Cuidado: Antivírus falsos na Google App Store

Pesquisadores da ESET identificaram 35 aplicativos falsos de antivírus na Google Play Store — a loja oficial do Google para Android, que deveria ter apenas apps confiáveis. Os aplicativos fingem ser soluções de segurança, mas servem apenas para exibir publicidade indesejada e não possuíam recursos de segurança eficazes, enganando nos usuários.

“Embora esses falsos softwares de segurança não levem ao usuário ameaças como ransomware ou outros tipos de malware, eles exibem publicidade incômoda, realizam falsas detecções e dão aos usuários uma sensação de segurança que não é real”, explica Camilo Gutierrez, chefe do laboratório de pesquisa da ESET para a América Latina.

Ainda de acordo com a fabricante do NOD32, esses aplicativos passaram despercebidos por alguns anos e somam mais de seis milhões de downloads na loja oficial. No entanto, esses números não refletem necessariamente a quantidade real de celulares em que foram instalados, já que realizar downloads falsos para exibir qualificações positivas é também uma prática comum. A boa notícia é que a ESET alertou o Google e os aplicativos foram retirados da loja.

“Isso significa que milhões de pessoas podem facilmente fazer o download de códigos maliciosos disfarçados”, completou Gutierrez.

Uso indevido de marcas legítimas

Além da exibição não autorizada de publicidade nas telas, esses aplicativos podem gerar outros efeitos negativos. Ao imitar as funções básicas de proteção, frequentemente detectam apps legítimos como mal-intencionados, criando uma falsa sensação de segurança mas deixando os aparelhos expostos a riscos reais, que não são detectados.

Dos 35 falsos antivírus analisados, apenas alguns se destacaram pelas funções especificadas: um não é totalmente gratuito e oferece uma versão melhorada, porém paga; outro alerta sobre riscos em aplicativos semelhantes, que inclusive fazem parte do grupo de 35 já mencionados e, por último, foi descoberto um caso de uso indevido da marca ESET.

Fonte: IDGNow!

Chrome: cada vez mais líder

Navegador do Google ganhou 0,8% de participação em janeiro, fechando o primeiro mês do ano com 61,4%, segundo dados da NetApplications.

Os navegadores da Microsoft e da Mozilla perderam parte das suas fatias de usuários em janeiro, enquanto o Google Chrome conseguiu sair de um longo jejum, segundo dados da empresa de análises Net Applications, com sede na Califórnia.

Após uma folga de um mês – já que subiram em dezembro, o Internet Explorer e o Edge retomaram o seu já longo padrão de declínio em janeiro. No primeiro mês de 2018, os navegadores da Microsoft registraram uma queda de meio ponto percentual, indo para a marca dos 16,5%, uma das piores porcentagens para a dupla.

Juntos, os dois browsers foram usados em cerca de 19% de todos os PCs Windows, ou um pouco menos de um a cada cinco sistemas. Essa foi a pior fatia de PCs Windows já registrada pela dupla e fica bem longe dos 52% que possuíam há apenas dois anos.

Janeiro de 2016, aliás, foi um mês marcante para o IE porque foi quando a Microsoft parou de servir updates de segurança para a maioria das versões do seu navegador, forçando os usuários a migrarem para o IE11. Em vez disso, a maioria acabou mudando de navegador. Foi a decisão da Microsoft de aposentar as edições anteriores ao IE11 que acabou impulsionando a disparada do Google Chrome.

E o Edge, navegador padrão do Windows 10, não conseguiu ajudar em nada neste sentido. Com uma porcentagem baixíssima – menos de 5%, o browser foi usado em menos de 14% das máquinas com Windows 10 em janeiro deste ano. Se o colapso do IE foi a maior derrota da Microsoft nos navegadores, então a inabilidade do Edge em capturar uma parte significativa dos usuários Windows 10 foi o segundo maior fracasso da companhia na área. Resumindo: os usuários do Windows 10 rejeitaram o Edge.

