Vem aí: Google Chrome com nova interface de usuário

O Google introduziu nesta semana as primeiras mudanças em dois anos na interface de usuário (UI) do Chrome, com foco no formato das abas do navegador e em outros elementos no topo da janela.

Disponível na Canary, a versão mais crua do browser, e até então apenas no Windows, a interface renovada está escondida atrás de uma configuração experimental. Para visualizar a UI, os usuários precisam digitar chrome://flags na barra de endereços, então buscar pela opção UI Layout na página resultante de configurações opcionais. Feito isso, mude a configuração de Default para Refreshed e reinicie o navegador.

A mudança mais notável é nas abas, que dispensaram o visual em forma de trapézio por um estilo parecido com um retângulo com as bordas levemente arredondadas. A aba ativa também recebeu um leve ganho de brilho de um cinza bem claro para um branco padrão, fazendo com que a aba mais importante se destaque mais do que antes.

A barra de endereços do Chrome – também conhecida como Omnibox – também foi arredondada, substituindo a sua ponta esquerda mais plana por uma curva.

Apesar de as mudanças poderem parecer menores, os designers do Google determinaram as abas como cruciais para a interface de usuário do navegador.

“Os elementos chave quando você pensa sobre a nossa Core UI são as abas e os ícones”, escreveu o designer visual do Google, Sebastien Gabriel em um post de 2016 sobre a revisão anterior do browser. O especialista também afirmou na época que o redesenho de dois anos atrás tinha o objetivo de “suprir a lacuna entre nossa nova linguagem de design no mobile e os visuais mais antigos no desktop”, um processo que continuou com o tempo.

Outras alterações já implementadas incluem um separador vertical no canto direito dos ícones de extensões, seguido por uma imagem do usuário retirada de uma conta Google associada, presumindo que o usuário tenha feito login no Chrome.

Segundo o jornalista Ron Amadeo, do Ars Technica, que revelou o redesign de UI do Chrome nesta semana, mais mudanças foram reveladas em documentos internos do Google encontrados dentro do rastreador de bugs do Chromium (o Chromium é o projeto open-source, gerenciado pelos engenheiros do Google, que estabelece as bases para o Chrome.)

A Computerworld dos EUA encontrou esses documentos, mas eles estavam bloqueados para usuários não autorizados, o que sugere que os arquivos deveriam estar protegidos de olhos curiosos e foram retirados após Amadeo e outros os descobriram.

Não está claro quando esses novos elementos de UI expostos no Chrome Canary aparecerão na build estável do navegador do Google. O Canary está atualmente na versão 68, que só deve alcançar a qualidade de produção após o final de julho.

Fonte: IDGNow!

Google inicia desembarque definitivo do Flash

say-no-flash-playerO Google anunciou uma nova medida para impulsionar o HTML5. Assim sendo, o Flash Player começa a ser banido de vez da rede mundial de computadores pelas principais empresas de tecnologia.

O Google Chrome, a partir do quarto trimestre do ano, começará a desabilitar o Flash por padrão. Com isso, quando uma página tentar ativar algum recurso utilizando o plugin, como anúncios publicitários e vídeos, terá que solicitar que o usuário clique na animação para que possa ser reproduzida.

HTML 5: Novo Padrão

O Google informou que irá manter uma lista de domínios que ainda dependem do Flash, como o YouTube, Facebook, Twitch, entre outros. Porém, após um ano, esta lista será removida e todos os sites deverão adotar o padrão HTML5 para poderem continuar usando as suas animações.

Ao longo do tempo, o Flash Player teve várias falhas de segurança descobertas, que permitiam o acesso de hackers e também a propagação de malwares. Com a adoção do HTML5, consequentemente, haverá mais segurança no acesso a diversos sites.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Oficina da Net

Google Chrome continua em ascensão

ChromeSegundo levantamento da Net Applications, navegador da empresa de Mountain View vem crescendo de forma significativa nos últimos 12 meses.

O Google Chrome atingiu outra marca importante em número de usuários no mês passado enquanto viu seus rivais da Mozilla e Microsoft encolherem.

Os dados publicados pela empresa especializada Net Applications mostram que o navegador do Google superou a barreira dos 30% de usuários em outubro, fechando o mês com 31,1% de participação no mercado.

Esse número é um recorde para o Chrome, que foi lançado há sete anos pela empresa de Mountain View. Nos últimos 12 meses, o browser aumentou sua fatia de usuários em 9,9 pontos percentuais, o que representa um crescimento anual de 46%.

O Internet Explorer (todas as versões), por outro lado, atingiu um recorde negativo no mês passado, quando ficou com 50,9% dos usuários. A última vez que o browser da Microsoft registrou essa participação foi antes da virada do século, quando o navegador ainda estava brigando contra o domínio do Netscape.

Outro navegador que chegou antes do Chrome, o Mozilla Firefox, também perdeu usuários no mês passado (dois décimos de um ponto percentual) e caiu para 11,3%, menor número registrado pela desenvolvedora de código aberto desde 2005.

