Erros que podem diminuir tempo de vida do seu smartphone

smartphoneNormalmente, a gente faz algumas coisas para proteger o smartphones de quedas, como colocar uma capinha de proteção. A gente também protege eles contra roubos, ativando o rastreamento ou opções de bloqueio, por exemplo.

Mas é comum cometermos erros que podem ser prejudiciais e a gente nem sabe! Mas eu vou te mostrar quais são alguns deles, olha só!

Deixar desatualizado

Não é bom deixar o sistema operacional do celular e os aplicativos desatualizados! As atualizações não servem só para trazer novidades e funcionalidades legais, mas também para trazer correções no sistema e novas formas de proteger o aparelho de vírus.
Além disso, elas também podem trazer melhorias no desempenho da bateria e da conexão Wi-Fi.

Não ter cuidado com temperaturas extremas

Temperaturas muito altas ou muito baixas podem prejudicar a bateria do aparelho. A dica é evitar que o celular chegue a uma temperatura abaixo de 0°C ou acima de 35°C, tá? Você pode controlar isso usando um aplicativo como o Cooler Master, que está disponível para Android, ou o iStat, que está disponível para iOS.

Usar o carregador errado

Às vezes a gente esquece o carregador do celular em casa ou acaba perdendo e, em uma hora de emergência, acaba comprando um que não é o original da marca, não é mesmo? Gente, por mais que seja uma solução fácil, ela não é a ideal.
Usar um carregador que não foi autorizado pela marca pode acabar esquentando demais o smartphone e causar até danos maiores, viu?

Usar redes de Wi-Fi públicas

As redes de Wi-Fi públicas de restaurantes, shoppings, lojas e bares são ótimas para economizar a franquia de internet móvel ou então conseguir conexão quando o sinal de 3G está meio ruim. Mas é bom evitar entrar no e-mail, sites de banco ou acessar documentos importantes, porque essas redes podem ser usadas por hackers para conseguir suas informações pessoais, viu?

Não limpar

Sempre que possível, passe um pano macio e que não solte fiapos no seu celular. A sujeira pode acabar se acumulando nas entradas do fone, carregador e até nos botões de áudio, e isso pode prejudicar o funcionamento do aparelho. Ah, também é legal colocar uma película para proteger a tela, OK.

Fonte: Olhar Digital

Em breve senhas poderão ser dispensadas

gerenciadores_senhasPrincipal organização de padronização da internet, a W3C formou um novo grupo com o objetivo de acabar de vez com a necessidade de utilizarmos senhas em quaisquer serviços online. Com o nome Web Authentication Working Group Charter (WAWGC), a equipe vai trabalhar para mudar a forma como fazemos login.

A ideia é encontrar uma maneira de permitir que os usuários sejam autenticados de uma forma segura, mas sem que eles tenham que usar senhas memorizadas ou anotadas em algum lugar. Para isso, eles pretendem encorajar a adoção de verificação em duas etapas e de chaves únicas para cada dispositivo.

Uma das maneiras por meio das quais o WAWGC pretende eliminar as senhas é a criação de uma API para navegadores que permita que os serviços usem um par de chaves de autenticação para provar quem você é com base no dispositivo que esteja utilizando para fazer seu login. Uma proposta submetida em 2015 por engenheiros da Google, Microsoft e PayPal, chamada FIDO 2.0, vai ser usada como a base para o novo padrão.

Meu celular, minha vida
De acordo com a ideia original, uma mensagem apareceria quando você tentasse acessar um site, solicitando que você utilize seu celular para se identificar. Feito isso, sua conta seria aberta de forma segura no seu computador. Caso você perca seu dispositivo, a credencial é prontamente desativada até que você possa refazer seu registro.

Se a proposta for levada adiante sem modificações, isso poderia resultar em alguns transtornos em situações em que seu dispositivo for esquecido em casa ou quando ficar sem bateria, mas ainda é muito cedo para dizer que outras medidas serão adotadas pelo time para evitar essas situações. Na chefia do grupo estão o chefe de segurança do Firefox, Richard Barnes, e um arquiteto associado da Microsoft, Anthony Nadalin.

