Internautas estão deixando de usar os browsers IE e EDGE

browsersO domínio da Internet sempre foi associado ao Internet Explorer.
Muito por culpa do próprio Windows, este controle se estendeu pelas muitas versões lançadas do navegador.

Mas a chegada de novos browsers veio mudar este cenário e criar novas alternativas para um mercado que tinha se estagnado. Os navegadores da Microsoft parecem agora ter chegado a um mínimo histórico de preferência e o que mais vem se observando é justamente a troca deles por outros.

Mês a mês vem se confirmando que a Microsoft está perdendo terreno no mercado dos navegadores.
Este não é um movimento novo, que se iniciou há uns anos, mas que tinha obtido alguma resistência, grande parte às empresas e aos seus sistemas que apenas funcionavam atrelado a esses browsers.

A perda de usuários do Internet Explorer e do Edge

Os números apresentados agora, vindos da bem conhecida e confiável NetApplications e referentes ao mês passado de Junho, mostram uma posição muito negativa para os navegadores da Microsoft. Foram mais de 33 milhões os internautas que deixaram de usar os dois navegadores que a Microsoft tem no mercado.

Se este é um número de peso, apenas se junta ao valor conhecido desde o início do ano, de aproximadamente 200 milhões de usuários. Este número corresponde a uma quebra de 17,3% do mercado, o que coloca neste momento o IE e o Edge com 36,7% de porcentual.

Como se está a comportar a concorrência

Alheio a isto tudo, e a recebendo os usuários que deixam de usar os outros browsers, está o Chrome. O navegador do Google tem crescido de forma sustentada e tem já quase metade do mercado, com 48,65%. Provavelmente, no final deste mês, vamos ver o Chrome ultrapassar a barreira dos 50%, que há apenas 12 meses era do Internet Explorer.

Tanto o Opera como o Safari continuam o seu crescimento, mas de forma mais tímida.
Não sendo browsers com números expressivos, conseguem também cativar os seus usuários.

O problema do Firefox

O Firefox era um dos navegadores que mais prometia, até há alguns anos. A chegada do Chrome, com as suas novas tecnologias e alguns problemas que o Firefox teve, colocaram um freio nas expectativas que se tinha sobre este browser.

Os dados da NetApplications mostram que o Firefox voltou a perder terreno, tendo terminado o mês de Junho com uma redução de 0,9%, o que o coloca agora perto dos 8% de fatia do mercado.

Caso continue este ritmo de quebra, o Firefox deverá atingir a marca dos 5% em Outubro deste ano. Esta é uma marca que pode colocar em perigo este projeto, que depende das pesquisas realizadas pelos usuários para se manter ativo.

Os números da NetApplications contrariam os que a StatCounter apresentou recentemente, que mostravam que o Firefox tinha ultrapassado o IE e o Edge, mas confirmam o domínio do Chrome e o declínio dos browsers da Microsoft.

Esperava-se que a chegada do Windows 10 e do Edge contrariasse esta tendência mas, a verdade é que, cada vez menos usuários querem fazer uso deles, recaindo suas escolhas nas alternativas, em particular no Chrome.

O gráfico da pesquisa pode ser acessado aqui.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: pplware

Edge e IE despencam e Chrome cresce em preferência

IE_edgeNavegadores da Microsoft registraram quedas históricas em fevereiro e devem ficar abaixo dos 40% antes das previsões iniciais para julho.

Os navegadores da Microsoft sofreram quedas de proporções históricas em fevereiro, perdendo usuários em um ritmo que pode colocar a empresa em segundo lugar, atrás do Google, já em maio, apontam novos dados liberados nesta semana.

As várias versões do Internet Explorer (IE) e as duas do Edge perderam um total combinado de 2,1 pontos percentuais de participação de usuários em fevereiro, a maior queda em um mês registrada nos 11 anos de estatísticas acumuladas pela Computerworld dos EUA da consultoria Net Applications.

O IE e o Edge – a Net Applications coloca a participação do Edge em um local apenas com a tag IE – respondem por 44,8% de todos os navegadores usados no mês passado. Há um ano, esse número era de 57,4%.

