Encriptação não garante segurança na troca de dados em mensageiros

Um novo estudo realizado pela Brigham Young University (BYU) revela que, mesmo que eles adotem um sistema de encriptação ponta a ponta, programas como WhatsApp, Facebook Messenger e até Viber ainda possuem brechas de segurança que colocam seus usuários completamente em risco. Segundo a pesquisa, a falta de uma autenticação mais adequada com a realidade atual faz com que trocar informações sensíveis pelos mensageiros instantâneos seja como brincar de roleta-russa.

De acordo com a universidade norte-americana, boa parte dessa exposição dos aplicativos do segmento aos cibercriminosos se devem à ausência de um procedimento pelo qual um dos indivíduos identifique o outro como o destinatário real da sua mensagem. Esse protocolo social é chamado pelo time da BYU de “cerimônia de autenticação” e, supostamente, pode reduzir de forma considerável o vazamento de dados, as fraudes e outras tentativas de hacking originadas dos aplicativos de chat.

Para testar sua teoria, um dos responsáveis pelo estudo sugeriu e realizou um teste composto de duas fases distintas. Na primeira, os participantes eram estimulados, em duplas, a trocar o número do seu cartão de crédito através dos mensageiros, recebendo apenas alertas para que se certificassem que sua conversa era realmente confidencial. O resultado? Apenas 14% deles conseguiu se assegurar completamente de que seus envios estavam chegando à pessoa certa.

Muitos deixam a segurança de lado em nome de um bate-papo mais rápido

Na segunda fase, os indivíduos foram instruídos sobre a importância de realizar a cerimônia de autenticação antes de compartilhar dados. Desta vez, a taxa de sucesso ao se certificar da identidade do destinatário subiu para sonoros 79%. O problema é o tempo que esse pessoal levou para fazer as perguntas certas e seguir o protocolo à risca para completar a autenticação: uma média de 11 minutos. A demora, claro, frustrou muitos dos usuários e mostrou o motivo de muitas pessoas deixarem sua segurança de lado em nome de um bate-papo mais rápido.

Para resolver esse impasse, os pesquisadores estão colocando a mão na massa e trabalhando em um sistema que torna a tal cerimônia de autenticação mais rápida e, claro, automática. “Se pudermos fazer a cerimônia de autenticação nos bastidores do app e de forma automatizada ou quase sem esforço por parte do usuário, podemos corrigir esses problemas sem precisar educar as pessoas”, acredita Elham Vaziripour, o estudante que lidera a pesquisa.

Fonte: Tecmundo

Apps Android trocam dados pessoais sem o seu conhecimento

Aplicativos para smartphones e tablets Android podem conspirar contra você. Uma análise de mais de 100 mil apps populares na Google Play Store mostrou que eles podem trocar suas informações pessoais sem sua permissão.

Segundo pesquisadores da Universidade Virginia Tech, o Google analisa a segurança dos aplicativos de sua loja de maneira individual. Por isso, não pode notar quando uma brecha de segurança pode permitir o acesso indevido de dados liberados para outros apps.

Os aplicativos que fazem essa troca de informações são os que parecem mais inocentes, como aqueles para mudar o papel de parede do smartphone, liberar novos emojis ou mudar o toque do aparelho. No total, 23.495 pares de apps que colaboram maliciosamente foram encontrados.

“A má notícia é que encontramos apps que podem trocar informações indiscriminadamente. A boa notícia é que essa colaboração conspiratória ainda é muito pequena”, afirmou a pesquisadora Daphne Yao, da Virginia Tech.

Segundo os especialistas ouvidos pelo New Scientist, a descoberta é um passo importante no combate ao malware no Android, que agora é a principal plataforma de acesso à internet no mundo — deixando o Windows para trás.

Fonte: Exame