Enquanto isso, o Firefox caiu 0,2% em janeiro, encerrando o mês com 10,85% do mercado, a taxa mais baixa do browser desde setembro de 2016. Toda a renovação de novembro, em que a Mozilla colocou grandes expectativas, ainda precisa se traduzir em um aumento no número de usuários – mesmo com a maior parte dos reviews do chamado Firefox Quantum sendo positivos.

Com essas quedas dos rivais, quem se deu bem foi o Chrome, que ganhou 0,8% no mês passado, o maior aumento registrado pelo navegador do Google desde janeiro de 2017. Com isso, o Chrome fechou o último mês com uma participação de 61,4%.

Sobe e desce

Até o momento, o Chrome foi o maior beneficiado pelo declínio do Internet Explorer e do Firefox. O browser do Google lidera o segmento com folga e pode alcançar a marca de dois terços do mercado de navegadores no próximo mês de novembro, com base nas tendências do último trimestre.

Essa mesma tendência aponta que o IE e o Edge, assim como o Firefox, irão na direção oposta. Segundo cálculos da Computerworld dos EUA, os navegadores da Microsoft poderão ficar abaixo dos 10% no próximo mês de agosto, enquanto o Firefox pode alcançar essa marca nada agradável bem antes disso, já em março.

Apesar dos números diferentes aos da Net Applications, os dados publicados por outra companhia conhecida de análises, a StatCounter, mostram movimentos iguais no mercado. Segundo a companhia irlandesa, o IE e o Edge perderam 0,5% em janeiro, fechando o mês com 11,4%, enquanto que o Firefox caiu 0,4%, indo para 11,9%. O Chrome, por outro lado, ganhou 1,3%, encerrando janeiro já com quase dois terços do mercado: 66%.

Fonte: IDGNow!

Vem aí: Fuchsia – o novo SO da Google

A Google já tem dois sistemas operacionais estabelecidos no mercado, o Android e o Chrome OS. Mas, há um bom tempo, sabemos que a empresa já trabalha em um projeto paralelo, o Fuchsia. Até então, era muito difícil testar as versões preliminares do sistema, uma vez que ele era compatível apenas com alguns dispositivos nada fáceis de encontrar no mercado. Nesta semana, contudo, a Google começou a oferecer uma prévia do Fuchsia para o Pixelbook.

A empresa publicou um bocado de código do sistema, mas não há exatamente uma forma fácil de fazer a instalação em um computador. Por isso, até o momento, apenas algumas poucas pessoas já fizeram algum teste com a novidade. Mitch Blevins, um profissional de TI, conseguiu fazer a novidade funcionar em seu Pixel, bem como o pessoal do Ars Technica.

Blevins fez uma série de testes com o software e publicou vários vídeos disso no YouTube. A partir disso, podemos notar que praticamente todos os apps instalados de fábrica são, na verdade, apenas capturas de telas de apps do Android, mostrados no Fuchsia como janelas. Estamos falando afinal apenas de uma demonstração bem preliminar.

Área de trabalho – deixa de existir

Não existe uma área de trabalho tradicional, como a que estamos acostumados a ver no Windows

Mas o que mais chama atenção nessa nova versão do novo SO da Google é a sua tela inicial. Não existe uma área de trabalho tradicional, como a que estamos acostumados a ver no Windows, Chrome OS ou macOS. Em vez disso, a tela inicial traz uma barra de buscas da Google que se parece com uma versão expandida do Google Now. Há alguns cartões com informações que você provavelmente veria no antigo assistente da Google, e, digitando alguma coisa, você confere os “apps” instalados. Nenhum deles funciona de verdade no momento.

Outra característica importante do Fuchsia é que ele não foi baseado em Linux! Em vez disso ele utiliza um kernel chamado Zircon. Em teoria, isso deveria tornar praticamente todo tipo de software e driver que a Google usa atualmente incompatível com o Fuchsia, mas este não parece ser o caso. As pessoas que testaram o Pixelbook com o novo SO notaram que tudo funciona surpreendentemente bem: teclado, touchpad, tela sensível ao toque, portas USB-C e por aí vai. Só o WiFi parece ainda não funcionar.

