Erros que podem diminuir tempo de vida do seu smartphone

smartphoneNormalmente, a gente faz algumas coisas para proteger o smartphones de quedas, como colocar uma capinha de proteção. A gente também protege eles contra roubos, ativando o rastreamento ou opções de bloqueio, por exemplo.

Mas é comum cometermos erros que podem ser prejudiciais e a gente nem sabe! Mas eu vou te mostrar quais são alguns deles, olha só!

Deixar desatualizado

Não é bom deixar o sistema operacional do celular e os aplicativos desatualizados! As atualizações não servem só para trazer novidades e funcionalidades legais, mas também para trazer correções no sistema e novas formas de proteger o aparelho de vírus.
Além disso, elas também podem trazer melhorias no desempenho da bateria e da conexão Wi-Fi.

Não ter cuidado com temperaturas extremas

Temperaturas muito altas ou muito baixas podem prejudicar a bateria do aparelho. A dica é evitar que o celular chegue a uma temperatura abaixo de 0°C ou acima de 35°C, tá? Você pode controlar isso usando um aplicativo como o Cooler Master, que está disponível para Android, ou o iStat, que está disponível para iOS.

Usar o carregador errado

Às vezes a gente esquece o carregador do celular em casa ou acaba perdendo e, em uma hora de emergência, acaba comprando um que não é o original da marca, não é mesmo? Gente, por mais que seja uma solução fácil, ela não é a ideal.
Usar um carregador que não foi autorizado pela marca pode acabar esquentando demais o smartphone e causar até danos maiores, viu?

Usar redes de Wi-Fi públicas

As redes de Wi-Fi públicas de restaurantes, shoppings, lojas e bares são ótimas para economizar a franquia de internet móvel ou então conseguir conexão quando o sinal de 3G está meio ruim. Mas é bom evitar entrar no e-mail, sites de banco ou acessar documentos importantes, porque essas redes podem ser usadas por hackers para conseguir suas informações pessoais, viu?

Não limpar

Sempre que possível, passe um pano macio e que não solte fiapos no seu celular. A sujeira pode acabar se acumulando nas entradas do fone, carregador e até nos botões de áudio, e isso pode prejudicar o funcionamento do aparelho. Ah, também é legal colocar uma película para proteger a tela, OK.

Fonte: Olhar Digital

Como se proteger do “golpe do Uber”

uberImagine a cena: você sai do trabalho tarde da noite, e para não voltar para casa de ônibus, decide chamar um Uber.

Enquanto espera na calçada, um carro encosta e pergunta se você está esperando um dos veículos da empresa. Você entra?

Relatos como este estão se tornando comuns. Pessoas mal intencionadas se aproveitam do fato de os carros do Uber não terem nenhuma identificação externa para aplicar esse tipo de golpe.

Não há motivo para desespero, no entanto. É fundamental ficar de olho e seguir essas 5 dicas de segurança para não cair em roubada no Uber.

1. Acompanhe o caminho que o carro está fazendo

O aplicativo mostra o carro a caminho. Se no mapa parece que o carro vai chegar pela direita, e ele chega pela esquerda, tem algo estranho aí.

Se parece que ele está na rua de trás, provavelmente não é o mesmo carro que encostou ao seu lado. Fique atenta!

2. Sempre cheque a placa do carro

Quando o aplicativo seleciona o carro que vai atender sua chamada, ele informa a placa, modelo e marca do carro.

Mesmo se você não souber a diferença entre um Chevrolet Celta e um Honda HR-V, você pode identificar o carro pela placa. Nunca entre no carro sem checar se a placa informada no app corresponde à placa do carro.

3. Nunca diga seu nome antes do motorista

Se você tem o hábito de perguntar “esse carro é para a Fulana?”, pode tratar de mudar. O motorista tem acesso ao seu nome, e em geral ele mesmo pergunta, até para a segurança dele. Espere que ele pergunte, e então você pode confirmar.

4. Verifique se o motorista está usando o aplicativo

Em geral os motoristas deixam o celular com o aplicativo aberto no painel do carro. Lá, antes deles iniciarem a viagem, você pode ver seu nome e sua foto. Isso confirma que aquele motorista é o que foi designado para atender seu chamado.

5. Ainda inseguro? Compartilhe sua localização

Você pode enviar para seus amigos e familiares um link que mostra onde você está enquanto está no Uber. Basta entrar no menu da viagem e clicar em “Compartilhar rota”.

Dessa forma a pessoa que receber a mensagem com link poderá ver em tempo real onde você está, se está mesmo a caminho de casa ou de qualquer que seja seu destino.

