Microsoft e Baidu viram parceiros

A Microsoft e a Baidu anunciaram na terça-feira, 18/7, uma parceria para o desenvolvimento técnico de carros autônomos pelo mundo.

Pelo acordo, a Baidu utilizará alguns dos serviços da nuvem Microsoft Azure em sua plataforma aberta Apollo fora da China, sua terra natal.

Em seu comunicado para a imprensa sobre o assunto, a Microsoft diz que irá aplicar a sua Inteligência Artificial, aprendizado de máquinas e recursos de rede neural profunda nos dados da nuvem global.

“Os veículos atuais já possuem um nível impressionante de sofisticação quando se trata de sua capacidade de capturar dados. Ao aplicar na nuvem global nossa Inteligência Artificial (IA), aprendizado de máquina e recursos de rede neural profunda para esses dados, podemos acelerar o trabalho já feito para tornar os veículos autônomos mais seguros”, explica o vice-presidente corporativo da Microsoft, Kevin Dallas.

Vale notar que a Microsoft já fechou parcerias anteriores com fabricantes automobilísticas, como BMW, Ford, Toyota e Volvo.

Agradecemos ao Celso, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: IDG Now!

Atualização do Windows fundamental

A Microsoft liberou o “Patch Tuesday”, um pacote de correções de segurança semanal da companhia. Dessa vez, o patch corrige vulnerabilidades de dia zero que afetam sistemas operacionais Windows voltados para empresas, com lançamento em 2007.

Em um cenário de ataque remoto, um invasor poderia explorar essa vulnerabilidade executando um aplicativo especialmente criado para enviar tráfego mal-intencionado

De acordo com especialistas da Preempt, essas vulnerabilidades estão nos protocolos de segurança Windows NTLM. Como uma porta de entrada, elas permitem que cibercriminosos ataquem um computador ao criar uma nova conta de administrador. Dessa maneira, é possível receber todos os privilégios de administrador do sistema.

Caso não saiba, o NTLM (NT LAN Manager) é um protocolo de autenticação antigo, isso significa que as versões mais novas do Windows não são afetadas — mas isso não significa que você não precisa atualizar o seu computador com frequência. Vá até o Windows Update e realize os processos pendentes.

“Em um cenário de ataque remoto, um invasor poderia explorar essa vulnerabilidade executando um aplicativo especialmente criado para enviar tráfego mal-intencionado para um controlador de domínio. Um invasor que aproveitou com sucesso essa vulnerabilidade poderia executar processos em um contexto elevado”, explicou a Microsoft.

Fonte: Tecmundo

Microsoft adota política de desativar antivírus de terceiros no W10

Sabe aquele antivírus que você instalou em seu computador para aproveitar o Windows 10 sem ser incomodado por nenhuma ameaça externa? Pois ele pode simplesmente não estar funcionando — e a culpa disso é da própria Microsoft. Por mais surreal que seja tudo isso, a companhia admitiu que realmente desligou antivírus concorrentes de maneira proposital em seu sistema operacional, o que gerou uma polêmica enorme em torno do caso.

Tudo começou no início deste mês, quando a Kaspersky acusou a empresa de deletar seu programa de computadores sem a permissão dos usuários. A questão foi levada à Comissão Europeia, responsável pela regulamentação de normas de competição no Velho Mundo, que acusou a Microsoft de se aproveitar de sua posição no mercado, praticamente dominando o setor de sistemas operacionais, para tirar seus concorrentes do caminho.

E a própria Microsoft respondeu à questão admitindo que realmente adotou essa prática, justificando o porquê disso. Embora não cite exatamente a Kaspersky no processo, a empresa afirma que desativa os antivírus instalados no Windows 10 exatamente para proteger os usuários do sistema operacional. Parece algo sem sentido, mas a alegação é que, ao fazer isso, ela permite que os usuários tenham acesso a funções adicionadas a cada atualização. Em tese, ela considera que os antivírus não são capazes de acompanhar cada update do sistema e, por isso, os desativa até que eles passem a suportar a versão mais recente.

Assim, quando o Windows 10 percebe que o antivírus não é capaz de oferecer proteção suficiente para o sistema, ele automaticamente ativa do Windows Defender para dar conta do recado, desativando o programa que deveria cumprir esse papel originalmente.

