Apps para o Chrome chegam ao seu final

A Google finalizou recentemente o suporte a aplicativos desenvolvidos especialmente para o Google Chrome em sua loja Chrome Web Store. Ainda é possível baixar extensões e temas por lá, mas as seções “Apps” e “Games” foram eliminadas.

De acordo com o Ars Technica, a Google já havia começado a informar os desenvolvedores de que essas seções de apps seriam eliminadas da loja em algum momento de 2017, mas, até agora, não se tinha uma data precisa. Há cerca de um ano, a empresa explicou no blog oficial do Chrome que faria essa remoção porque praticamente ninguém baixa e utiliza os apps desenvolvidos para o Google Chrome. Segundo a empresa, menos de 1% dos usuários do browser serão afetados.

Contudo, é bom ressaltar que as seções de apps só foram eliminadas do navegador Google Chrome para Windows, Linux e macOS. No Chrome OS, eles continuam disponíveis. Contudo, como a base de usuários é pequena, e os desenvolvedores não possuem mais a possibilidade de distribuir seus softwares em sistemas mais populares, é bem provável que esses apps acabem morrendo aos poucos caso a Google não os elimine de uma vez por todas.

Quem já tem apps instalados no Chrome para desktop poderá continuar utilizando os itens baixados

Quem já tem apps instalados no Chrome para Windows, Linux e macOS poderá continuar utilizando os itens baixados. Contudo, espera-se que uma atualização acabe com essa possibilidade no primeiro trimestre de 2018.

É bom reforçar que essas mudanças não afetam as extensões do Google Chrome, aquelas que ficam com botões visíveis ao lado da barra de endereços. Somente os itens nos formatos “packaged apps” — apps de verdade — e os “hosted apps” — atalhos para sites — serão eliminados.

O PWA é multiplataforma, já sendo compatível com o Chrome tanto no desktop quanto no Android

Para substituí-los, a Google trabalha em um padrão já bastante aceito, o PWA ou Progressive Web Apps. Essas aplicações são basicamente sites que se comportam como aplicativos instalados e podem acessar recursos do sistema, enviar notificações, entre outras vantagens.

O interessante disso é que o PWA é multiplataforma, já sendo compatível com o Chrome tanto no desktop quanto no Android, e também no Opera e no Firefox para o Robô. A Microsoft também suporta o recurso e seus navegadores, e a Apple trabalha em implementá-lo no Safari. Não sabemos se um dia haverá uma loja de apps PWA na Chrome Web Store ou algo assim, entretanto.

Fonte: Tecmundo

Final do ciclo de vida do Windows Vista

Como aconteceu em outras ocasiões, sempre que uma nova versão do Windows é lançada a Microsoft vai, aos poucos, deixando de trabalhar nas opções mais antigas. Isso aconteceu com o Windows XP há algum tempo, e agora é a vez do Windows Vista seguir pelo mesmo caminho que o seu “parente” mais velho.

Segundo informações divulgadas pela empresa de Bill Gates, o suporte ao Windows Vista será encerrado em 11 de abril. A partir dessa data, o sistema operacional não vai mais receber nenhum tipo de atualização ou suporte da parte da companhia.

“Após 11 de abril, usuários do Windows Vista não vão mais receber novas atualizações de segurança, correções, suporte gratuito ou pago ou atualização de conteúdo técnico online da parte da Microsoft. A empresa ofereceu suporte ao Windows Vista nos últimos 10 anos, mas chegou o nosso momento, junto com nossos parceiros de hardware e software, de investir nossos esforços em tecnologias mais recentes para continuar entregando grandes experiências”, diz uma mensagem publicada no site de suporte da Microsoft.

E agora?

Caso você faça parte do grupo de usuários que ainda conta com o Windows Vista instalado na máquina, é preciso saber que o fim do suporte não significa que o sistema operacional deixará de funcionar. Ele ainda vai se manter ativo pelo tempo que julgar necessário, mas estará ignorado pela Microsoft em menos de um mês.

Se possível, o mais indicado a fazer em casos assim é trocar para uma versão mais recente do sistema operacional, melhorando não apenas a sua experiência como um todo, mas também a segurança por meio das atualizações que as outras edições disponíveis no mercado ainda recebem.

Fonte: Tecmundo

Windows Essentials 2012 deixará de existir em 2017

windows-live-essentials-2012A Microsoft confirmou através de uma notificação em seu site que o Windows Essentials 2012 será descontinuado em 10 de janeiro de 2017.

O pacote Windows Essentials 2012, que também já foi conhecido como Windows Live Essentials e Windows Live Installer, inclui aplicativos como o Galeria de Fotos, Mail, Movie Maker, Writer e outros.

Com o Galeria de Fotos você pode editar e publicar suas fotos em outros serviços, enquanto que com o aplicativo Writer você podia criar postagens de blog. Já com o aplicativo Mail você pode manter seus emails organizados online e offline.

Alguns aplicativos oferecidos por ele foram substituídos por outras alternativas. Usuários do Windows 10 podem utilizar os aplicativos Email e Fotos pré-instalados. Já o Messenger foi substituído pelo Skype e o Writer foi substituído pelo Open Live Writer.

Sobre o Movie Maker, rumores recentes indicam que a Microsoft está trabalhando em uma nova versão para Windows 10 baseada na Universal Windows Platform.

