Novo golpe no WhatsApp promete crédito de R$ 15

whatsapp_golpeO link malicioso da vez no WhatsApp promete R$ 15 em créditos para celular se você clicar nele e seguir os passos sugeridos pelos criadores do “phishing” (fraude eletrônica). Em apenas 24 horas, mais de 300 mil pessoas já foram afetadas, segundo as empresas de segurança digital PSafe e Kaspersky.

O golpe começa com uma mensagem de um contato conhecido ou de algum grupo do WhatsApp convidando a pessoa a clicar no anúncio da promoção. O falso aviso também induz o usuário a compartilhar o link com seus amigos e grupos para que assim possa “receber os créditos”.

Depois a vítima do golpe é redirecionada para uma página que pede o número do seu celular. A partir desse momento, a pessoa é cadastrada em um serviço pago de SMS. O golpe ainda orienta que o usuário, caso não tenha acesso imediato aos créditos, tente novamente após 15 minutos.

O ataque, que possui até falsos comentários elogiando e recomendando a oferta, pode expor ou roubar os dados dos usuários, além de causar perdas financeiras com o SMS pago e indesejado.

Para não se tornar uma vítima desse e outros golpes, recomenda-se o uso de um aplicativo antivírus com a função “antiphishing” capaz de analisar e bloquear as ameaças já existentes. E mantenha-o sempre atualizado. Ah, e não clique em, nem compartilhe, mensagens com promessas esquisitas.

Fonte: Tecnologia UOL

Falha grave de segurança em cartões de crédito é preocupante

cartoes_creditoPesquisadores da Universidade de Newcastle, no Reino Unido, provaram que existe um falha na segurança de cartões de crédito que facilmente expõe os dados sensíveis de titulares. De acordo com a pesquisa, “se o número do cartão estiver registrados em muitos sites diferentes, os sistemas de segurança do cartão não são ativados e o dono também não é notificado de uma possível atividade fraudulenta”.

O software desenvolvido pelos pesquisadores foi capaz de compilar dados importantes de cartões de créditos registrados em diferentes websites, como data de validade, endereço do titular, código de segurança etc. No começo do mês, mais de 20 mil contas do Tesco Bank acabaram vazando, e rumores indicam que hackers utilizaram a mesma técnica demonstrada no estudo.

A pesquisa foi publicada no IEEE Security & Privacy 2017 e a Universidade confirmou que enviou avisos para a Visa sobre a falha, mas a companhia não “levou muito a sério”, segundo o TNW.

“A pesquisa não leva me conta as múltiplas camadas de prevenção que existem com os sistemas de pagamento, cada um deles precisam ser completos para uma transação ser realizada no mundo real”, comentou a Visa ao The Independent.

Os efeitos da liberação dessa pesquisa ainda serão sentidos. Assim que tivermos mais novidades, atualizaremos essa notícia.

Fontes: Tecmundo e TNW