Cibercriminosos criam malware para roubo de criptomoedas

Os métodos de ataque que cibercriminosos de elite usam são muitas vezes tão sofisticados que até mesmo profissionais de cibersegurança têm grandes dificuldades em descobri-los. Há algum tempo, os especialistas da Kaspersky detectaram uma nova campanha de um grupo norte-coreano chamado Lazarus, reconhecido por seus ataques a Sony Pictures e várias instituições financeiras – um roubo de US$ 81 milhões de dólares do Banco Central da República Popular do Bangladesh, por exemplo.

Neste caso em particular, os invasores decidiram encher os bolsos com algumas criptomoedas. Para abrir as carteiras das vítimas, lançaram um malware nas redes corporativas de diversas exchanges de criptomoedas. Os criminosos confiaram no fator humano e foram recompensados.

Software de operações com uma atualização maliciosa

A penetração na rede começou com um e-mail. Pelo menos um dos funcionários da exchange recebeu uma oferta para instalar um aplicativo de operações financeiras, compra e venda de moedas virtuais chamado Celas Trade Pro, da Celas Limited. Um software como esse pode ser potencialmente útil para a empresa, considerando seu perfil corporativo.

A mensagem incluía um link para o site oficial do desenvolvedor, que parecia normal – tinha até um certificado SSL válido emitido pelo Comodo CA, um dos principais centros de certificação.

Fonte: Kaspersky