Caso Chrome, IE e Firefox mantenham esses mesmos ritmos de crescimento e queda dos últimos 12 meses, o Chrome terá 35% dos usuários em março de 2016, o IE ficará abaixo dos 50% (marca histórica negativa) em dezembro de 2015, e o Firefox terá menos de 10% dos usuários (outra marca histórica negativa) em abril de 2016.

O Chrome sempre teve um bom crescimento orgânico, mas podemos creditar esse salto recente no número de usuários a uma iniciativa da Microsoft que exige que a maioria dos usuários do IE atualizem para a versão mais recente da sua edição do Windows.

Em 12 de janeiro de 2016, a grande maioria dos usuários do IE terá de rodar o IE 11 ou ficará de fora do programa de solução de bugs do navegador. Depois disso, a Microsoft só vai suportar o IE9 no Windows Vista ou Windows Server 2008, e o IE10 apenas no Windows Server 2012. Todos os outros usuários precisarão rodar o IE11 ou o Edge, que só está disponível no novo Windows 10.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: IDG Now!

Google Chrome consome muita bateria dos portáteis

gchrome-notebookTaxa de atualização de clock imposta pelo navegador está afetando a maneira como seu processador se comporta

Caso você esteja tendo problemas com a duração da bateria de seu laptop baseado no Windows, pode ser uma boa deixar de usar o Google Chrome para navegar pela internet. Segundo um contribuidor da Forbes, essa versão específica do software possui um problema que faz com que o consumo de eletricidade de seu aparelho aumente em até 25%.

Isso acontece devido a um sistema conhecido como “system clock tick rate” (em outras palavras, a taxa de atualização do clock do sistema), usado internamente pelo sistema operacional e que dificilmente é conhecido pelos consumidores. Essa nomenclatura se refere aos intervalos entre a realização de diferentes eventos, que é definida de forma a evitar o uso excessivo de recursos em tarefas que não demandam um grande poder de processamento.

Como padrão, o Windows define esse intervalo para 15,625 milissegundos, taxa que muda para somente 1 milissegundo a partir do momento em que o Chrome é aberto. Com isso, o sistema operacional passa a “acordar” mil vezes por segundo, ao contrário das 64 vezes em que está programado como padrão — o resultado é um consumo muito mais acelerado da bateria.
Um programa pode afetar todo o sistema

Segundo a Forbes, a própria Microsoft reconhece que a taxa de mil milissegundos pode aumentar a taxa de consumo energético em até 25%. O que torna o uso específico do Chrome um problema é o fato de que a “system clock tick rate” atua de maneira universal — ou seja, somente um software pode afetar a maneira como o computador lida com todas as tarefas ativas.

Ciente disso, o Internet Explorer foi programado para adotar taxas dinâmicas, embora, como padrão, adote a taxa de 15,625 milissegundos. No entanto, ao abrir um vídeo no YouTube, por exemplo, essa taxa aumenta para um milissegundo como forma de assegurar a reprodução com qualidade de conteúdos em alta definição (basta fechar a aba relacionada para que a velocidade de atualizações volte ao normal).

Embora uma taxa de atualizações maior assegure que seu computador vai apresentar um desempenho aprimorado, isso pode ser um problema quando lidamos com conteúdos pouco exigentes. No caso do Chrome, é justamente aí que está o problema — em vez de aumentar e diminuir valores de forma dinâmica, o navegador adota a taxa de 1 milissegundo a partir do momento em que é aberto, o que tem se mostrado mortal para usuários de dispositivos portáteis.

Agradeço ao Davi e ao Igor, amigos e colaboradores do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Tecmundo

Próximas mudanças do Google Chrome

Google-Chrome-ler-PDF-padraoSegurança é um assunto muito debatido na internet e medidas que tentem aumentá-la são sempre realizadas. A última do Google envolve o seu navegador que vai começar a ler PDF por padrão, como anunciou a empresa, em um de seus endereços oficiais na web.

Desta forma, o Google Chrome vai evitar o uso de programas terceiros.

Google Chrome vai ler PDF por padrão, mas opção de uso de outro software vai continuar disponível

Isso porque “PDFs em particular, são mais seguros ao abrir no navegador”, de acordo com publicação da empresa feita no Chromium Code Reviews. “Esta atualização muda o manuseio padrão do download para abrir esses arquivos no navegador em vez do manipulador do sistema para o tipo de arquivo”, explicou o texto.

O Google Chrome já lê arquivos em PDF há algum tempo, mas agora essa leitura vai ser feita automaticamente por ele. O gigante das buscas não revelou a partir de qual atualização a mudança vai acontecer. Atualmente, o browser está na versão 31, que teve a atualização 0.1650.48, disponibilizada na última terça-feira (12), com a correção de mais de 20 falhas de segurança.

