a prova é que eles podem ser abertos por meio da loja digital.

Enquanto trabalha nos ajustes, a empresa recomenda que os usuários resetem ou desinstalem completamente os títulos afetados, para então instalá-los novamente. Contudo, o meio mais efetivo de tê-los de volta é registrando-os mais uma vez com o uso do framework PowerShell, com a seguintes instruções:

  • Digite PowerShell na busca via Cortana. Ao encontrá-lo, clique com o botão direito para rodar a aplicação como administrador
  • Na janela do PowerShell, digite os seguintes comandos, que podem demorar alguns minutos para funcionar:
  • reg delete “HKCU\Software\Microsoft\Windows NT\CurrentVersion\TileDataModel\Migration\TileStore” /va /f
  • get-appxpackage -packageType bundle |% {add-appxpackage -register -disabledevelopmentmode ($_.installlocation + “\appxmetadata\appxbundlemanifest.xml”)}
  • $bundlefamilies = (get-appxpackage -packagetype Bundle).packagefamilyname
  • get-appxpackage -packagetype main |? {-not ($bundlefamilies -contains $_.packagefamilyname)} |% {add-appxpackage -register -disabledevelopmentmode ($_.installlocation + “\appxmanifest.xml”)}
  • Assim que você completar todos os comandos, os apps devem aparecer na lista de aplicativos, com a opção de serem fixados ao Menu Iniciar.

Vale destacar que a Microsoft não garante o retorno de todos os softwares perdidos e ainda não há data para o update para conserto definitivo desses bugs.

Agradecemos ao Paulo Sollo, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Tecmundo

Bug dos anos 90 coloca em risco usuários do Windows 7 e 8

Uma nova versão de um problema antigo voltou para assombrar os usuários de Windows 7 e 8.1: um bug permite a sites maliciosos explorar variações de um arquivo com nome “$MFT”, utilizado pelo sistema NTFS (New Technology File System, ou “Nova Tecnologia de Sistema de Arquivos”) para lidar com metadata específica. Isso causa lentidão e pode até mesmo trazer a famosa “Tela Azul da Morte” . A brecha não afeta o Windows 10.

Nos anos 90, uma falha permitia que usuários mal-intencionados pudessem derrubar o Windows 95 e 98 facilmente. Era só gerar um documento com denominação igual ao de outro essencial para causar problemas no funcionamento.

O que acontece atualmente é algo semelhante. Algumas aplicações pré-Windows 10 são batizadas de forma especial porque elas se relacionam com hardware, e não software. Ao visitar uma página que carrega uma referência ao “$MFT” em forma de diretório, o driver NFTS — que normalmente fica escondido e não pode ser manuseado — reage impedindo o acesso ao conjunto de dados, o que inicialmente já deixa tudo mais lerdo. Depois de certo tempo, a única solução é, então, reiniciar tudo.

Alguns navegadores bloqueiam a ameaça, porém o Internet Explorer mostrou-se vulnerável a esse tipo de ataque. A Microsoft foi contatada e ainda não lançou uma atualização para resolver isso. Enquanto isso, a dica é se manter distante de páginas e conteúdo duvidosos e manter seu Windows sempre em dia.

Fonte: Tecmundo e Ars Technica

Adobe corrige falha crítica do Flash

Adobe-flash-bug-patchA Adobe Systems liberou nos últimos dias atualizações de segurança para diversos produtos, incluindo uma para o Flash Player que corrige uma vulnerabilidade crítica que já é conhecida e explorada por criminosos.

O update do Flash Player corrige um total de 17 vulnerabilidades, sendo que 16 delas são críticas e podem ser exploradas para a execução de código malicioso nos sistemas afetados. Uma dessas falhas, rastreada como CVE-2016-7892 no catálogo Common Vulnerabilities and Exposures (CVE), já está usada por hackers.

A Adobe tem conhecido do relato de que um exploit para a CVE-2016-7892 existe por aí, e está sendo usado em ataques limitados e direcionados contra usuários rodando o Internet Explorer (32-bit) no Windows”, afirmou a empresa – a vulnerabilidade foi revelada de forma anônima para a companhia.

Os usuários do Flash Player no Windows, OS X e Linux devem fazer o upgrade para a recém-lançada versão 24.0.0.186 o mais rápido possível. O plug-in do Flash já embutido ao Chrome e ao Internet Explorer será automaticamente atualizado por meio dos mecanismos de update dos navegadores.

Fonte: IDG Now!

Atualização última do Windows gera problemas de endereçamento

pach_winÉ possível que você tenha tido problemas para acessar a internet a partir de um PC com Windows 10 nos últimos dias. Se isso aconteceu, saiba que não foi só com você. Uma atualização do sistema operacional da Microsoft parece ter bloqueado a conexão de diversos usuários.

Ainda não se sabe qual das atualizações automáticas do Windows 10 fez isso, mas o site Ars Technica indica que deve ter sido a KB3201845, distribuída em 9 de dezembro. Um bug nesse update fez com que o DHCP (Dynamic Host Configuration Protocol) parasse de funcionar.

Esse protocolo é o que permite que o computador seja capaz de adquirir um endereço de IP da rede para fazer a conexão. Sem ele, o PC não pode se conectar à web nem por Wi-Fi e nem por cabo. A Microsoft já liberou uma atualização nesta semana que corrige o problema.

Como resolver

Se você ainda não recebeu o patch de correção, saiba que é possível arrumar uma solução temporária manualmente. No seu PC com Windows 10, vá até o Painel de Controle > Rede e Internet > Central de Rede e Compartilhamento > Alterar as configurações do adaptador. Por fim, clique com o botão direito na conexão de rede ativa (seja por cabo ou Wi-Fi) e clique em Propriedades.

Na janela que se abre, procure por uma caixa de seleção que diga “Protocolo IP Versão 4 (TCP/IPv4)”. Não desmarque a caixa, mas clique nessa opção e depois em “Propriedades” logo abaixo. Nessa nova janela, você verá na parte de baixo duas opções: obter o DNS automaticamente ou usar um servidor preferencial.

Normalmente, a primeira opção vem marcada por padrão, e é aí onde está o problema. Marque a opção abaixo, “Usar os seguintes endereços de servidor DNS”, para inserir um provedor manualmente. Se você já conhecer algum endereço de DNS, use-o. Se não, uma boa pedida é o servidor do Google.

Na caixa de texto que indica “Servidor DNS preferencial”, insira os seguintes números: 8.8.8.8. No campo abaixo, insira o DNS alternativo do Google, que é 8.8.4.4. Clique em OK para finalizar o processo e pronto. Sua conexão com a internet deve voltar imediatamente.Welcome to EditPad.org – your online plain text editor. Enter or paste your text here. To download and save it, click on the button below.

Opinião do seu micro seguro: tenho um PC com o Windows 7 e enfrentei o mesmo problema descrito nessa matéria, o que significa que o bug não se restringe apenas a usuários do Windows 10.

Fonte: Olhar Digital e Ars Technica