E-commerce Brasil: uma tentativa de fraude a cada 5 segundos

Golpes são feitos a partir de compras com cartões de crédito clonados. Levantamento da Konduto analisou mais de 40 milhões de transações realizadas em 2017.

O e-commerce brasileiro sofre uma tentativa de fraude a cada cinco segundos, com golpes a partir de compras feitas com cartões de crédito clonados. É o que mostra levantamento realizado pela Konduto, em seu estudo Raio-X da Fraude, que levou em consideração uma amostragem de mais de 40 milhões de transações, entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2017.

O estudo aponta que o índice de tentativas de golpes virtuais foi de 3,03%, o que corresponde a uma transação fraudulenta a cada 33 processadas no comércio eletrônico. O valor representa somente as tentativas de fraude, e não necessariamente a taxa de fraudes efetivas do e-commerce brasileiro.

Segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, o e-commerce nacional recebeu mais de 203 milhões de pedidos ao longo de 2017. Se 3,03% delas são de origem fraudulenta, mais de 6 milhões de transações foram feitas por estelionatários utilizando cartões clonados durante os 365 dias do ano. Quase uma compra criminosa a cada 5 segundos.

Tom Canabarro, co-fundador da Konduto, destaca que a maioria destas transações ilegítimas é barrada pelos sistemas antifraudes ou pelo lojista antes mesmo da aprovação do pagamento na hora da compra, e os produtos sequer são enviados ao fraudador. “Um e-commerce saudável não pode ter uma taxa de fraudes superior a 1% do faturamento, sob risco de advertências, multas e até mesmo descredenciamento junto às operadoras e bandeiras de cartão de crédito”, diz.

Redução

A taxa de tentativas de fraude em 2017 ainda é considerada elevada, mas apresentou uma redução de 15,4% em comparação ao índice de 2016, de 3,58%. Uma explicação para esta queda, segundo a Konduto, é o crescimento de todo o ecossistema do e-commerce no Brasil, com um mercado cada vez mais maduro e com soluções que oferecem alta tecnologia e segurança para lojistas e clientes.

“Este é um mal inerente ao comércio eletrônico, e infelizmente não há e-commerces à prova de fraude. A real função de um sistema antifraude também não é de garantir fraude zero para o lojista, mas de aprovar o máximo de compras diante do menor risco possível. Ou seja: administrar o risco de maneira consciente e orientada ao lucro”, completa Canabarro.

Fonte: IDG Now!

Serasa lança ferramenta antifraude para e-commerce

e-commerceAs perdas com relação a fraudes com cartões de crédito em ambiente virtual são uma das grandes preocupações para o comércio brasileiro na Copa do Mundo do Brasil, e, desde já, a Serasa Experian oferece uma ferramenta para evitar que isso aconteça ou, ao menos, para tentar diminuir o prejuízo.

O tema ficou cada vez mais recorrente após o aumento de 53% em fraudes via cartão de crédito, registrado na Copa do Mundo de 2010, na África do Sul. A preocupação por aqui é ainda maior porque o Brasil atualmente ocupa o quinto lugar no ranking mundial de golpes com cartões e, somente em 2013, esse tipo de crime virtual custou R$ 2,3 bilhões às vítimas. De acordo com levantamento da Serasa Experian, 54% dos brasileiros sofreram alguma fraude nos últimos 12 meses.

A ferramenta original do chamado Safety existe desde 2005 para os setores bancário, varejista e companhias aéreas e conseguiu evitar perdas de US$ 500 milhões para seus 10 principais clientes globais em 2013. A partir de agora, está disponível para um leque mais amplo de empresas e promete identificar com eficiência ainda maior as ações suspeitas em compras online durante os jogos.

O Safety atua da seguinte forma: ao realizar a transação digital, o usuário não percebe a presença da ferramenta, que monitora todo o processo, em tempo real. Essa avaliação pode, por exemplo, analisar fatores de risco, indicadores de fraude, como a reputação da máquina utilizada, o comportamento do usuário e outras atitudes consideradas pouco convencionais.

Essa nova versão do Safety terá mais de 450 regras, que podem ser configuradas, para detectar riscos. Caso haja sinais de fraude, a ferramenta bloqueia a transação e avisa sobre o ocorrido. No caso de Internet Banking, o correntista é alertado e acompanha o que está acontecendo em sua conta virtual via página espelho.

Para evitar que os bons compradores sofram com alertas desnecessários, o Safety utilizará também outros produtos da Serasa Experian e questões relacionadas a horário e geolocalização. Para saber mais sobre a ferramenta e como utilizá-la, basta entrar em contato com o pessoal da Serasa Experian.

Agradeço ao Davi, amigo e colaborador do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Canaltech corporate