Mozilla irá alertar usuário sobre vazamento de seus dados

Parceria entre Mozilla e base de dados “Have I Been Pwned” leva funcionalidade para todas versões futuras do navegador.

A Mozilla anunciou nos últimos dias que está incorporarando um recurso de segurança baseado na base de dados “Have I Been Pwned” em versões futuras do seu navegador Firefox.

Para quem não sabe, o serviço HIBP, de Troy Hunt, permite que os usuários insiram os seus e-mails para saber se seus dados já foram vazados na Internet.

A parceria entre a Mozilla e o “Have I Been Pwned” permitirá que os usuários do navegador digitem seu endereço de e-mail em uma nova ferramenta chamada Firefox Monitor para saber se já foram vítimas de vazamentos on-line.

A funcionalidade do Firefox informará aos internautas em qual(is) vazamento(s) seus dados foram comprometidos, além de fornecer recomendações de segurança.

“Estou realmente feliz em ver o Firefox se integrando com o HIBP desta maneira, não apenas para chegar ao maior número de pessoas, mas porque tenho muito respeito pelas contribuições deles para a comunidade de tecnologia”, afirmou o criador do “Have I Been Pwned”, Troy Hunt, em um post sobre a parceria.

Disponibilidade

Segundo a Mozilla, a funcionalidade começará a ser disponibilizada por meio de convites a partir de agora. A expectativa da empresa é convidar cerca de 250 mil usuários (principalmente nos EUA) neste primeiro momento.

Opinião do seumicroseguro: já verifiquei a presença desse novo recurso na versão mais recente do Mozilla Firefox 61.

Fonte: IDGNow!

Uber avisa usuários sobre vazamento de dados

Usuários do Uber no Brasil que tiveram seus dados vazados em uma brecha de segurança ocorrida em 2016 estão começando a receber e-mails que avisam se foram vítimas e tiveram suas informações expostas. De acordo com UOL Tecnologia, que teve acesso aos e-mails, a mensagem de aviso às vítimas faz parte de um acordo do Uber com a Comissão de Proteção dos Dados Pessoais do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). No Brasil há lei que obrigue empresas a avisar usuários em caso de violação de dados, como ocorre nos Estados Unidos. Mas a Uber diz colaborar com as investigações.

No comunicado enviado a usuários, a companhia que oferece corridas em carros de aluguel pede desculpas e afirma que dados como nome, e-mail e telefone celular foram comprometidos. A empresa ainda alega, porém, que não foi identificada nenhuma fraude ou isso indevido dessas informações relacionado ao incidente, “especialistas externos não identificaram nenhum indício de download de históricos de locais de viagens, números de cartões de crédito e contas bancárias ou datas de nascimento”, completa a companhia.

Uber escondeu o vazamento

A falha foi global, e expôs dados de 57 milhões de pessoas, entre usuários e motoristas do Uber. No Brasil, foram afetados 196 mil. A companhia teria pago um valor de US$ 100 mil (cerca de R$ 330 mil) para que os hackers que executaram o ataque não fizessem uso nem divulgação desses dados, como um resgate e escondeu a informação. O roubo de dados foi ocultado pelo próprio Uber por mais de um ano até vir à tona em novembro do ano passado.

Fonte: IDGNow!

Visa e Mastercard relatam vazamento de dados de clientes

As operadoras de cartões de crédito Visa e Mastercard informaram na sexta-feira (30/03) que dados de seus clientes podem estar em mãos desconhecidas.

A brecha na segurança ocorreu após invasão a dados de uma empresa responsável por processar pagamentos nos Estados Unidos, a Global Payments of Atlanta, informou o jornal britânico Financial Times.

Segundo Brian Krebs, especialista em segurança digital, cerca de 900 contas registraram operações suspeitas desde o ataque. A estimativa é de que cerca de 60.000 cartões estejam comprometidos. O ataque expõe sobretudo cartões de cidadãos americanos, mas não está descartada a possibilidade de vazamento de dados de pessoas que fizeram compras no país.

A Global Payments, considerada a sétima maior processadora de pagamentos eletrônicos nos EUA,  afirmou que a falha de segurança foi detectada no começo de março, quando avisou as autoridades sobre o problema.

“Identificamos acesso ilegal a uma porção de nosso sistema e estamos investigando. Notificamos todas as partes para que providências possam ser tomadas”, afirmou a companhia em nota.  Após o anúncio, as ações da empresa caíram 9,1% chegando ao valor de 47,50 dólares.

As informações adquiridas podem ser utilizadas em fraudes bancárias. Em comunicado à imprensa americana, a Visa afirmou que dados de outras operadoras menores também podem estar comprometidos. As bandeiras American Express e Discover informaram que estão verificando se houve movimentações suspeitas recentemente.

No ano passado, um ataque ao Citigroup, que expôs dados de cartões de centenas de clientes, fez crescer o debate à respeito da segurança digital.

A reportagem não conseguiu, na noite de sexta-feira, contato com as bandeiras no Brasil.

É importante estarmos sempre atentos aos extratos bancários e faturas de cartões de crédito para se precaver de surpresas desagradáveis.

Agradeço ao Davi, nosso amigo e colaborador deste site, pela referência a esta notícia.

Um ótimo Domingo a todos!

Fonte: Info