Como proteger seus filhos dos perigos da Internet

Com a facilidade cada vez maior de acesso à web no mundo atual, os pais passam a se preocupar com os perigos aos quais os filhos podem estar expostos no mundo digital, como a Dark Web, entre outras ameaças.

Veja abaixo algumas dicas e cuidados para manter as crianças seguras na Internet:

1-Diálogo em primeiro lugar: converse com seu filho

O primeiro passo para manter a criança segura na internet é o diálogo entre pais e filhos. Para se conectar melhor com a garotada é essencial que os pais saibam o que eles andam fazendo na internet e fora dela também.

Uma dica importante: procure saber quais são os youtubers que seu filho mais curte, além de hobbies, gostos musicais e quais séries e programas ele gosta de assistir. Não deixe de passar um tempo com seu filho e procure estar sempre atento às suas atividades (online e offline).

2-Disciplina: estipule limites de horário

Na hora do diálogo é importante definir os horários em que as crianças e, principalmente, os adolescentes poderão ficar conectados. A Sociedade Brasileira de Pediatria orienta que para crianças entre 7 a 14 anos de idade o ideal é limitar o tempo de exposição às mídias ao máximo de 5 hora por dia (incluindo computador, celular, tablets e televisão).

Já para os adolescentes, é preciso ficar de olho e não deixá-los isolados nos seus quartos ou permitir que ultrapassem as horas saudáveis de sono para ficar na internet. Educadores e psicólogos garantem que o quarto trancado é um dos maiores perigos de hoje em dia, já que na web o adolescente pode ter acesso a conteúdos inapropriados e, muitas vezes, perigosos. Caso seu filho use lan houses, procure saber onde é esse local e estipule dias e horários que ele poderá ir até o estabelecimento.

3-Seja parceiro: navegue junto com a criança

É muito importante que os pais “surfem” a mesma onda dos filhos e também se conectem. Portanto, estejam nas mesmas redes sociais que eles, conheça os canais que a criançada assiste e separe um tempinho do seu dia para acessar à web junto com as crianças, deixe que eles mostrem o que gostam de acessar e fique por dentro do dia a dia do seu filho na internet.

4-Aposte em tecnologia: use o controle parental

Para auxiliar os pais a organizarem melhor a rotina digital dos filhos ao celular (e tablets), uma alternativa é apostar em apps de controle parental.

Fonte: itmidia e APPGuardian

Google aumenta eficiência da navegação no modo anônimo

O Modo Anônimo oferecido pelo Google Chrome dá uma ideia de privacidade ao usuário: ele permite a navegação desconectada, porém, usuários ainda podem ser rastreados de uma maneira ou outra — e muitos sites ainda conseguem detectar se você navega via Modo Anônimo. Agora, o Google está alterando alguns códigos do modo para deixar a sua navegação mais secreta, escondendo dos sites se você está em Modo Anônimo ou não.

O Chrome vai criar um arquivo de sistema virtual usando a RAM

Mas, por qual motivo os sites querem saber se você está utilizando esse modo ou não? Um deles, e talvez o principal, é o paywall de sites de notícias. Diversos sites de notícias pelo mundo utilizam um tipo de pawall que bloqueia usuários no Modo Anônimo e até registra quem já acessou uma quantidade X de acessos gratuito fora do modo para manter o bloqueio.

Para aumentar as “barreiras” do Anônimo, o Chrome vai criar um arquivo de sistema virtual usando a RAM. Dessa maneira, quando você sair do modo, é garantido que tudo que você navegou será apagado — e os métodos de detecção também deverão cair. Segundo o 9to5Google, o Google tem como meta remover toda a API FileSystem com o passar do tempo.

A novidade deve chegar no Chrome 74 com a possibilidade de ativação feita pelo usuário, contudo, deve ser apenas no Chrome 76 que o recurso já chega como padrão nos navegadores.

