Google aumenta eficiência da navegação no modo anônimo

O Modo Anônimo oferecido pelo Google Chrome dá uma ideia de privacidade ao usuário: ele permite a navegação desconectada, porém, usuários ainda podem ser rastreados de uma maneira ou outra — e muitos sites ainda conseguem detectar se você navega via Modo Anônimo. Agora, o Google está alterando alguns códigos do modo para deixar a sua navegação mais secreta, escondendo dos sites se você está em Modo Anônimo ou não.

O Chrome vai criar um arquivo de sistema virtual usando a RAM

Mas, por qual motivo os sites querem saber se você está utilizando esse modo ou não? Um deles, e talvez o principal, é o paywall de sites de notícias. Diversos sites de notícias pelo mundo utilizam um tipo de pawall que bloqueia usuários no Modo Anônimo e até registra quem já acessou uma quantidade X de acessos gratuito fora do modo para manter o bloqueio.

Para aumentar as “barreiras” do Anônimo, o Chrome vai criar um arquivo de sistema virtual usando a RAM. Dessa maneira, quando você sair do modo, é garantido que tudo que você navegou será apagado — e os métodos de detecção também deverão cair. Segundo o 9to5Google, o Google tem como meta remover toda a API FileSystem com o passar do tempo.

A novidade deve chegar no Chrome 74 com a possibilidade de ativação feita pelo usuário, contudo, deve ser apenas no Chrome 76 que o recurso já chega como padrão nos navegadores.

Fonte: Tecmundo

Os “melhores” sites de phishing têm taxa de sucesso de até 45%

phishingSabe aquele e-mail que você recebe dizendo que ganhou uma grande quantidade de dinheiro, que sua conta foi clonada ou mesmo que ganhou um prêmio? “Basta digitar seus dados abaixo!”. Sites também agem dessa maneira e podem ser ainda mais difíceis de identificar. Tudo para conseguir desde senhas até dados bancários.

De acordo com um novo estudo da Google, os “melhores” sites de phishing têm uma taxa de sucesso de 45% sobre os dados dos navegantes. Do outro lado, os piores sites de phishing ficam na casa dos 3%. As informações que estes tipos de sites roubam são variadas, mas as mais danosas aos usuários normalmente são colocadas por eles mesmos, como senhas de banco.

O estudo ainda descobriu que a maioria dos operadores por trás desses golpes estão na China, Costa do Marfim, Malásia, Nigéria e África do Sul. Além disso, 20% das contas desaparecem após conseguirem a informação desejada. O que significa que eles também são rápidos.

As melhores dicas para você se proteger desses ataques, segundo a Google, são: caso abra uma mensagem phishing em sua caixa de entrada, não responda, denuncie para a equipe do Gmail. Também ative a verificação em dois passos, adicionando seu número telefônico. E, por último, fique vigilante sempre.

Agradecemos ao Davi, amigo e colaborador do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fontes: Tecmundo  e Google

Chrome é o mais eficiente entre os navegadores

Chrome

Por conta das últimas atualizações nos principais navegadores que rodam nos sistemas Windows, o site LifeHacker decidiu realizar um teste para determinar qual é o mais eficiente. Para isso, eles analisaram diversos tópicos diferentes, como a velocidade do browser e o uso de memória.

Visando um resultado equilibrado, o pessoal do site optou por usar apenas os navegadores Chrome, Firefox, Internet Explorer e Opera, pelo fato de que todos eles rodam no Windows. Dessa forma, os resultados não seriam influenciados por detalhes que dizem respeito aos sistemas operacionais utilizados.

E o vencedor é…
Para testar vários aspectos diferentes, foram analisados a capacidade dos navegadores de carregar várias guias de uma só vez, velocidade do direcionamento de URL, velocidade de restauração e de reinicialização, uso de memória RAM, entre outras categorias.

Na maioria delas — e estamos falando de pelo menos cinco testes diferentes —, o Chrome saiu vencedor. Dessa maneira, ele foi considerado o navegador mais eficiente, já que abre a maior quantidade de abas em menos tempo e é o mais rápido em casos de restauração, por exemplo.

É tudo uma questão de opinião
Como a própria equipe do LifeHacker deixa claro, esse tipo de teste é muito relativo, pois tudo depende do computador que você está usando e de qual é o seu perfil de usuário. Apesar disso, os resultados expostos são uma boa referência, de modo que já é possível ter uma fonte concreta quando você estiver pensando em mudar de navegador.

Agradeço ao Davi, amigo e colaborador do Seu micro seguro, pela referência a esta notícia.

Fontes: Tecmundo e LifeHacker