Fonte: Exame

Dicas simples para se proteger de Ransomwares

ransomwareConvenhamos, não dá para escapar das notícias a respeito de ransomware. A escória da Internet passou a receber muito mais publicidade a partir do momento que chegou aos EUA. Embora esses malwares sequestradores não sejam novos, recentemente eles começaram a ter como alvo hospitais, serviços públicos e policiais, ganhando notoriedade na mídia. Afinal, notícia ruim vende.

Apesar do fato de que grandes empresas e governos locais se tornaram alvos prioritários, isso não significa que são os únicos que tem de se preocupar. Usuários individuais, como nós, também podem estar em risco. Armazenamos nossa vida digital inteira em nossos dispositivos e estaríamos perdidos sem eles. A verdade é que quem se torna vítima desse tipo de ataque tende a pagar o resgate.

A Kaspersky Lab sugere que os usuários busquem se proteger de ameaças, ao invés de ter que pagar o resgate aos criminosos. Sabe-se que os bandidos estão sempre à procura de novas formas de colocar as mãos no dinheiro de pessoas honestas.

Então, o que alguém pode fazer para evitar fazer parte da grupo das vítimas? Para responder essa pergunta, conversamos com Ryan Naraine, diretor da Equipe de Análises e Pesquisas Globais da Kaspersky Lab, o GReAT, na sigla em inglês.
São dicas simples e valiosas de como se proteger de ransomwares.

Faça backups e proteja seus dados

Nunca é demais reforçar a importância de fazer backups de seus dados. Vivemos em uma era digital na qual armazenamos virtualmente desde fotos de casamentos até vídeos dos primeiros passos de nossos filhos. Se algo der errado com seu dispositivo, você perderá suas preciosas lembranças. É importante fazer backup não só na nuvem, mas em uma mídia física – HD externo, pendrive, entre outros – que seja

No caso de ransomwares, a manutenção offline é realmente importante. Se seu backup estiver conectado seja por um cabo USB ou por algo como o Dropbox, os vírus podem infectá-los.

Instale patches e atualize regularmente

Os seus dispositivos não param de solicitar autorização para atualizar programas ou aplicativos? Se você é do tipo que protela a instalação de atualizações, está na hora de mudar seus hábitos.

Fora o fato de atualizar a interface do programa ou alguma funcionalidade importante, essas patches tendem a corrigir vulnerabilidades conhecidas. Por mais que pareça uma chateação instalar a última versão do Windows ou do Java, negligenciar pode resultar em uma brecha para hackers que procuram explorar esse tipo de vulnerabilidade.

Tenha uma solução de segurança

No que diz respeito a segurança, você provavelmente se encaixa em uma das três opções. Você acredita que antivírus não fornecem qualquer utilidade; Você acha que vírus são um problema exclusivo de PCs, e que nada no mundo atingirá seu precioso Mac; ou faz questão de ter soluções de segurança em todos os seus dispositivos.

Se você se encaixa em uma das duas primeiras situações, chegou a hora de repensar seu posicionamento. Quando um malware ou ransomware possui uma assinatura específica, uma boa solução de segurança, pode impedir que você clique em links ou abra arquivos maliciosos. Nossas pesquisas mostraram que não apenas Macs, mas também celulares, são suscetíveis a ransomwares.

O risco relacionado a dispositivos móveis pode ser ainda maior dada a quantidade de informações pessoais, aplicativos financeiros e memórias digitais neles armazenados.

O que posso fazer se um ransomware me pegar?

No geral, não sugerimos que o resgate seja pago, pois não há nenhuma garantia concreta de que a proposta “solução” prometida pelo cracker lhe será efetivamente entregue. Existem diversas ferramentas por aí que podem ajudá-lo a desencriptar certas variantes de ransomware. A Kaspersky Lab oferece algumas ferramentas úteis e gratuitas para usuários vítimas das campanhas CoinVault e Bitcryptor, e até mesmo do recente CryptXXX.

Existem outras soluções de diversas empresas na área de segurança.
Com um pouco de pesquisa você pode acabar economizando caso exista uma ferramenta gratuita conhecida e destinada especificamente à solução do problema.

Fonte: Kaspersky blog (com partes editadas pelo seu micro seguro)

Hacker dá dicas de como criar senhas fortes

SenhasAnalistas de segurança sempre lembram que as senhas são parte importante nos cuidados que deve se ter na internet. Mas, ainda assim, muitas pessoas colocam senhas fracas e fácies de serem descobertas por cibercriminosos.

Segundo o hacker da RedTeam Security, Kurt Muhll, uma das maneiras mais fácies de criar uma senha segura é usando uma frase.

A técnica funciona assim: pense em uma frase simples que você possa lembrar. Por exemplo, “Eu comprei minha casa por R$1”. Depois, componha a senha com a primeira letra de cada palavra; fica “Ecmcp$1”.