Fonte: Tecmundo

Google irá implementar o HSTS para maior segurança na navegação

hstsO Google anunciou nos últimos dias que implementará a tecnologia HSTS aos resultados das buscas que são feitas no serviço.
A novidade foi divulgada no blog oficial da empresa, que aproveitou para explicar os benefícios que a utilização do protocolo traz aos usuários.

Na prática, o buscador vai ser capaz de converter as páginas acessadas via HTTP em HTTPS, protocolo que adiciona uma camada de proteção na transmissão de dados entre o dispositivo de acesso e o servidor.

Grande parte das páginas já usam o protocolo para criptografar a conexão e dificultar a interceptação dos dados por pessoas mal intencionadas. Mas alguns sites ainda não suportam a tecnologia.

Com a implementação do HSTS pelo Google, qualquer site acessado através da ferramenta de buscas poderá usufruir dessa segurança.
Ou seja, caso o usuário divulgue informações pessoais, a probabilidade de serem interceptadas é muito baixa — se acessadas via motor de busca do Google.

Entretanto, a empresa ressaltou que ainda deve levar alguns meses até que a novidade seja disponibilizada integralmente aos usuários.
De acordo com as informações divulgadas, a equipe responsável pela implementação ainda está lidando com vários fatores que podem causar instabilidades na navegação.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Techtudo

Navegação pode ser anônima, mas não é muito segura

anonimoProvavelmente o seu navegador oferece uma opção de navegação anônima. O que muita gente não sabe é que, apesar de prometer não coletar informações do usuário e não adicionar páginas ao histórico, não é bem isso o que acontece. Mesmo que opte pelo modo anônimo, o usuário ainda terá capturado um registro de tudo o que ele fizer na rede.

Um estudo realizado pela equipe de segurança do S2 Grupo mostra que o modo anônimo apenas evita que o computador grave as informações. “Com certeza não manda os cookies das sessões anteriores. Mas podem continuar rastreando por outros parâmetros”, explica a empresa. Assim, o provedor de internet, os sites visitados e o seu empregador (caso você use o computador do trabalho) ainda conseguem rastreá-lo.

Como funciona?

“Sempre que fazemos uma busca através de um navegador da web estamos enviando dados a alguns servidores (Google, Microsoft, Apple etc). Junto com nossos dados de busca, também é enviado outro tipo de informação como a localização, navegador usado, idioma ou o dispositivo”, explica Ricardo Vega, blogueiro espanhol criador de uma página especializada em tecnologia.

Essas informações são bastante valiosas para as empresas de tecnologia, já que oferecem detalhes sobre o que o usuário consome, quais são seus interesses e desejos. É isso que permite uma publicidade personalizada.

Navegação incógnita

O modo anônimo, mesmo que não seja completamente invisível, tem suas vantagens. “Ele permite que você navegue pela web sem guardar nenhum tipo de informação sobre os sites que visita”, explica o navegador Firefox.

Especialistas indicam o uso do modo privado quando o usuário precisa de segurança, como ao realizar transações bancárias, por exemplo.

O que fazer?

Vega afirma para existir uma navegação completamente sigilosa, é preciso “muito trabalho da parte do usuário”, incluindo uma série de ferramentas, como as VPNs.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fontes: Olhar Digital e BBC

Periodicamente limpar os cookies de navegação é mais seguro?

internet-cookiesMuitos usuários pensam que limpar o histórico serve apenas para o computador ficar mais rápido, ledo engano. Entretanto, sim, é importante para o seu PC ficar mais ágil. Mas, essa simples tarefa também possui a vital importância em nos resguardar quanto à nossa segurança na internet.

Em primeiro lugar, devemos saber o que é um cookie:

Na trilogia do filme Matrix, os Cookies do Oráculo aparecem algumas vezes. São biscoitos, literalmente, mas na realidade, o significado é o de que eles remetem a identidade do usuário, levando a uma lembrança de algo que já foi definido anteriormente, ou então, acesso a informações privilegiadas. No filme, aquele biscoito dava poder a quem o comesse.

