Vítima de chantagem, Nokia pagou milhões a cibercriminosos

nokia_logo_main_article_1_1403065996_540x540A Nokia pagou milhões de euros – a quantia não foi especificada – em 2007 para um grupo finlandês que ameçou divulgar o código fonte do sistema operacional Symbian, principal software da companhia nos celulares da época. A operação chantagista só foi revelada hoje pela emissora local MTV – que não tem nada a ver com o canal musical.

De acordo com as informações, o grupo dizia deter a chave que permitiria a instalação de qualquer aplicativo no sistema para acessar todas as funções do aparelho. A invasão poderia abrir as portas para uma enxurrada de serviços maliciosos.

A polícia confirmou que investiga o caso para descobrir se a Nokia foi lesada. Com medo da ameaça, a empresa teria feito o pagamento em dinheiro, num parque de diversões, para evitar rastros bancários.

A Nokia não se pronunciou sobre o assunto.

Agradeço ao Davi, amigo e colaborador do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Olhar Digital

Solução de segurança da Nokia para redes móveis

nokia_guardOperadoras podem proteger usuários contra fraudes, mesmo quando eles não contam com programas antimalware em seus dispositivos.

A Nokia Solutions and Networks (NSN) anunciou nos últimos dias que desenvolveu um novo método para detecção de malware em redes móveis, dando às operadoras a possibilidade de defender seus usuários contra fraudes, mesmo quando estes não contam com programas antimalware em seus dispositivos.

O NSN Mobile Guard utiliza dados de serviços de Telecom como voz, SMS e banda larga móvel, e analisa padrões de tráfego de rede em um processo mais rápido do que sistemas convencionais, que empregam mecanismos de assinatura e outros métodos genéricos para detectar malwares. A solução também notifica o usuário, bloqueia os serviços afetados na rede e ajuda o usuário a limpar seu dispositivo.

O Mobile Guard correlaciona padrões suspeitos de tráfego de rede com ameaças conhecidas, com base no serviço de inteligência de malware da empresa parceira F-Secure.

A nova solução restringe automaticamente as atividades do malware. Por exemplo, ela impede mensagens de SMS de serem enviadas ou bloqueia pagamentos via celular não autorizados.

O Mobile Guard também alerta o usuário da contaminação, e pode, alternativamente, oferecer programas para limpar o dispositivo e fornecer proteção extra para complementar a defesa em nível de rede.

“As operadoras tornam-se capazes de proteger suas redes e as conexões e conteúdos de seus clientes”, afirma Patrick Donegan, analista sênior da Heavy Reading. “Ao estender seu portfólio de segurança de rede móvel para os dispositivos, a NSN o leva além das soluções de segurança para infraestrutura, protegendo diretamente o consumidor final”, explica.

O dashboard de monitoramento do Mobile Guard é customizado para operadoras de banda larga móvel, de modo a prover dados detalhados de infecções em tempo real – e é entregue como parte do pacote NSN Costumer Experience Management (CEM) on Demand.

Agradeço ao Davi e ao Lucas, amigos e colaboradores do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: IDG Now!

Microsoft compra a Nokia celulares

microsoft-nokia

A Microsoft anunciou, nesta terça-feira, a compra da divisão de celulares e de diversas patentes da finlandesa Nokia por um total de 5,44 bilhões de euros (aproximadamente 7,17 bilhões de dólares).

Na apresentação de 30 páginas que a Microsoft deixou disponível na sua área de relações com investidores, a empresa lista uma série de razões para investir na Nokia, que já foi a líder do mercado global de celulares, mas perdeu o passo com o avanço dos smartphones e, nos últimos tempos, vem tentando reconquistar terreno para asiáticas como a Samsung.

Veja, a seguir, os principais motivos para a Microsoft fechar o negócio, segundo a apresentação:

15% do mercado em cinco anos

Com a Nokia, a Microsoft quer alcançar uma fatia de até 15% do mercado global de smartphones em 2018. Segundo a página 22 da apresentação, a empresa estima que a produção total de celulares inteligentes, daqui cinco anos, será de 1,7 bilhão de unidades. – o que significaria uma produção de 255 milhões de aparelhos para a Microsoft.