“Isso vai dar as letras maiúsculas, minúsculas, um número e caracteres especiais”, explica Muhl. “É algo fácil de lembrar. Tudo que você precisa fazer é lembrar qual é a frase”.

Por quê a senha é forte? Os softwares usados para quebrar senhas fazem combinações de palavras, números e frases conhecidas até encontrar a combinação correta, o que pode levar menos de uma, afirma o hacker. Por isso, senhas como “123456” e “password”, ou qualquer outra que use uma palavra completa ou sequências, são consideradas inseguras.

Para fazer a senha ficar ainda mais forte, é só incluir mais elementos na frase. Dessa forma o número de combinações que os computadores precisam fazer é maior e demora mais para conseguir o acesso, se conseguir acertar.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Olhar Digital

Dicas básicas em segurança digital

segurançaOs cibercrimes estão se tornando cada vez mais comuns. Um estudo realizado no ano passado pela empresa de segurança Symantec revela que nove entre dez brasileiros já foram vítimas de falhas de segurança.

Para não correr o risco de ter dados roubados e possíveis prejuízos financeiros, é importante tomar alguns cuidados. Veja 10 dicas:

1. Desconfie de mensagens de empresas
Os hackers e ladrões de dados costumam conseguir informações através de phishing, usando indevidamente o nome de empresas e outras pessoas. Por isso, desconfie de e-mails e mensagens de promoções, cobranças ou que peçam informações pessoais.

2. Crie senhas de celular mais seguras
Quanto maior a senha do seu celular, melhor. Por isso, troque o PIN de quatro dígitos padrão do iOS nas configurações e bloqueie a tela do Android. Caso não queira uma senha maior, considere mudar o código com frequência.

3. Faça backup do seu computador
Crie o hábito de fazer backup regulares de seu computador para caso tenha algum problema e precise recuperar informações importantes. Se possível, configure seu dispositivo para fazer o backup automaticamente.

4. Instale uma solução se segurança 
Vírus e malware são sempre uma ameaça, por isso, tenha um antivírus instalado em seu computador.

5. Proteja sua rede de Wi-Fi
O roteador é a primeira linha de defesa da sua rede de Wi-Fi. Crie um login de administrador e uma senha que seja composta por letras e números.

6. Não envie informações pessoais por e-mail
Informações sensíveis, como dados bancários, números de documentos e informações comerciais confidenciais nunca devem ser enviados por e-mail sem criptografia. Caso a mensagem não seja criptografada, um hacker pode interceptar a mensagem e ter acesso à toda a conversa.

7. Evite redes de Wi-Fi públicas
Se for acessar uma rede de Wi-Fi pública, verifique se tem VPN (Rede Virtual Privada, em inglês), que permite criar pontes de ligação entre diferentes dispositivos via Internet, mantendo os dados de comunicação trocados entre eles codificados.

8. Use um gerenciador de senhas
A recomendação é que se use senhas diferentes para cada site cadastrado, contas bancárias e outros acessos. Para não ficar se confundindo com as senhas, use um gerenciador.

9. Use a autenticação de dois fatores
A autenticação de dois fatores oferece uma camada extra de segurança caso sua senha seja roubada. Além da senha, alguns sistemas oferecem a opção de enviar um código por e-mail ou SMS.

10. Permissões e configurações de segurança
Mantenha o software de seu computador e dispositivos móveis sempre atualizados e procure limpar as permissões de sites e aplicativos, que costumam armazenar dados do usuário.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa matéria.

Fonte: Olhar Digital

Dicas fundamentais para proteção contra ransomwares

ransomwareO número de ransomware tem crescido exponencialmente e esse tipo de ameaça também tem ganhado destaque por conta das modificações que a deixam cada vez mais perigosas. Esse tipo de malware é especialmente preocupante, porque invade a máquina da vítima e bloqueia o acesso aos arquivos – os quais serão liberados apenas mediante um “resgate”, geralmente cobrado em bitcoin.

Por conta dessa crescente ameaça (o Brasil é o país mais atacado por ransomware na América Latina), especialistas de segurança da Kaspersky Lab elaboraram 10 dicas simples para os usuários protegerem seus dados e evitarem este ataque.

1. Faça sempre backups regulares de seus arquivos importantes. É altamente recomendável criar duas cópias de segurança, uma na nuvem (em serviços como Dropbox, Google Drive, etc.) e outra gravada em uma mídia física (HD externo, pendrive, notebook extra, etc.). Importante conferir ao dispositivo “plano B” permissões de visualização ou leitura, assim ninguém poderá modificar ou apagar os arquivos.

2. Verifique periodicamente se o backup está funcionando. Há momentos em que uma falha acidental pode danificar os arquivos.

3. Cibercriminosos distribuem e-mails falsos se passando por lojas on-line ou banco para atrair o usuário a clicar em um link malicioso que distribui o malware, este método é conhecido como phishing. Para evitá-lo, melhore suas configurações de spam e nunca abra um anexo enviado por um e-mail desconhecido.

