Windows 10 cresce e está cada vez mais próximo de superar Windows 7

Caso tendência do último ano seja mantida, PCs Windows 10 devem superar o sistema antigo já no próximo mês de agosto. macOS, da Apple, alcança marca de 10%.

O Windows 10 ganhou mais usuários em janeiro de 2018 do que em qualquer outro mês desde o meio de 2016, segundo a empresa de análises Net Applications revelou na última semana.

Dados publicados pela companhia em 1º de fevereiro mostram que o Windows 10 acumulou 1,4% de participação no mercado em janeiro, fechando o primeiro mês do ano com 34,3% de presença nos PCs do mundo – e 39,1% de participação em todos os sistemas rodando Windows. (O segundo número é maior porque o Windows respondeu por 88,8% de todos os sistemas em janeiro, não 100%.)

Esse foi o maior crescimento do Windows 10 desde agosto de 2016, se deixarmos de lado a queda de 2,7% de novembro do ano passado. Esse declínio foi parte de uma renovação dos dados pela Net Applications, com a intenção de se livrar do tráfego falso com origem em bots criminosos, e que não representava uma prova de uma corrida pelo Windows 10.

Enquanto isso, o Windows 7, ainda o principal sistema usado nas empresas, perdeu 0,7% em janeiro, caindo para uma participação de 42,4% de todos os PCs – e 48,3% nos sistemas rodando Windows.

Esses movimentos são de extrema importância para a Microsoft, uma vez que a empresa planeja encerrar o suporte para o Windows 7 em janeiro de 2020. Durante os próximos dois anos, a companhia de Redmond vai fazer o máximo para que os usuários migrem do antigo Windows 7 para o Windows 10.

Tendências

Ao levantar as médias de quedas e crescimentos do Windows 7 e 10 nos últimos 12 meses, a Computerworld dos EUA revisou a sua previsão anual para as plataformas. Desta forma, a expectativa é que o número de PCs com Windows 10 supere o número de máquinas Windows 7 já em agosto, um mês antes da previsão anterior. Segundo as tendências do último ano, a participação do Windows 10 em agosto deverá alcançar os 41,3%, enquanto que o Windows 7 vai cair para 41,2%.

Ainda seguindo essa projeção linear, o Windows 7 deverá contar com nada menos do que 32% dos usuários de PCs em janeiro de 2020, quando a Microsoft deverá encerrar o suporte para o sistema – o Windows 10 teria 59% de participação então.

No entanto, é improvável que os ritmo reais de expansão do Windows 10 e de queda do Windows 7 sigam esse modelo por tanto tempo: os sistemas não são adotados ou descartados de um modo tão simples. Em vez disso, as taxas de migração costumam acelerar à medida que se aproxima o fim do ciclo de um sistema antigo.

Mesmo assim, os dados da Net Applications ilustram o problema representado por essa “teimosia” do Windows 7. Caso a previsão da empresa esteja pelo menos um pouco próxima do real, isso significa que milhões de máquinas ainda estarão rodando o Windows 7 em janeiro de 2020, quando a Microsoft vai liberar o último update de segurança para o sistema, deixando assim muitos e muitos usuários vulneráveis a possíveis novos exploits criados por hackers que nunca serão corrigidos pela companhia.

Apple sobe

Além desses números todos sobre o Windows, os dados de janeiro da Net Applications também mostram que o macOS, da Apple, cresceu 0,9% em janeiro, um aumento que a empresa de Cupertino não registava desde abril de 2016. Esse impulso colocou a plataforma da Apple para computadores na casa dos 10% de participação de mercado.

Fonte: IDGNow!

Tendência: Internet das coisas usada para minerar criptomoedas

Segundo pesquisa da Avast, seria necessário mais de 15 mil dispositivos para minerar US$ 1 mil em moedas de Monero ao longo dos quatro dias

Cibercriminosos podem usar vulnerabilidades de dispositivos de internet das coisas (IoT) para construir um exército para mineração de criptomoedas. É o que alerta a Avast, que, por meio de uma pesquisa, mostra que seria necessário um exército de mais de 15,8 mil dispositivos para minerar US$ 1 mil em moedas de Monero, ao longo dos quatro dias.