Se esse percentual for alcançado, a Microsoft estima que poderá gerar uma receita anual de 45 bilhões de dólares com smartphones (algo como 176 dólares por aparelho). A empresa apresentou duas tabelas. Com uma margem operacional de 5%, isso daria um lucro operacional anual de 2,3 bilhões de dólares. Com margem de 10%, o lucro operacional dobraria para 4,3 bilhões.

Atualmente, a parceria da Nokia com a Microsoft, que oferece o sistema operacional Windows Phone para celulares, detém mais de 10% de participação em nove mercados, segundo a empresa, ficando à frente da BlackBerry em outros 34 mercados. O crescimento, no segundo trimestre deste ano, foi de 78% sobre igual período do ano passado, e totalizou 7 milhões de aparelhos com Windows Phone produzidos.

Sinergias de 600 milhões de dólares

Na página 21 da apresentação, a Microsoft afirma que espera capturar ganhos de sinergia com o negócio a partir de 2015. A sinergia projetada para a compra é de 600 milhões de dólares em 18 meses, a partir da conclusão do negócio.

Acesso a 8.500 patentes da Lumia e da Asha

Do total de 5,44 bilhões de euros pagos pela unidade de celulares da Nokia, 1,65 bilhão referem-se à aquisição de patentes e licenças de uso. Segundo a apresentação, a Microsoft está comprando mais de 8.500 patentes das marcas Lumia e Asha, além de uma licença de dez anos para usar a marca Nokia em seus celulares.

Mais de 60 licenças com terceiros

Ainda que combalida no mercado de smartphones, a Nokia possuía uma série de licenças de uso com gigantes do setor de tecnologia. O negócio fechado com a Microsoft também dará acesso a mais de 60 acordos de licenciamento que a Nokia havia fechado com parceiros como a Qualcomm, IBM, Motorola Mobility e Motorola Solutions.

Margem bruta quatro vezes maior

A parceria com a Nokia começou em fevereiro de 2011. Em novembro daquele ano, chegava ao mercado o primeiro celular da Nokia com Windows Phone, o Lumia 800. O acordo que vigorava até aqui dava uma margem bruta para a Microsoft de menos de 10 dólares por aparelho que rodasse o Windows Phone. Agora, com a aquisição e o reforço da aposta em smpartphones, a margem bruta esperada pela Microsoft é de mais de 40 dólares por unidade.

Integração de produtos

Uma das grandes críticas à gestão de Steve Ballmer na Microsoft foi que ele perdeu duas grandes ondas de renovação da tecnologia – o avanço dos smartphones e a eclosão dos tablets, o que transformou a empresa em uma fornecedora de softwares para o estagnado mercado de computadores de mesa (os famosos desktops).

Agora, com o acordo, a Microsoft espera criar uma grande rede integrada de produtos e serviços. O título da página 15 da apresentação é emblemático: Por que celulares? A primeira resposta da Microsoft, nesta página, é “aparelhos ajudam os serviços e os serviços ajudam os aparelhos”.

A empresa explica que, com o avanço da tecnologia da informação para os consumidores, os usuários importam tanto em casa, quanto no trabalho, o que demanda uma integração maior de aparelhos e serviços.

Tentativa de barrar a Apple e o Google

Na mesma página 15, a Microsoft afirma que não quer correr o risco de ver o Google e a Apple liderando a inovação em aplicativos, nem na integração, distribuição e geração de ganhos com a tecnologia de celulares. E termina afirmando que a Microsoft deve oferecer uma experiência de elevado nível a seus usuários de celular.

Opinião do seu micro seguro: esse fato indica que a Microsoft parte com tudo para o mercado de dispositivos móveis e a concorrência com o Google e a Apple.  Na minha opinião as distribuições Linux irão cada vez mais ganhar usuários no segmento dos desktops tradicionais a partir de agora.

Fonte: Info