No nosso mundo, um cookie de computador é um pequeno fragmento de dados enviado de um site Web. Ele é armazenado em forma de um ficheiro de texto no computador do usuário. Muitas instituições utilizam este recurso para memorizar dados de um determinado computador, bem como preferências específicas, coisas que o usuário gostaria de não ver em sua navegação, coisas que prioriza, etc. Empresas que lidam com a Web podem utilizar os cookies para direcionar publicidade, por exemplo, ou então, para monitorar as atividades de alguém.
Um cookie pode ser um risco ao computador?

Apenas um cookie isoladamente não tem como prejudicar um computador em específico. Entretanto ele pode auxiliar em ações mal-intencionadas contra o sistema operacional, pois eles podem ser coletados ou identificados por um Trojan, por exemplo. Mesmo que o usuário consiga remover esse malware, ele pode interceptar o cookie, caso não tenha sido realizada a limpeza. Cabe ressaltar que spywares também podem utilizar informações e coletar detalhes de login de inúmeros servidores.

Você pode estar sendo monitorado

A importância de deletar é que, sem perceber, alguém pode estar monitorando suas atividades na internet, e isso não é legal, não é mesmo? Por isso, se você quer se precaver, torna-se imprescindível você periodicamente apagar o histórico de navegação do navegador de sua preferência, o que pode ser feito acessando o menu do navegador utilizado ou lançando mão de softwares de manutenção como o CCleaner da Piriform.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa matéria.

Fonte: Oficina da Net

Dados da navegação privada do Edge podem ser descobertos

Microsoft-EdgeSegundo constatou o pesquisador de segurança Ashish Singh, as janelas privadas ou InPrivate do Microsoft Edge não têm nada privadas de verdade. Todo o histórico de navegação do usuário fica salvo no browser e pode ser verificado com certa facilidade por uma pessoa que possa estar investigando alguma coisa.

“Muitos artefatos são guardados pelo navegador, o que torna uma varredura bem fácil. Entretanto, há partes em que as evidências do uso não são tão simples de encontrar. A função de navegação nem tão privada do Edge é aparentemente falha em sua essência”, disse Singh em sua publicação acerca do assunto.

O pesquisador ainda esclareceu os passos que ele seguiu para encontrar os dados de navegação privada do Edge que deveriam ser apagadas no momento que o usuário fecha a janela. Se você quer fazer o teste, confira os detalhes técnicos aqui.

O que a Microsoft pensa sobre isso?
A Microsoft ainda não explicou porque esse problema existe, mas um porta-voz da empresa deu uma declaração sobre o caso ao The Verge. “Recentemente, nós ficamos sabendo de um relatório que alega que as janelas InPrivate do Edge não estão funcionando como deveriam e estamos comprometidos em resolver isso tão logo quanto possível”.

Por enquanto, não há prazos para que essa falha seja consertada no Edge, e, por isso, recomendamos que você recorra a outros navegadores quando precisar de uma janela privada.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Tecmundo

Firefox promove mudança que torna navegação mais seguro

firefox_seguroA build mais recente do Firefox inclui uma mudança interessante que pode tornar a navegação pela web mais segura. Sempre que o internauta acessar um site que não seja HTTPS mas possua campos para inclusão de senha, o navegador avisará que a página não é segura.

Conforme reporta o The Next Web, junto com o alerta vem a explicação de que “informações enviadas pela internet sem criptografia podem ser vistas por outras pessoas”. Mas é possível ignorar o aviso, como fez o internauta da imagem acima.

A novidade aparece no Firefox 44 Nightly, o que significa que ainda há um certo caminho a ser percorrido antes que ela apareça a todos os usuários – isso se a Mozilla não desistir de incluir o recurso no navegador.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fontes: Olhar Digital e The Next Web