Fonte: Baboo

Chrome 53 dará fim ao Flash

chromeEm setembro, o Chrome vai começar a impedir o conteúdo desnecessário que rode em segundo plano. Segundo a empresa, isso representa mais de 90% do conteúdo em Flash na web.

Em dezembro, mais mudanças: o navegador vai tornar o HTML5 padrão para conteúdos como jogos e vídeos. Desde 2015 o Google vem se afastando do Flash, assim como grandes empresas de tecnologia.
Uma medida como esta foi adotada recentemente por outras desenvolvedoras como a Mozilla e a Microsoft.

Além de garantir mais segurança, a mudança pode contribuir para um navegador mais rápido.
A versão 53 do Google Chrome deve ser lançada no mês que vem.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Olhar Digital

Usuários Windows: hora de desembarcar do QuickTime

quicktimeA Trend Micro, empresa especializada no desenvolvimento de soluções de segurança, anunciou no seu blog que a Apple terminou o suporte ao software QuickTime na versão Windows e que, como tal, vai suspender a sua atualização incluindo as correções de segurança.

Com esta suspensão, os usuários deste software de visualização de conteúdos multimídia, ficam com os seus sistemas vulneráveis a partir do momento que os hackers comecem a explorar as falhas de segurança existentes no QuickTime.

Recentemente foram descobertas pela Trend Micro duas falhas de segurança que permitem a execução de forma remota de códigos maliciosos quando o usuário acessa um site ou arquivo especificamente alterado de forma maliciosa.

Diante da gravidade que representa o fim do suporte do software por parte da Apple, recomenda-se que todos os usuários do QuickTime removam o software do seu computador sob pena tornarem os seus sistemas vulneráveis a ataques.

Agradecemos ao Davi e ao Paulo Sollo, colaboradores amigos do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Wintech

Windows 8: termina hoje o suporte a atualizações de segurança

Windows8A partir desta hoje, 12/1, a Microsoft vai parar de oferecer patches de segurança para o sistema lançado há cerca de três anos.

Para continuar em dia com a segurança do seu sistema operacional, os usuários terão de fazer o upgrade para o Windows 8.1 ou para o Windows 10, lançado em julho de 2015.

Como o ZDNet destaca, o Windows 8 é uma exceção na típica política de suporte da Microsoft, que fornece 10 anos de soluções de segurança a partir da data de lançamento do software.

Isso porque a Microsoft considera o Windows 8.1 (um update significativo lançado um ano depois do Windows 8) como um service pack, em vez de um sistema operacional completamente novo. A empresa de Redmond garante apenas dois anos de patches de segurança para quem não atualiza para o service pack mais recente.

Realmente, o Windows 8.1 é uma grande melhoria sobre o Windows 8, resolvendo muitos dos problemas da versão inicial. Parece mais substancial do que um service pack, mas não deve trazer nenhum problema de compatibilidade a partir do Windows 8, por isso fica difícil pensar em alguma boa razão para os usuários finais não atualizarem. Além disso, também é possível fazer o upgrade gratuito para o Windows 10 até o meio do ano.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: IDG Now!

Microsoft deixará de oferecer correções a versões antigas do IE

internet-explorer-security-flaw

A Microsoft deixará de oferecer atualizações para versões antigas do Internet Explorer após 12 de janeiro de 2016. Isso significa que quem não estiver com a versão mais recente do navegador estará sujeito a ataques de sites maliciosos na web, além de possíveis problemas de estabilidade no navegador que não serão corrigidos.

Para quem usa Windows 7, 8 ou 10, a única versão do IE que continuará recebendo atualizações é a 11. Para Windows Vista, a versão mais recente é o Internet Explorer 9 e, no Windows Server 2012, a versão mais recente é o Internet Explorer 10.

A Microsoft reforçou a necessidade da atualização em uma página do site Windows para Empresas. Até o momento, a página só está disponível em inglês.

Em dados recentes da empresa de estatística StatCounter, o Internet Explorer 11 é usado por 5,35% dos brasileiros. Mas as versões 8, 9 e 10 ainda tem usuários: cerca 0,8% cada – ou 2,4% somados. O mais novo navegador da Microsoft, o Edge, tem quase a mesma quantidade de usuários que essas versões individualmente: 0,86%.

Quem ainda está usando o Windows Vista é melhor servido pela adoção de outro navegador, como Firefox, Chrome ou Opera. Quem está em versões mais novas do Windows deve instalar o Internet Explorer 11, o que pode ser feito pelas atualizações automáticas do Windows. Isso deve ser feito mesmo que o IE não seja o navegador principal, pois programas de terceiros podem “chamar” o Internet Explorer para realizar certas funções.

Ainda segundo a StatCounter, 5,13% dos internautas brasileiros seguem no Windows XP. O sistema, lançado em 2001, não recebe mais atualizações desde abril de 2014. Seu uso é considerado altamente inseguro.

Código aberto no Edge
A Microsoft confirmou que vai abrir o código fonte do “Chakra”, o componente do navegador Edge responsável pelo processamento de Javascript. O código será publicado no Github sob a permissiva licença MIT, que, diferente de outras licenças de código aberto, permite também a utilização do código também em programas de código fechado.

O Windows é hoje o único sistema operacional de peso que não inclui um navegador de código aberto. Safari, que é incluso no iOS e no OS X, e o Chrome, usado no Android e em Chromebooks, são baseados em um componente aberto chamado Webkit. O Firefox, incluído como padrão em muitas distribuições Linux, também é desenvolvido por uma comunidade e tem seu código aberto.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: G1