Para contornar esse tipo de situação um tanto quanto delicada, a empresa de Redmond diz estar trabalhando em conjunto exatamente para desenvolver soluções de segurança mais eficientes, fazendo com que essas proteções se adaptem às evoluções do Windows 10 para proteger de verdade o usuário.

É claro que isso não responde a todas as questões da briga com a Kaspersky e tampouco põe um ponto final nessa história. É uma explicação plausível, é verdade, mas que ainda apresenta várias brechas que a Microsoft precisa justificar no futuro.

Agradecemos ao Igor, colaborador do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Canaltech

Bug dos anos 90 coloca em risco usuários do Windows 7 e 8

Uma nova versão de um problema antigo voltou para assombrar os usuários de Windows 7 e 8.1: um bug permite a sites maliciosos explorar variações de um arquivo com nome “$MFT”, utilizado pelo sistema NTFS (New Technology File System, ou “Nova Tecnologia de Sistema de Arquivos”) para lidar com metadata específica. Isso causa lentidão e pode até mesmo trazer a famosa “Tela Azul da Morte” . A brecha não afeta o Windows 10.

Nos anos 90, uma falha permitia que usuários mal-intencionados pudessem derrubar o Windows 95 e 98 facilmente. Era só gerar um documento com denominação igual ao de outro essencial para causar problemas no funcionamento.

O que acontece atualmente é algo semelhante. Algumas aplicações pré-Windows 10 são batizadas de forma especial porque elas se relacionam com hardware, e não software. Ao visitar uma página que carrega uma referência ao “$MFT” em forma de diretório, o driver NFTS — que normalmente fica escondido e não pode ser manuseado — reage impedindo o acesso ao conjunto de dados, o que inicialmente já deixa tudo mais lerdo. Depois de certo tempo, a única solução é, então, reiniciar tudo.

Alguns navegadores bloqueiam a ameaça, porém o Internet Explorer mostrou-se vulnerável a esse tipo de ataque. A Microsoft foi contatada e ainda não lançou uma atualização para resolver isso. Enquanto isso, a dica é se manter distante de páginas e conteúdo duvidosos e manter seu Windows sempre em dia.

Fonte: Tecmundo e Ars Technica

Vem aí: um Windows 10 repaginado

Nas últimas semanas a Microsoft aproveitou um momento durante as apresentações da Build 2017 para revelar a nova atualização do Windows 10. Intitulada Windows 10 Fall Creators Update, ela estará disponível para o público em algum momento no final deste ano.

“Criamos o Windows 10 para empoderar o criador que existe em todos nós. Estamos entusiasmados por nossos clientes poderem aproveitar os novos recursos do Windows 10 Fall Creators Update que irão proporcionar experiências inovadoras, um design moderno e unificado para experiências em vários dispositivos e um caminho mais fácil para os desenvolvedores criarem para o futuro da computação”, comentou Terry Myerson, vice-presidente executivo do grupo de dispositivos Windows da Microsoft.

E o que vem de novo por aí?

Uma das novidades anunciadas é o Microsoft Fluent Design System, que foi criado para oferecer aos usuários experiências e interações intuitivas, responsivas e inclusivas entre dispositivos. No caso dos desenvolvedores, será possível criar aplicativos mais expressivos e envolventes que funcionam em vários aparelhos.

Outra novidade anunciada na ocasião é o Microsoft Graph, ferramenta com vários recursos que ajuda a conectar pontos entre pessoas, conversas, projetos e conteúdo dentro da nuvem da Microsoft. Com o auxílio da Timeline, por exemplo, é possível voltar no tempo com uma linha que exibe o que você estava fazendo anteriormente, e a Cortana também marca presença aqui para ajudar a escolher onde parou em dispositivos Windows, iOS e Android.

Ainda dentro do Graph podemos encontrar a Área de Transferência, que oferece recursos para copiar e colar qualquer coisa entre dispositivos conectados (é possível passar algo do desktop para um telefone, por exemplo). Por fim, o OneDrive Files on Demand dá acesso a todos os arquivos na nuvem sem precisar baixá-los e, de quebra, poupando espaço do dispositivo.