O novo padrão deve ser submetido para aprovação em dezembro de 2016, mesmo que seja prontamente aprovado, ainda deve levar alguns anos até que seja levado para todos os navegadores. Ainda assim, é interessante ver como os responsáveis pela internet do mundo todo estão tentando aumentar a segurança de todos nós.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Tecmundo

A polêmica sobre a adoção da criptografia

criptografiaOs eventos terroristas que acontecerem no mundo recentemente levantaram novamente um debate a respeito da criptografia. Por um lado, há o governo solicitando que os dispositivos sejam menos protegidos por serviços codificados. Já do outro lado da moeda, as empresas de tecnologia defendem que seria muito perigoso se as pessoas utilizassem serviços sem qualquer tipo de criptografia para proteger suas informações.

A ironia da questão é que ambos os lados afirmam reivindicar a questão da segurança, tanto nacional como pessoal. Do ponto de vista do governo, há um senso comum. Ele precisa saber se alguém está planejando um ataque, ou, caso já tenha acontecido, ter acesso facilitado para provas e indícios que podem levar suspeitos aos tribunais. Para os governantes, a forte criptografia que as empresas estão implementando, a maioria desencadeada pelas denúncias de espionagem de Edward Snowden, tem prejudicado seus objetivos. Eles afirmam que a criptografia tem custado vidas.

A opinião das empresas de tecnologia é oposta ao dos governantes. Elas afirmam que, ao enfraquecer a criptografia, além do acesso fácil dado ao governo, diversos cibercriminosos iriam se aproveitar de várias brechas de segurança. É sabido que, se o governo tem uma chave especial para ter acesso a redes e dispositivos criptografados, será apenas uma questão de tempo para que criminosos também consigam o acesso. Este é o principal argumento utilizado pelo Conselho da Indústria de Tecnologia da Informação, que reúne diversas companhias como Twitter, Facebook, Google, Microsoft, Apple e Samsung.

“A criptografia é uma ferramenta de segurança que dependemos todos os dias para impedir os criminosos de acessar nossas contas bancárias, proteger nossos carros e aviões de serem tomados por hacks maliciosos e preservar nossa segurança. Enfraquecer a criptografia ou criar backdoors em dispositivos criptografados deixaria os usuários vulneráveis a bandidos, o que causaria sérios danos”, segundo informa um trecho da declaração do conselho das empresas.

Dito isto, alguns poderiam afirmar que a posição das entidades de tecnologia defendem seus serviços que, em muitos casos, precisam da privacidade para conseguir clientes. De qualquer forma, uma solução para essa questão não parece ser algo fácil de encontrar.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Canaltech

Dicas de segurança para manter seguro o smartphone para crianças

criancas_smartphoneAs crianças de hoje estão muito mais familiarizadas com smartphones e tablets, e não é incomum emprestarmos aos pequenos (e em alguns casos até darmos) nossos aparelhos para que eles brinquem e se distraiam com joguinhos ou apps divertidos. Contudo, ao cedermos esses dispositivos às crianças, também devemos ficar atentos a determinados aspectos de segurança – sempre é melhor prevenir.

Com somente alguns comandos eles podem acessar conteúdos inapropriados, enviar suas fotos para algum contato indesejado, comprar itens dentro de apps (que variam de dezenas até centenas de reais) e causar os mais variados tipos de confusão. Para termos noção, a Apple já teve que devolver mais de 30 milhões de dólares aos pais de filhos que gastaram em apps sem o consentimento deles.

Além disso, sempre há a triste possibilidade de as crianças conhecerem as pessoas erradas na web. Veja aqui algumas dicas simples que listamos que deixarão tanto o smartphone como o tablet mais seguro para os pequenos:

1 – Compras dentro de aplicativos

A primeira configuração que você deve realizar no smartphone ou no tablet ao dá-lo a uma criança (independente do sistema operacional do aparelho), é bloquear as compras feitas pelo dispositivo. Acione o Controle Parental e trave as compras dentro de aplicativos de modo automático, assim elas sempre exigirão senhas para que as transações sejam realizadas.