Nativamente, ele já pode lidar com smartphones, tablets, notebooks tradicionais e conversíveis, computadores desktop e muitos outros

Mas o lado positivo desse kernel é que ele permite ao Fuchsia funcionar em uma alta gama de aparelhos diferentes. Nativamente, ele já pode lidar com smartphones, tablets, notebooks tradicionais e conversíveis, computadores desktop e muitos outros formatos que ainda estão por vir.

Multitarefa

O SO também tem um sistema de multitarefa interessante. Todos os apps recentes aparecem na tela inicial em ordem cronológica inversa, permitindo que você retome seu trabalho da onde parou. Essas miniaturas ainda mostram apps que você estava usando em tela dividida, permitindo retomar alguma atividade sem ter que reconfigurar as janelas. É possível inclusive juntar duas janelas em uma, transformando apps em abas, como se fosse um navegador web.

A tela de configurações ainda não funciona, mas ela tem um atalho bem centralizado na tela inicial, e você consegue alternar entre modo smartphone, tablet e notebook com um botão com o símbolo do Fuchsia alocado no canto superior esquerdo do display.

Em resumo, é possível perceber que o Fuchsia é um sistema operacional que ainda precisa de muito trabalho de desenvolvimento. Talvez a Google traga a Play Store para cá em algum momento a fim de oferecer uma grande coleção de apps já de início, mas é provável que ainda leve alguns anos até que o SO esteja pronto para lançamento comercial.

E agora?

No fim, a pergunta que não quer calar é: será que o Fuchsia vai substituir o Android e o Chrome OS em algum momento do futuro?

A pergunta por hora fica aguardando resposta.

Fonte: Tecmundo

Bloqueio de anúncios pelo Chrome começa em 15 de Fevereiro

O Google anunciou nas últimas semanas que vai começar a bloquear anúncios no seu navegador Chrome a partir de 15 de fevereiro.

Os sites que quiserem evitar o “martelo” do Chrome podem se livrar de várias categorias amplas de anúncios online ou pagar um consórcio de anunciantes, associações comerciais de publicidade e empresas de tecnologia, incluindo Google, Microsoft e Facebook, para se tornarem “certificados”.

“A partir de 15 de fevereiro, em linha com as diretrizes da Coalizão, o Chrome vai remover todos os anúncios de sites que possuam um status ‘deficiente’ (‘failing’, no original)”, afirmou o Google em seu site, em referência à Coalition for Better Ads (CBA), um grupo que promete limpar a web dos seus anúncios mais irritantes.

A linha do tempo de bloqueio de anúncios do Chrome corresponde ao que o Google anunciou há seis meses, quando confirmou que iniciaria o controverso esforço no início de 2018. No meio de fevereiro, a maioria dos usuários do browser estarão rodando o Chrome 64, com lançamento previsto para a semana de 21 a 26 de janeiro. A atual versão do navegador é o Chrome 63.

No desktop, o Chrome vai bloquear quatro tipos de anúncios (de seis considerados), enquanto que no mobile (iOS e Android) o navegador irá barras oito tipos de anúncios (de 12 considerados): essas categorias foram identificadas pela CBA e seu painel de consumidores como as menos aceitáveis.

As quatro classes de anúncios que receberão o machado no desktop incluem pop-ups, os que reproduzem vídeo e áudio de forma automática, anúncios “prestitial” (que aparecem antes da home do site ser aberta) acompanhados por um relógio com uma contagem regressiva, e os chamados “large sticky ads”, que tomam mais de 30% da tela e ficam no mesmo lugar, não importa o quanto você desça o scroll.

Em vez de bloquear esses tipos de anúncios em todos os sites – como fazem a maioria dos add-ons de bloqueio para navegadores – o Chrome vai tomar um caminho diferente.