Os navegadores da Microsoft só tinham ficado abaixo da marca de 50% em dezembro. Mas se seguirem no mesmo ritmo de queda dos últimos meses, os browsers da empresa ficarão abaixo de 40% em maio.

Previsões anteriores apontavam que essa queda abaixo de 40% só aconteceria em julho.

Em qualquer um dos casos, a queda do IE é acompanhada pelo crescimento do Google Chrome, que deverá substituir os navegadores da Microsoft como o o mais usado nos mesmos meses em que o IE cair abaixo de 40%.

O Chrome fechou fevereiro com 36,6% de participação entre os usuários, alta de 1,5% ponto percentual em relação a janeiro e 11,9% pontos em relação ao mesmo período de 2015. O Firefox, da Mozilla, ganhou três décimos de um ponto percentual e alcançou a marca de 11,7%, mesmo número de um ano atrás. O Safari, da Apple, ganhou dois décimos e ficou em 4,9%.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: IDG Now!

Firefox: o navegador em que os usuários mais confiam

confiancaO Firefox foi identificado como o navegador em que os usuários mais confiam por uma pesquisa realizada pela Sophos, empresa de softwares de segurança. Por três anos seguidos, o browser da Mozilla foi o mais mencionado em resposta à pergunta “Qual navegador você confia?”, com 41%, seguido do Chrome, com 21%. Navegadores mais famosos, como Safari e Internet Explorer, cederam a terceira colocação ao modesto Opera, que obteve preferência de 16% dos entrevistados.

Em quarto lugar, o Safari foi mencionado como o navegador mais seguro por 9%, enquanto o browser anterior pela Microsoft, o Internet Explorer, ficou somente com 3% da fatia. Ambos obtiveram menos menções do que a categoria “Outros”, que inclui navegadores menos populares, porém, aparentemente, com melhor reputação entre os usuários.

O Tor, navegador que usa a rede Onion para criar conexões seguras na web, por outro lado, apareceu em somente 6% das respostas. Ainda na frente do IE, porém bem atrás do Chrome, recorrentemente envolvido em questões de privacidade por conta de dados rastreados pelo Google.

A pesquisa mostrou, também, que muitas pessoas não utilizam o navegador que consideram mais seguro. Dos mais de 40% de usuários que responderam o formulário online por meio do Chrome, quase a metade votou em outro browser, por exemplo.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fontes: Techtudo e TechWorm

Microsoft busca direcionar usuários do Windows 10 para só usarem o Edge

Microsoft-EdgeA Microsoft está empregando algumas táticas no Windows 10 que buscam fazer com que seus usuários utilizem o Edge e deixem de usar outros navegadores

O Windows 10 traz o navegador Edge. Os usuários que o utilizem para para fazer o download de navegadores alternativos, como o Firefox da Mozilla ou o Chrome da Google, passam a enfrentar certas dificuldades.

As táticas para desencorajar os usuários passam por mostrar uma barra escura no topo da tela, quando se tenta fazer o download do Chrome ou o Firefox, informando que a Microsoft recomenda a utilização do Edge e com um botão indicando «Saiba mais».
O VentureBeat trouxe a notícia e informa que a situação já foi notada por usuários dos EUA, não havendo ainda relatos de que esteja ocorrendo em outros países.

Não é novidade que as empresas de tecnologia tentem favorecer e recomendar os seus produtos em detrimento das soluções rivais. No entanto, a Microsoft passou alguns anos acusando a Google de alimentar práticas anti-competitivas e parece estar tomando um caminho semelhante com o Edge e o Windows 10.

Oficialmente, um porta-voz da Microsoft explicou ao The Verge que «o Edge foi desenhado exclusivamente para o Windows 10 com ferramentas e funcionalidades que melhoram a experiência de navegação como o Cortana, o Web Note e as Quick Answers (…) Com o Windows 10, o usuário pode escolher facilmente o navegador predefinido e o motor de busca que prefira».

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Exame Informática