O que fazer quando seu celular insiste em não funcionar

Imagine que você está na faculdade ou no trabalho e precisa fazer uma anotação ou simplesmente responder uma mensagem importante no celular. Bem neste momento, o aparelho resolve não funcionar; a tela não acende de jeito nenhum ou, se funciona, fica travada e não responde aos toques. Já aconteceu isso com você? Confira algumas dicas que podem te ajudar nestes momentos:

Não se desespere

Antes de tomar qualquer atitude, vamos ao básico: se a tela do celular não estiver acendendo, pegue o carregador mais próximo, conecte-o ao aparelho e aguarde um pouco para verificar se o celular está sendo carregado. Por mais boba que possa parecer, essa é uma dica que evita que você realize processos mais complexos caso o problema seja simplesmente uma bateria que não está segurando muito bem a carga.

Meu celular travou, e agora?

Os smartphones são dispositivos mais simples do que um computador, o que faz com que seja mais fácil de fazê-los voltar a funcionar no caso de um travamento inesperado. Antes de darmos as dicas, é importante ressaltar que não é garantido que essas técnicas irão resolver o problema aparelho – principalmente se ele tiver caído do bolso da mochila algumas vezes ou se tiver caído na piscina.

Com isso em mente, vamos lá. Caso o celular tenha travado e não volte de jeito nenhum, espere um pouco; 5 minutos devem bastar para você verificar se ele irá voltar a funcionar por conta própria.

Se mesmo assim ele continuar sem responder aos seus comandos, talvez seja o momento de forçar uma reinicialização utilizando os botões físicos do celular. No caso dos smartphones da Samsung, basta apertar e segurar o botão ligar/desligar e o botão de abaixar o volume. Se você utiliza algum aparelho da Motorola, segurar o botão de bloqueio deve fazer o smartphone ser reiniciado.

E se o celular continuar sem funcionar?

Você esperou e esperou, e nada do celular voltar. Depois, tentou reiniciar, e nem assim deu certo. Talvez seja o momento de forçar uma restauração de fábrica, para que o smartphone retorne às configurações que tinha quando foi comprado por você.

Com o celular desligado, pressione e segure o botão de abaixar o volume. Depois, aperte e segure o botão de ligar/desligar até que o robô do Android seja mostrado na tela. Então, é só usar os botões de volume para selecionar as opções na tela, entrando no modo de recuperação e, em seguida, na restauração de fábrica. Após o processo ser finalizado, o celular voltará às configurações iniciais.

Se nada disso resolver seu problema, talvez seja a hora de fazer uma visita a alguma assistência técnica de confiança.

Fonte: Tecmundo

Sequência de caracteres faz travar Chrome nos Macs

chrome_travamentoUma sequência específica de 13 caracteres está fazendo com que abas travem imediatamente no Chrome para OS X. Por isso, se você está usando um Mac, não clique no link a seguir!

Este link aponta para o aviso sobre o bug no Chromium, que detalha o problema. Descoberto pelo VentureBeat, o aviso descreve a falha em uma linguagem comicamente concisa. (Nós removemos os caracteres para esta página não causar problemas no Chrome.)

Quais medidas reproduzem o problema?

1. Qualquer página com (caracteres) irá travar a aba do Chrome em um Mac

2. Basta criar qualquer página fictícia com os caracteres Unicode, e a aba do Chrome para Mac vai travar na hora

Qual é o resultado esperado?

Espera-se que ele não trave

O que acontece em vez disso?

Ele trava

Esta falha não afeta o Safari nem o Firefox, que usam motores de renderização diferentes do Google (WebKit e Gecko, respectivamente, em vez do Blink). O Chrome para Windows também não é afetado, por se tratar de algum problema de renderização no OS X. O bug foi registrado em 1º de fevereiro e ainda não foi corrigido.

Quem não usa a fonte que contém esses caracteres vê apenas uma sequência de retângulos. O texto segue abaixo na forma de imagem, para não travar o navegador:

caracteresEstas são três palavras em siríaco, um dialeto do aramaico que deixou de ser usado após o século XIV – exceto por igrejas do cristianismo sírico, presentes na Índia e no Oriente Médio.

A primeira palavra (da esquerda para a direita) significa Efraim, uma figura bíblica; a segunda palavra indica direção (para/rumo a); e a terceira palavra é João, também uma figura bíblica. Os três termos aparecem (de forma separada) no Evangelho segundo João em aramaico.

O que você não deveria fazer com estes caracteres? Bem, não use no título de um post, nem no Twitter, nem no Facebook, nem nos comentários de um site. Nem mesmo tente enviá-los por e-mail para seus amigos com o assunto “importante: emergência”.
Isso seria maldade!

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fontes: Gizmodo e Venture Beat

Falha no WhatsApp faz aplicativo travar

whatsapp_issueAssim como acontece nos computadores, os smartphones não escapam de vírus, malwares e outras falhas de segurança que podem comprometer o funcionamento dos aparelhos. Com os aplicativos móveis a coisa não é diferente e, agora, o WhatsApp, um dos serviços de mensagens instantâneas mais usados no mundo, lista mais uma vulnerabilidade.

O bug foi descoberto pelos pesquisadores indianos Indrajeet Bhuyan e Saurav Kar, ambos com 17 anos. De acordo com o site The Hacker News, os jovens constataram que o erro consiste em uma sequência específica de 2 mil caracteres especiais que, ao ser enviada para o destinatário, faz com que o app a decodifique como uma ameaça e trave exibindo o aviso “O WhatsApp parou”.