A empresa explica que os smartphones e dispositivos IoT, como Smart TVs ou webcams, frequentemente têm um poder muito baixo de computação, o que é ruim para a mineração. Por isso, cibercriminosos estão buscando atacar dispositivos em massa com o objetivo de maximizar o lucro. Em geral, a mineração em dispositivos IoT permanece imperceptível para o consumidor, o qual não nota quando o dispositivo aquece ou reduz o desempenho, ao contrário de um PC.

Gagan Singh, vice-presidente sênior e gerente geral para Mobile da Avast, diz que, até pouco tempo atrás, os cibercriminosos estavam focados na propagação de malwares para transformar PCs em máquinas de mineração de criptomoedas, mas agora também há um número maior de ataques mirando os dispositivos de IoT e smartphones.

“De acordo com os dados atuais da Shodan.io, uma pesquisa sobre coisas conectadas à internet apontou que mais de 58 mil dispositivos inteligentes em Barcelona estão vulneráveis. Se cada um desses dispositivos fosse recrutado por uma botnet para minerar Monero no Mobile World Congress, os cibercriminosos poderiam ganhar o equivalente a US$ 3.600 ou € 3.000. Os custos envolvidos na mineração são tão altos, que o lucro de criptomoedas é muito pequeno”, afirma o executivo, citando o Mobile World Congress e a cidade de Barcelona como exemplo.

Isso porque a Avast está realizando em seu estande um experimento de mineração de criptomoedas de Monero em uma Smart TV para aumentar a conscientização sobre o uso das vulnerabilidades dos dispositivos móveis e de IoT (Internet das Coisas).

Mirai

O complexo ecossistema de dispositivos de IoT em residências e locais públicos cria novas oportunidades para que os cibercriminosos comprometam a segurança e a privacidade das pessoas. Em 2017, surgiu a primeira botnet de IoT, uma nova versão da botnet Mirai, para minerar criptomoedas. Desde então, o risco dos cibercriminosos obterem o controle dos dispositivos IoT para lucrar com a mineração de criptomoedas aumentou. Para o usuário, isso pode gerar altas contas de energia, baixo desempenho e uma vida útil menor do dispositivo.

Fonte: IDGNow!

Ciberataques com IA para 2018

Ataques com machine learning e uma onda de malware de mineração de criptomoedas devem impactar as companhias neste ano, alerta.

Dois mil e dezoito deve ser o ano que marcará os primeiros ciberataques com uso de inteligência artificial. A previsão é da empresa de segurança digital Avast, que aponta também que haverá um aumento de ataques em massa nos serviços de blockchain.

Relatório divulgado pela companhia mostra que um número maior de ataques sofisticados em cadeias de fornecimento deverão emergir, bem como um crescimento de malware sem arquivo (fiteless), brechas em dados e ameaças a dispositivos móveis, como Trojans bancários.

Ondrej Vlcek, CTO & EVP da Avast, alerta que a crescente disponibilidade de frameworks de aprendizado de máquina com códigos abertos, somada à queda significativa do preço de hardwares poderosos, deverá gerar novas oportunidades para o uso de aprendizado de máquina com o objetivo de driblar os algoritmos das empresas de segurança. “Nossa expectativa é de que os cibercriminosos não apenas vão lançar ataques de malware, mas realizarão campanhas sofisticadas de phishing”, comenta.

Confira três previsões da Avast para o cenário do cibercrime em 2018:

Mudança nos vetores de ataque

O Laboratório de Ameaças da Avast prevê que muitos ataques observados em 2017 vão continuar ameaçando as empresas, os dados pessoais e a privacidade dos usuários, mirando em PCs, smartphones e dispositivos de internet das coisas (IoT). Os especialistas da Avast preveem uma mudança nos vetores dos ataques para 2018, com ameaças às cadeias de fornecimento tornando-se mainstream e as vulnerabilidades da chave RSA sendo potencialmente exploradas para roubar dados e injetar cargas maliciosas em dados assinados.