4. Não confie em ninguém. Links maliciosos podem ser enviados pelas redes sociais por amigos, colegas de trabalho ou parceiros de jogos que já foram infectados de uma maneira ou de outra pelos criminosos.

5. Habilite opções como “Mostrar a extensão de arquivos” nas configurações do Windows. Isso tornará bem mais fácil distinguir arquivos potencialmente maliciosos. Como trojans são programas, você deve ficar de olho em arquivos com extensões como .EXE, .vbs, e .SCR.

É preciso ficar atento também pois muitos tipos de arquivos que parecem comuns e familiares podem ser ameaças. Cibercriminosos podem usar diversas extensões para mascarar o malware em arquivos de vídeos, fotos, ou um documento.

6. Atualize regularmente seu sistema operacional, navegador e outros programas. Os criminosos tendem a explorar vulnerabilidades para comprometer os sistemas e essas atualizações vão corrigindo as brechas e falhas existentes, aumentando sua segurança.

7. Use um programa de antimalware robusto que consiga proteger seu sistema do ransomware.

8. Caso perceba um processo clandestino ou desconhecido na máquina, interrompa a conexão de internet imediatamente. Com sorte, o ransomware não teve tempo de apagar a chave de criptografia do computador, o que dá a chance de restaurar os arquivos. No entanto, vale ressaltar, que os novos ransomware conseguem infectar as máquinas mesmo com elas offline.

9. Se os arquivos estiverem criptografados, não pague o resgate – a menos que o acesso instantâneo de alguns de seus arquivos seja crítico. O pagamento abastece esse negócio ilegal que irá prosperar quando mais pessoas forem pegas neste golpe.

10. Caso o dispositivo esteja infectado, tente descobrir o nome do malware: talvez seja uma versão antiga e seja relativamente simples restaurar os arquivos. Os ransomware eram menos avançados anos atrás.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: ITForum

Dicas para proteção dos Macs

OSX_falhaRecentemente, um aplicativo para Macs foi infectado com “ransomware” – uma espécie de vírus que encripta os arquivos do usuário e exige dinheiro para liberá-los. Embora não se trate da primeira ameaça de segurança a afetar usuários do sistema operacional da Apple, foi uma das mais sérias.

Mesmo assim, a empresa que criou o app infectado informou que apenas cerca de 6500 usuários haviam baixado-o. Além disso, a Apple revogou o certificado que permitia que ele fosse instalado em novas máquinas, o que significa que, por pior que tenha sido, o vírus foi rapidamente contido. Segundo o Wall Street Journal, a Apple informou que nenhum usuário efetivamente precisou pagar para recuperar seus arquivos.

Por outro lado, o ataque serviu pra provar que não basta ter um computador da Apple para não precisar mais se preocupar com vírus e malware. Com três passos simples, no entanto, é possível reduzir consideravelmente a probabilidade de que sua máquina venha a ser infectada. Confira:

Configure quais aplicativos podem ser usados

Além de tomar cuidado na hora de baixar programas para instalar no seu Mac, você também pode deixar que o seu computador te dê uma ajuda. Por meio das configurações, é possível impedir que o seu dispositivo execute programas que a Apple não conhece. Para isso, vá em “Preferências do Sistema”, depois em “Segurança e Privacidade” e depois em “Geral”.

Nessa tela é possível escolher entre três opções de segurança. Se você escolher “Mac App Store”, apenas aplicativos baixados da loja da Apple poderão rodar. Se você escolher “Mac App Store e desenvolvedores identificados”, além da loja da Apple, apps feitos por programadores e empresas cuja identidade a Apple confirmou também funcionarão. Caso você escolha “Qualquer lugar”, qualquer aplictivo poderão ser executado – o que pode ser arriscado.

Mantenha o sistema atualizado

Não ignore os avisos de atualização de sistema do seu computador: essas atualizações, além de novidades, também trazem melhorias de segurança, e baixá-las é uma das maneiras mais simples de proteger seu sistema. Além das atualizações normais, também é possível verificar por atualizações indo na App Store, na aba “Atualizações”, e clicando em “Atualizar tudo”. Para atualizar tudo automaticamente, vá em “Preferências do Sistema”, “App Store” e “Baixar novas atualizações no plano de fundo”.

Realize verificações periódicas

Com a velocidade com a qual novas ameaças chegam – e com a variedade de maneiras pelas quais é possível se infectar – é interessante ter algum programa de segurança que possa periodicamente escanear seu PC em busca de arquivos nocivos. O Mac OS X já vem com um programa de proteção contra malware chamado XProtect, mas existem outros também, como o MalwareBytes.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Olhar Digital