Antes deste erro, um outro bug era capaz de travar a ferramenta, mas a mensagem precisava ter um tamanho maior do que 7 MB. Com base nessa falha mais antiga, os dois hackers indianos conseguiram reproduzir o mesmo efeito, só que num texto mais leve, com apenas 2 KB e escrito em idiomas que requerem o uso de caracteres especiais – como chinês ou árabe.

Por enquanto, a falha parece atingir apenas usuários que utilizam o mensageiro no sistema operacional Android, desde versões mais recentes, como a KitKat, até modelos mais antigos da plataforma móvel do Google.

No vídeo abaixo, Bhuyan e Kar explicam como funciona a falha:

Consertar a falha é simples. Primeiro, é preciso reiniciar o WhatsApp após a exibição do aviso de que o app parou. Em seguida, basta acessá-lo novamente e, sem abrir a conversa de quem enviou a mensagem, clicar em cima dela para apagá-la por inteira. Ao remover totalmente a conversa, o erro é removido do smartphone e o aplicativo volta a funcionar normalmente. Vale lembrar que o bug também pode atingir grupos dentro do app – neste caso, o procedimento para excluí-lo do dispositivo é exatamente o mesmo.

Embora a brecha não afete o desempenho do WhatsApp nos celulares, a questão levantada pelos pesquisadores está na facilidade com que alguém pode enviar a sequência maliciosa, obrigando o usuário a deletar todo o histórico da conversa com aquele contato ou em determinado grupo.

Estima-se que cerca de 500 milhões de pessoas estejam expostos ao erro. Até o fechamento desta notícia, o Facebook e o WhatsApp não se pronunciaram a respeito.

Fonte: Canaltech

Chrome travando e lento? Essa pode ser a causa…

gas-tecnologiaUm dos navegadores mais utilizados no mundo, está apresentando problemas, como lentidão constante e travamento, após instalação de módulo de segurança de bancos. Aprenda a resolver.

Recentemente vários usuários do Google Chrome, o navegador de internet mais popular do mundo, vêm relatando problemas de navegação como lentidão e travamento em alguns sites mais pesados. A culpa do problema não é nenhum bug ou vírus no seu computador. O culpado é um módulo de segurança que é instalado por alguns dos principais bancos do Brasil, como o Banco do Brasil, Caixa Econômica e Santander, ao acessar o serviço de Internet Banking. Estes bancos utilizam o mesmo módulo, ele é instalado com o nome de GBBD, este módulo é desenvolvido por uma empresa terceirizada, a GAS Tecnologia.

A versão mais recente deste módulo apresenta algo duvidoso. Ele é instalado automaticamente no seu navegador, no Chrome e também no Firefox, em forma de extensão. O problema é que o usuário não consegue escolher em qual navegador ele vai instalar o módulo, e também não consegue remove-lo normalmente, assim como se remove outras extensões.

Mas isso não é o verdadeiro problema. Este módulo atua como um software malicioso. O módulo coleta dados de todos os site acessados, isso torna a navegação extremamente lenta. A navegação fica tão lenta, que às vezes ocorre o travamento da guia onde navega o usuário. Agora fica a pergunta: como os bancos liberaram este módulo para o publico?

Módulo de segurança sendo instalado

BBResolvendo o problema

Como o módulo de segurança se instala como uma extensão, temos que remove-la. Para remover alguma extensão temos que ir em Configurações > Extensões  e clicar no ícone da lixeira na extensão que se deseja remover. Mas você verá que esta opção está desabilitada para a extensão GBBD.

Encontramos no Fórum de Produtos do Google um passo-a-passo para desinstalar os módulos de segurança do Banco do Brasil, Caixa Econômica e Santander. Há diferentes métodos para desinstalar o módulo, depende de qual banco vai ser desinstalado.

GBBD Banco do Brasil

1. Aperte as teclas +R
2. Na janela “Executar” que aparecerá, digite: %localappdata%

Exec_img3. Uma janela do Explorer abrirá, localize e exclua, pressionando Shift+Del, a pasta: GAS Tecnologia

excluir_pasta

4. Reinicie o Google Chrome

GBBD Caixa Econômica Federal

Método 1

    Aperte as teclas +R
Na janela “Executar” que aparecerá, digite: %localappdata%
Uma janela do Explorer abrirá, localize e exclua, pressionando Shift+Del, a pasta: GAS Tecnologia
Reinicie o Google Chrome e verifique se ainda tem problemas.

Método 2

    Acesse o Painel de Controle > Programas e Recursos
Aparecerá uma lista de programas instalados, nesta lista localize e desinstale o Módulo Adcional de Segurança Caixa
Reinicie o Google Chrome e verifique se ainda tem problemas.

GBBD Santander

Método 1

1. Aperte as teclas +R
2. Na janela “Executar” que aparecerá, digite: %appdata%
3. Uma janela do Explorer abrirá, localize e execute o arquivo: unins000.exe
4. Reinicie o Google Chrome e verifique se ainda tem problemas.

Método 2

1. Acesse o Painel de Controle > Programas e Recursos
2. Aparecerá uma lista de programas instalados, nesta lista localize e desinstale o Módulo Adicional de Segurança Caixa
3. Reinicie o Google Chrome e verifique se ainda tem problemas.

Aí vai uma dica preciosa para você continue acessando seu internet banking no conforto de sua casa. Após desinstalar o módulo de segurança, você terá que passar a fazer o acesso ao Internet Banking através do Internet Explorer, isso mesmo. Pois, se você acessar novamente o Internet Banking pelo Chrome ele vai pedir para instalar o módulo. Então a única saída, é usar o Internet Explorer, e torcer para queo problema seja solucionado em breve.

Agradeço ao Davi, Lucas e Vanderlei, amigos e colaboradores do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Oficina da Net