2 – Veja quais apps são baixados

É bom sempre ficar de olho e conferir quais apps são baixados no dispositivo, algo que pode ser feito pelo próprio computador ao acessar a conta utilizada no aparelho. Por exemplo, não é interessante deixar apps de relacionamento, como o Tinder, instalados em um smartphone que é compartilhado com crianças.

O Snapchat é outro app que também deve ser monitorado com cuidado, já que muitos pré-adolescentes o utilizam para enviar fotos íntimas, já que depois de alguns segundos elas são automaticamente deletadas – porém quem as vê sempre pode tirar um printscreen e ficar com o arquivo permanentemente (e depois até divulgá-lo se quiser).

3 – Cuidado extra com apps de anonimato

Aplicativos como Whisper, Yik Yak e Secret permitem que as pessoas escrevam de modo anônimo, compartilhando sentimentos e pensamentos. Nesse caso, é possível que informações importantes sejam reveladas sem querer, o que é algo bastante indesejado – além da possibilidade de os pequenos entrarem em contato com pessoas com segundas intenções.

4 – Segurança do smartphone

Não é algo incomum ter um smartphone roubado ou perdido. Como esses dispositivos carregam informações importantes, é preciso se atentar ao grau de segurança dos dados salvos neles. É sempre interessante colocar senhas no aparelho, instalar aplicativos como o Find My iPhone para localizar o dispositivo e utilizar apps como o iCloud ou Android Device Manager para poder apagar aplicativos se for necessário.

Outro ponto importante é sempre selecionar a localização do smartphone ou do tablet como privada – alguns apps exigem que você compartilhe permanentemente onde está (o que não é algo interessante para usuários infantis). Caso deseje, você pode configurar que somente você visualize a localização da criança ou adolescente.

5 – Conversar com as crianças

Pode parecer bobo, mas esse é um dos passos essenciais: conversar com os pequenos sobre os perigos e riscos que existem no mundo online, que pode ser acessado através desses dispositivos. Explique para eles o que é considerado apropriado compartilhar (e com que quem), e principalmente as consequências do compartilhamento irresponsável.

A cada cinco adolescentes nos Estados Unidos, pelo menos um já enviou imagens de partes íntimas para outros através de apps. Portanto, o diálogo (aliado ao constante monitoramento quando necessário) é o melhor que você pode fazer para evitar qualquer tipo de situação constrangedora – e quanto mais cedo eles aprenderem sobre os benefícios e malefícios da internet, melhor. Se você possui mais algumas dicas para deixar os smartphones e tablets seguros às crianças, compartilhe com a gente nos comentários.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa matéria.

Fonte: Tecmundo

Extensão que diminui o uso de memória pelo Chrome

extensaoCorrespondendo a exatos 49.65% dos acessos à internet atualmente. Se formos analisar apenas os dados referentes ao Brasil esse número sobe para 65,36%. Não poderia ser diferente, afinal ele foi criado, desenvolvido e é mantido pelo oráculo da internet, o próprio Google.

Porém, nem tudo é alegria com o navegador. Responda rápido: Qual o principal problema do browser? Aposto todo o dinheiro que não tenho que você respondeu “consumo de memória”, certo?

O Chrome é famoso por ser o pesadelo dos computadores com pouca memória – e dos com bastante também – já que seu consumo é um problema sério.  O problema já até virou mene.

Por causa disso diversos tutoriais, medidas, soluções paliativas e gambiarras foram tentadas, mas todas sem muito sucesso. Existe porém algo que em certa medida minimiza esse problema.

O recurso trata-se da extensão “The great Suspender” e é muito fácil de ser usada. Faça assim: acesse a Play Store e instale o complemento que é bem leve, cerca de 300kb.

O que essa ferramenta faz é pausar as abas que você não usou durante um certo tempo, por exemplo, 2 minutos. Assim, a memória que estava nessa aba será devolvida ao sistema, evitando o problema de travamento do navegador.