Razões dos cibercriminosos vão oscilar

Conforme o relatório, além do uso crescente de fiteless, a Avast prevê que os cibercriminosos utilizarão o ransomware como uma arma regular e mais agressiva para empregar em malware de mineração de criptomoedas e nos ataques a serviços de blockchain à medida que o seu uso se espalha. A Avast estima ainda que as ameaças a malware de mineração e os golpes voltados às moedas digitais vão aumentar, com o crescimento da popularidade das criptomoedas.

Dispositivos móveis continuarão sendo atrativos para os cibercriminosos

Quando o assunto é a segurança dos dispositivos móveis, os downloaders, rooters e aplicativos falsos foram as maiores ameaças para os smartphones dos usuários em 2017. A Avast prevê que haverá um grande aumento de app fraudulento, bem como um crescimento de trojans bancários e ransomware em 2018.

Fonte: IDGNow!

Tendência: ciberataque focado na obtenção de resgate

hacker_attackHackers têm destruído mais dados corporativos ou criptografados em troca de resgate em vez de simplesmente destruí-los, disse uma grande empresa de cibersegurança.

A FireEye, mais conhecida pelas investigações conduzidas por sua unidade Mandian, disse em relatório sobre tendências ao longo do ano passado que o chamado sequestro de dados afligiu centenas de empresas, além de clientes.

Menos comumente, hackers têm usado ferramentas destrutivas como as que temporariamente inutilizaram redes da Sony e que também afetaram a Sands Las Vegas, disse a FireEye.

“Eu definitivamente não caracterizaria isso como comum, mas é algo que estamos vendo mais”, disse o vice-presidente da Mandiant, Marshall Heilman. “Há mais umas duas empresas vítimas que não foram a público”.

Heilman também disse que ataques chineses diminuíram como porcentagem dos casos em que a Mandiant está trabalhando, embora isso possa ser amplamente devido aos ataques da Rússia e outros locais estarem se tornando mais comuns.

EUA e China fecharam acordo de cooperação em 2015 para reduzir a ciberespionagem e empresas de segurança observaram queda, ou pelo menos transição, nas operações da China.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Reuters Brasil

Hábito de “Googlar” tende a diminuir

Os usuários da web aprenderam que – apesar do que o Google é do que ele faz – muitas vezes é mais fácil ir diretamente para um segmento curado da Internet para encontrar o que deseja

Por mais de uma década, o Google tornou-se sinônimo de busca. Apesar dos bem financiados esforços da Microsoft para conseguir que os usuários usassem o Bing, as pessoas ainda estão “googlando”. No entanto, há alguns sinais de que o domínio da empresa pode não se estender para a era móvel.

De acordo com reportagem do New York Times, as tradicionais buscas na web caíram 3% no segundo semestre do ano passado (depois de só crescer por anos), enquanto as pesquisas em mecanismos de busca vertical cresceram 8% durante o mesmo período.

Não é que as pessoas não estejam com fome de conteúdo, porque elas estão. Mas também estão começando a alterar seus hábitos de buscas através de curadoria de conteúdo (vão diretamente às fontes da informação).
Os usuários da web aprenderam que – apesar do que o Google é do que ele faz – muitas vezes é mais fácil ir diretamente para um segmento curado da Internet para encontrar o que deseja.

Usuários experientes sabem como procurar itens que querem comprar na Amazon, ir direto ao IMDB para obter informações sobre a atriz que estava naquele filme ou à Wikipedia para procurar informações sobre esse país distante mencionado no noticiário. O Google é um meio intermediário desnecessário e facilmente evitável entre você e uma fonte de informação confiável.

Essa mudança no comportamento de busca torna-se mais palpável na era móvel, centrada em aplicativos. Os usuários são muito mais propensos a procurar informações sobre o tempo, notícias ou informações de mapeamento diretamente em apps relevantes, em vez de “googlar” primeiro.

Por enquanto, o Google continua sendo o gatekeeper para o resto da Internet. No entanto, com o Facebook apresentando seu novo super-aplicativo, nós poderemos em breve dar uma olhada das batalhas futuras para a onipresença móvel.

Fonte: IDG Now!