Ainda no sentido de criação há o Windows Story Remix, considerado pela empresa de Bill Gates como “uma nova maneira de transformar suas fotos em vídeos”. Utilizando inteligência artificial, o sistema vai ser capaz de aprender maneiras de transformar suas fotos e vídeos em histórias, tendo aí a possibilidade de adicionar objetos 3D às suas criações.

Recursos para todos

Achou que o pacote apresentado estava bom o bastante? Pois a empresa de Bill Gates ainda tem mais, como a adição de aplicativos como o iTunes (que chega no final do ano) e a SAP Digital Boardroom (disponível ainda neste mês) à Windows Store, além de ferramentas como o .NET Standard 2.0 para UWP e XAML Standard para desenvolvedores.

Por fim, também houve a menção de que a Microsoft está trabalhando em conjunto com desenvolvedores para dar aos usuários a possibilidade de experimentar aquilo que a realidade mista tem a oferecer graças ao Windows Mixed Reality, além de revelar os primeiros controles de movimento que não exigem marcadores, oferecendo um rastreamento mais preciso e responsivo.

Fonte: Tecmundo

Microsoft corrige falha crítica do Windows Defender

A Microsoft liberou no início da terça-feira (9/05) uma correção para o que foi descrito como “o pior código executável remoto do Windows na memória recente”. Afetando o Windows Defender, o problema foi descoberto pelos pesquisadores Tavis Ormandy e Natalie Silvanovich, que participam da iniciativa Google Project Zero.

Segundo Ormandy, o problema afetava instalações-padrão do sistema operacional e tinham o potencial de se replicar automaticamente entre diferentes computadores. Graças a um defeito do software de scan do Defender, o software podia ser enganado para rodar um código remoto presente em mensagens de email ou de comunicadores instantâneos mesmo que elas não tivessem sido abertas.

A Microsoft afirma que uma correção para o bug já está disponível através do Windows Update para as versões 7, 8 RT e 10 do Windows. A empresa afirma que, no caso de seus sistemas mais recentes, o sistema Control Flow Guard ajuda a minimizar a possibilidade de que a brecha seja explorada.

Para garantir a segurança de sua máquina, é recomendado iniciar manualmente a execução do Windows Update e verificar se pelo menos a versão 1.1.13704 ou superior do Windows Defender está instalada. Caso você prefira esperar para que o processo ocorra automaticamente, isso deve acontecer em um prazo máximo de três dias.

Fonte: Tecmundo

Vem aí: Windows 10 S

Muita gente já aguardava uma nova versão do sistema operacional da Microsoft e a companhia revelou o Windows 10 S no último dia 2/05, durante o evento Microsoft EDU, em Nova York. O software é uma versão “simplificada” do Windows 10, com foco na agilidade, visando especialmente o mercado educativo.

Windows 10 S é um concorrente forte para as máquinas que vêm com o Chrome OS, os Chromebooks.

O Windows 10 S — chamado de Windows Cloud durante sua fase de desenvolvimento — é um sucessor natural do Windows RT e vai utilizar somente os apps da loja virtual da companhia, para garantir programas que otimizem o funcionamento do hardware e evitem malwares e ferramentas de terceiros que possam vir a causar lentidão. Caso você queira usar um produto “de fora”, será necessário deslogar e mudar para a edição normal do Windows 10.

Em uma demonstração, o Windows 10 S fez o primeiro login em uma máquina na metade do tempo do Windows 10 — em 15 segundos — e, com um pen drive, a gigante de Redmond exibiu o assistente Intune for Education configurando suas tarefas em apenas 30 segundos — segundo o relato, 600 instalações foram realizadas em PCs dessa forma em um dia.

O Windows 10 S, concorrente de peso para o Chrome OS e os Chromebooks, virá embutido no hardware de diversos parceiros — incluindo Acer, ASUS, Dell, Fujitsu, HP, Samsung e Toshiba — e Office 365 gratuito para estudantes e professores, assinatura anual do Minecraft Education Edition e compatibilidade com dispositivos de realidade aumentada e virtual. As máquinas devem custar a partir de US$ 189 (quase R$ 600 na cotação desta terça-feira, sem taxas) e quem quiser pode fazer o upgrade para o Windows 10 Pro posteriormente.

Fonte: Tecmundo