Por padrão o Great Suspender vai suspender abas após 1 hora de inatividade, mas pode-se mudar para intervalos menores, como 20 segundos, além de várias outras opções. Existe também uma a whitelist, ou seja, aquela que relaciona as abas cuja memória nunca serão suspensas.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Oficina da Net

Windows XP continua vivo

windowsXP_end-of-lifeHoje dia 08 de abril, completa um ano que a Microsoft encerrou o suporte ao Windows XP, mas os usuários não parecem decididos a deixar o sistema operacional.

O XP segue sendo a segunda versão mais ativa do Windows, com 16,94% de participação geral no mercado de computadores. A primeira é a 7, que está em 58,04%, de acordo com a NetMarketShare.

Combinadas, as duas versões mais recentes do sistema somam apenas 14,07% de participação, pois Windows 8 tem 3,52% e o 8.1, 10,55%. Até o Vista ainda está em uso, presente em 1,97% das máquinas.

Há um ano, o XP contava com 27,5% do mercado. No Brasil, esse percentual batia os 11%, o equivalente a 12 milhões de computadores. Como a Microsoft não revelou dados oficiais depois não é possível saber se o XP caiu ou não de usuários no país.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Convergência Digital

No Brasil: metade das empresas ainda não largou o Windows XP

Windows XPUma pesquisa realizada pela empresa norte-americana Tech Pro Research aponta que pelo menos 89% das empresas dos Estados Unidos ainda utilizam computadores com o sistema operacional Windows XP, mesmo após a Microsoft ter encerrado suporte ao sistema em abril deste ano.

O índice é semelhante ao que acontece aqui no Brasil, segundo estimativas da MR Consultoria, companhia especializada em outsourcing e consultoria em tecnologia da informação. Segundo Sérgio Santiago, chefe de operações da empresa, o fim do suporte ao Windows XP expõe essas máquinas a diferentes tipos de malwares e ataques.

“Estamos atendendo muitas empresas que precisam migrar centenas ou milhares de computadores que usam o Windows XP para novas plataformas como Windows 7 e 8. O problema é que essa migração não é simples, pois exige fazer o back-up de dados do computador antes do upgrade de sistema operacional”, explica Santiago.

Para o COO da MR Consultoria, pelo menos 37% das corporações americanas decidiram não fazer nada por enquanto – ou seja, optaram por continuar com o Windows XP mesmo sabendo que a plataforma não receberá mais atualizações de segurança. No Brasil, esse índice pode chegar a 50% das empresas locais.

Segundo a pesquisa, entre as 89% companhias dos EUA que usam Windows XP, 37% planejam atualizar para Windows 7, 11% vão migrar para Linux, 5% vão diretamente para o Windows 8 e apenas 1% estuda mudar para o sistema da Apple, o Mac OS X. Nas empresas brasileiras, Santiago acredita os números serão diferentes, uma vez que migrações para Linux ou OS X não devem ter muitos adeptos por aqui.

“Como o sistema era muito estável, vimos muitas empresas criando soluções de gestão integradas ao Windows XP, o que gera um problema enorme para a migração. Por exemplo: há entidades do segmento financeiro que têm toda a sua rede de caixas automáticos, com mais de 50 mil equipamentos, utilizando Windows XP, o que cria um enorme problema para a migração rumo ao Windows 7 ou outra solução, uma vez que esses caixas automáticos conversam diretamente com o computador central do banco”, diz.

Ainda de acordo com informações do relatório, a mesma desculpa utilizada pelos dirigentes das empresas norte-americanas que decidiram ficar no Windows XP também é utilizada aqui no Brasil. “Eles dizem: ‘Se está funcionando, por que vou mudar?’ Esse mesmo tipo de mentalidade é aquela que só vai se mexer quando o ataque de um vírus comprometer várias máquinas na empresa ligadas ao atendimento a clientes ou a operações financeiras, o que pode significar uma perda incomensurável para uma empresa de pequeno ou médio porte. Por isso estamos orientando nossos clientes em todo o Brasil a agirem antes que sejam vítimas de um problema como esse”, conclui Santiago.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Canaltech