O browser do Google vai se basear em uma “whitelist” gerada pela CBA. Os publishers dos sites poderão iniciar o processo de certificação, e assim garantir um lugar na lista, no próximo mês, quando mais detalhes serão liberados pela empresa. Sites certificados precisam atender a determinados padrões, sendo que o mais importante é uma baixa proporção de tipos de anúncios inaceitáveis.

Nos primeiros dois meses do projeto – a data de início será revelada em janeiro, segundo a CBA – esses anúncios “desconceituados” não poderão responder por mais de 7,5% de todos as visualizações de página de um site certificado. E a proporção vai diminuir com o tempo. Então seis meses depois, esses anúncios só poderão responder por 2,5% das pageviews desses sites, por exemplo. Resumindo: a CBA permitirá que os sites certificados se ajustem ao bloqueio, com uma cota menor de anúncios “ruins” com o tempo.

Os sites que não se “voluntariarem” para serem certificados pela CBA, ou que sejam julgados como não complacentes pela organização – efetivamente todos os sites com exceção dos presentes na whitelist – terão anúncios das categorias banidas bloqueados. Mesmo um único anúncio sujeito a repreensões vai impulsionar um bloqueio pelo Chrome.

Apesar de a CBA ter revelado alguns detalhes sobre os padrões, a whitelist e como os sites podem contestar a decisão de bloquear anúncios, uma boa parte do programa, ainda permanecem uma incógnita. Não está claro, por exemplo, com qual periodicidade os sites serão reavalidos por violações, ou quanto poderá levar para apelar uma decisão.

Também ainda não há informações sobre taxas

O porta-voz da CBA, Brendan McCormick, afirmou que pagamentos seriam exigidos da maioria dos sites que buscam certificação. No entanto, ele destacou que ainda há muito “a ser trabalhado” até o lançamento do programa. Segundo uma reportagem do site AdAge, a CBA poderá cobrar até 5 mil dólares dos principais publishers, enquanto que “publishers muito pequenos” poderão ser certificados sem ter de pagar nada.

“Muita coisa ainda não foi finalizada. Ainda há muito a ser trabalhado. A parte essencial é tornar isso acessível (para os publishers de sites”, afirmou McCormick para a Computerworld dos EUA.

Maior do mercado

Como o Chrome é o navegador mais popular do mundo, os publishers não podem descartar esse projeto de bloqueio de anúncios, como outros já fizeram antes, se a receita do seu site é baseada em publicidade. Segundo a empresa de análises Net Applications, o Chrome respondeu por 61% dos usuários de desktop do mundo em novembro de 2017.

Se o Chrome fechar a torneira, mesmo que bloqueie apenas as categorias de anúncios inaceitáveis, os donos de sites provavelmente verão uma queda em suas receitas. Mas é questionável se o Chrome conseguirá mirar de forma minuciosa o bloqueio apenas para alguns anúncios em um site não complacente, por isso vale acompanhar essa história de perto nas próximas semanas.

Fonte: IDG Now!

Conheça o Google Cleanup

O Google acaba de elevar o nível de segurança e adicionar novas funcionalidades ao Chrome para Windows que vão alertar o usuário em caso de qualquer comportamento suspeito.

A primeira das novidades é que o Chrome a partir de agora vai detectar se as configurações padrões do navegador foram alteradas sem o consentimento do usuário.

Isso ocorre muito comumente quando você está instalando algum software novo e ele possui algumas outras ferramentas para mudar a página inicial do navegador ou o padrão de busca, o que é extremamente irritante.

Agora com o essa novidade do Chrome, mesmo se você ativar isso sem querer, poderá restaurar o navegador para as configurações anteriores em um simples clique.

Outra novidade muito interessante para os usuários do Chrome no Windows é que o navegador poderá avisar o usuário de um software potencialmente perigoso no seu próprio computador.

Isso mesmo! Não é apenas um site que esteja infectado, mas também um programa instalado no Windows que possa interferir no uso e segurança do Google Chrome.

Chamado de Cleanup, o Google afirma que esse recurso não é uma proposta genérica para um antivírus! “Ele apenas remove softwares que não estão de acordo com a nossa política de softwares indesejados”, afirma o Google em nota oficial.

