1000 GB livre para arquivos on line: cuidado, é golpe

A empresa de cibersegurança ESET identificou um novo golpe que chega aos usuários do WhatsApp. Dessa vez, uma mensagem compartilhada oferece “1000 GB” de internet gratuita para o usuário devido ao aniversário do app. Por trás da mensagem, na verdade, se esconde um golpe para gerar renda de publicidade para cibercriminosos.

A monetização dessa campanha está diretamente ligada à entrega de anúncios massivos

Logo após o clique no link, o usuário é redirecionado para um questionário com diversas perguntas. Além disso, o golpe pode que ele compartilhe o link para 30 pessoas e, dessa maneira, ter os “1000 GB” liberados.

Segundo a ESET, o objetivo deste golpe é mostrar publicidades durante todo o processo. Ou seja, nenhuma evidência foi encontrada de que foram instalados programas maliciosos ou de que houve tentativa de roubar informações adicionais. Nesse sentido, a monetização dessa campanha está diretamente ligada à entrega de anúncios massivos e sem autorização dos usuários.

“Recomendamos ter soluções de segurança robustas, tanto em dispositivos móveis quanto em desktops. Nas análises realizadas com proteção ativa, o acesso a essas páginas é filtrado pelo módulo antiphishing das soluções. Em qualquer caso, não podemos ignorar a importância da educação para os usuários, bem como manter-se informado sobre as ameaças e técnicas existentes para se proteger. Quanto mais cauteloso e informado for o usuário, menores serão as chances de clicar em phishings”, diz Luis Lubeck, especialista em segurança da informação da ESET América Latina.

A ESET também notou a existência de um novo site voltado para a disseminação do phishing. Depois de analisar o número de páginas indexadas neste domínio, ela observou que existem pelo menos 66 “ofertas” diferentes, cada uma simulando uma marca ou empresa diferente, como Adidas, Nescafé, Sopas Sorrel, Rolex Watches, por exemplo.

Caso você não saiba, phishing é um dos métodos de ataque mais antigos, já que “metade do trabalho” é enganar o usuário de computador ou smartphone. Como uma “pescaria”, o cibercriminoso envia um texto indicando que você ganhou algum prêmio ou dinheiro (ou está devendo algum valor) e, normalmente, um link acompanhante para você resolver a situação. O phishing também pode ser caracterizado como sites falsos que pedem dados de visitantes. A armadilha acontece quando você entra nesse link e insere os seus dados sensíveis — normalmente, há um site falso do banco/e-commerce para ludibriar a vítima —, como nome completo, telefone, CPF e números de contas bancárias.

Dicas para se proteger dessas mensagens falsas:

  • Atenção para detectar se a mensagem mostra que o remetente é um contato conhecido: os provedores de serviço não enviam mensagens endereçadas para “Caro Cliente”, sem qualquer personalização
  • Cuidado com anexos e links integrados: geralmente, um provedor não envia uma mensagem pedindo para efetuar login a partir de um link inserido em um e-mail, mesmo que a mensagem seja personalizada. Recomenda-se não confiar em arquivos não solicitados ou links integrados nestas correspondências, mesmo que sejam de empresas confiáveis ou amigos
  • Tome precauções básicas: passar o cursor sobre o link para verificar sua veracidade é muito importante. Além disso, se você receber uma promoção boa demais para ser real, procure nas redes oficiais da marca para verificar sua existência
  • Controle a ansiedade: devemos evitar entrar em pânico ou reagir imediatamente, sem as devidas precauções às possíveis ameaças. A maioria das empresas não age dessa maneira
  • Não fique animado com os cliques: não caia na compulsão de aceitar todas as condições de qualquer software pelo simples fato de ter um programa de segurança. Existem novos códigos que podem não ser detectados. É por isso que é importante identificar sites maliciosos ou arquivos não seguros para evitá-los. Conhecer os riscos é a melhor maneira de evitar ser enganado
  • Preste atenção aos detalhes: as mensagens de phishing estão por toda parte. Afetam SMS (mensagens de texto) e redes sociais, como Facebook e Twitter. Por isso, preste atenção em erros gramaticais, de concordância ou até se a logomarca da empresa condiz com a real
Fonte: Tecmundo

Gmail update: agora permite receber arquivos de até 50 MB

gmailEstá cansado de ter que hospedar seus arquivos grandes em algum provedor de nuvem, como o WeTransfer ou Google Drive? O Gmail agora pode tornar esse trabalho coisa do passado – ao menos para arquivos relativamente pequenos.

A partir desta semana, os anexos recebidos no Gmail podem ter tamanho de até 50 MB, o dobro da capacidade anterior dos e-mails.

O Google ainda quer que você guarde seus arquivos no Drive, mas reconhece que apresentações e fotos em alta resolução deveriam poder ser enviadas diretamente pelo Gmail.

“Enviar e receber anexos é uma parte importante das trocas de e-mails. Apesar do Google Drive ser uma forma conveniente de compartilhar arquivos de quaisquer tamanhos, às vezes, você precisa receber arquivos grandes como anexos no seu e-mail”, segundo o comunicado oficial da empresa.

Entretanto, o que você enviar pelo Gmail continua a ter limite de upload de 25 MB. A novidade, apesar de interessante para os usuários do Gmail, vai ser mais benéfica para empresas que enviam anexos grandes via e-mail.

O espaço do Gmail, que é unificado ao do Drive, segue sem alterações: a conta gratuita tem capacidade de 15 GB no total.

Fonte: Exame

Microsoft quer reduzir espaço ocupado pelo Windows

windows_phone8A empresa estaria trabalhando duro para encontrar formas de reduzir os rastros de instalação do sistema operacional

Um dos grandes fatores que impede a Microsoft de instalar o Windows em equipamentos com menor capacidade de armazenamento é o “rastro de instalação” que o sistema operacional deixa. Ao final do processo, há muitos gigabytes de informações que ficam armazenados, e nem sempre eles são úteis para os consumidores. Mas a Microsoft está querendo reduzir isso para os próximos anos.

Por causa disso, a empresa está procurando desenvolvedores especializados para fazer com que o Windows e o Windows Phone ocupem menor espaço em disco. Dessa forma, a empresa quer colocar o Windows em diversos equipamentos, indo além dos eletrônicos com discos de alta capacidade — incluindo televisores, mesas e eletrodomésticos inteligentes. Mas será que isso pode dar certo?

Segundo a Microsoft, o Windows Phone 8 foi o primeiro a ter um pouco dessa nova ideia, podendo ser instalado até mesmo em smartphones com 4 GB de memória interna. A empresa afirma que tem o objetivo de “deixar o Windows mais enxuto para que ele possa ser executado em qualquer lugar!”. Será que isso também poderá ser levado para a versão de computadores do sistema operacional.

Agradeço ao Davi, amigo e colaborador do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Tecmundo