O Google ainda lembrou que vai continuar sendo possível abrir os documentos com programas terceiros – como Adobe Reader e Foxit PDF Reader. Para isso, o usuário vai precisar ir até o menu e escolher a opção “abrir com o manipulador de sistema”.

No Windows, Chrome vai bloquear extensões de fora

Outra mudança no navegador Google Chrome também feita visando a segurança foi o bloqueio de extensões de fora da Chrome Web Store. A medida entra em vigor a partir do mês de janeiro para todas as versões do browser que rodarem na plataforma Windows.

Em seu blog oficial, a companhia alegou que “muitas pessoas ruins abusaram deste mecanismo [poder instalar extensões de outros locais]”. Os problemas já causados vão desde “burlar o modelo para instalar silenciosamente extensões maliciosas que subscrevem mecanismos do navegador” até “alterar a experiência do usuário de maneiras não desejadas, como substituir a página de ‘Nova Aba’ sem aprovação [do usuário]”.

Agradeço ao Davi e ao Lucas, amigos e colaboradores do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Baboo

Vem aí o Chrome com recurso de controle dos pais

ChromeO Google liberou na versão beta do Google Chrome a prévia de uma nova ferramenta para controle dos pais. O recurso, chamado de “usuários supervisionados” e anunciado na última terça-feira (22/10), permite criar uma conta vigiada na qual pais e professores podem acompanhar o histórico de navegação das crianças, restringir o acesso a sites de conteúdo adulto e gerenciar permissões de URLs bloqueadas no Windows, Mac, Linux e Chrome OS.

Até o momento, a função possibilita criar apenas uma conta subordinada. Porém, é possível que haja uma evolução em breve para que sejam atribuídos diferentes níveis de acesso para outras contas, muito útil para quem têm filhos ou alunos de diferentes idades, por exemplo.
A inovação veio para impulsionar as vendas do Chromebook 11, notebook de baixo custo desenvolvido com a HP, equipado com Chrome OS – que também receberá o recurso novo. Usuários do Google Chrome beta podem acessar chrome.com/manage para gerir o browser.

Agradeço ao Davi e ao Lucas, amigos e colaboradores do seu micro seguro, pela referência a essa matéria.

Fontes: Techtudo e Chrome blog

Recursos úteis e pouco conhecidos no Google Chrome

ChromeFunções escondidas num “cantinho” da janela do navegador podem ajudá-lo a economizar tempo e ser mais produtivo. Veja quais são.

Somos criaturas de hábito, e tais hábitos podem facilmente se estender aos nossos navegadores, onde ficamos tão focados em nossa rotina diária que acabamos não notando certos recursos que podem nos ajudar a economizar tempo ou melhorar nossa produtividade.

No Google Chrome, por exemplo, há três recursos tão “escondidos” em um cantinho que suspeito que muitos usuários nunca os notaram. Veja quais são eles.

1. “Outros dispositivos”

Um dos recursos mais poderosos do Chrome é a sincronização, não só de favoritos e senhas, como também da lista de abas abertas. Você pode habilitar este recurso em Configurações / Configurações de Sincronização Avançadas.

Por exemplo, se você tem o Chrome instalado em um PC, um smartphone e um tablet, pode usar o PC para acessar a lista de abas abertas nos outros aparelhos. Para isso abra uma nova aba e clique no menu Outros dispositivos no canto inferior direito a tela. Você verá uma lista categorizada das abas abertas em todas as suas outras cópias do Chrome. É algo que é fácil não notar, mas incrivelmente útil.

O botão Outros Dispositivos mostra uma lista de abas abertas em outras cópias do Chrome ligadas à sua conta:

Chrome1

2. Recentemente fechadas

Talvez você já saiba que se fechar acidentalmente uma aba, pode reabrí-la imediatamente teclando Ctrl+Shift+T. Mas e se você precisa reabrir uma aba que fechou um tempo atrás. Ou uma que não foi a última que você fechou?

O que você precisa é de uma lista das últimas abas que foram fechadas, algo que o Chrome fornece. Basta abrir uma nova aba e clicar no item Recentemente fechadas também no canto inferior direito, bem ao lado de Outros Dispositivos. Você verá uma lista com as 10 últimas abas fechadas, e poderá reabrir qualquer uma com apenas um clique.

3. Web Store

Quem adotou o Chrome há pouco tempo pode não saber que a Google tem uma loja com uma gigantesca quantidade de apps e extensões para o navegador, a Chrome Web Store. Lá você irá encontrar desde web apps como o editor de vídeo WeVideo http://goo.gl/zvCNog a jogos como excelente Bastion http://goo.gl/UQJ3Fh e extensões para bloquear propagandas em sites, como a popular AdBlock http://goo.gl/X97ty.

O link para a loja fica… sim, no canto inferior direito! Bem ao lado da lista de abas fechadas e da opção Outros Dispositivos. Basta um clique para abrir a loja e navegar à vontade.

Agradeço ao Davi e ao Lucas, amigos e colaboradores do seu micro seguro, pela referência a essa matéria.

Fonte: IDGNow!