O Google trabalhou em conjunto com a ESET para realizar esse grande feito no Chrome.

Agradecemos ao Augusto, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: tudocelular

Google cria novo formato de arquivo de imagem

A Google anunciou recentemente no GitHub um projeto no qual está trabalhando, o Pik. Essa novidade consiste basicamente em um novo formato de imagem desenvolvido para ser utilizado na web. Ainda não sabemos os detalhes acerca do Pik, mas dada a sua aplicação, é possível imaginar que a empresa tenha encontrado uma forma mais eficiente de compactar imagens e perder menos informações.

O formato “.pik”, portanto, não deve gerar imagens muito pesadas nem qualidade similar ao que vemos em formatos RAW. Ao que parece, entretanto, o projeto é bem parecido ao do WebP, um outro padrão de imagens que a Google lançou em 2010, mas que não “pegou” muito bem. Contudo, para a empresa ter se dado ao trabalho de insistir nesse trabalho, podemos imaginar que o Pik é bem mais interessante que o WebP.

Na publicação do GitHub, a Google informou muito pouco sobre o funcionamento, mas deixou um encoder e um decoder do formato para que os desenvolvedores já pudessem ir se familiarizando com a novidade. Entretanto, não sabemos quais são os próximos planos da companhia para isso.

Será que o Pik vai se tornar a extensão-padrão da Google Play ou mesmo do Google.com? Não há como saber até a empresa postar mais alguma coisa. Seja como for, os criadores do Pik informaram que o projeto está em um processo de desenvolvimento bem inicial e, a comunidade não deve usar a novidade para nenhum propósito.

Fonte: Tecmundo

Chrome pode lançar bloqueador de anúncios nativo

O navegador Chrome pode em breve ganhar um recurso nativo para filtrar anúncios indesejáveis, tanto na versão mobile quanto na desktop. Esse tipo de ferramenta vem ganhando popularidade a cada ano, e a Google quer melhorar a experiência de navegação para os usuários, além de, principalmente, manter o controle no setor de publicidade online.

Ad-blockers cresceram 26% nas máquinas de mesa dos Estados Unidos nos últimos anos

O ad-blocker teria o suporte da comunidade Coalition for Better Ads, grupo do qual também fazem parte Facebook, Reuters, AppNexus e outras grandes da seara midiática. Em março, as empresas lançaram uma espécie de “manual” de bom uso, que repudia popups, vídeos automáticos com som ligado e veiculação com temporizadores de contagem regressiva.

Segundo o The Wall Street Journal, a Gigante das Buscas estaria até mesmo pensando em bloquear toda comunicação de marketing oriunda de sites que estampam mensagens comerciais consideradas ofensivas, em vez da promoção individual. Ou seja, os donos das páginas teriam que monitorar o conteúdo de seus domínios para continuar ativos no browser.
Jogada defensiva

A Google estaria especialmente de olho no crescimento do poder dos pequenos grupos que vêm lucrando com o aumento de 26% de ad-blocker nas máquinas de mesa dos Estados Unidos nas últimas temporadas. As terceirizadas cobram taxas em troca do “passe” de conteúdo e a companhia de Mountain View já injeta verba considerável no programa “Acceptable Ads”, da Eyeo GmbH, desenvolvedora de um dos softwares mais famosos do gênero, o Adblock Plus.

Chrome está em quase 50% dos desktops nos EUA

O aumento da concorrência entre os mediadores de publicidade online preocupa a Gigante das Buscas, que lucrou nada menos do que US$ 26 bilhões no setor em 2016. Ter outras empresas monitorando o fluxo significa essa quantia cada vez mais diluída e preocupa os parceiros que até então tinham “acesso total” no navegador.

Como o Chrome está em quase 50% dos desktops no território dos Estados Unidos, ter uma avaliação nativa é também uma jogada defensiva. Contudo, por enquanto ninguém confirmou oficialmente essas mudanças, que podem até mesmo ser arquivadas.

Fonte: Tecmundo