Windows 10: mais problemas depois do último update

win10_wallpaperOs problemas com a mais recente atualização do Windows 10 não param. Depois de problemas com o update que apagava arquivos dos usuários, agora, a atualização de outubro da plataforma tem causado outro incômodo: o brilho da tela é reduzido toda vez que a máquina é reiniciada.

Relatos no Reddit e no fórum da Microsoft dão conta que o problema apareceu na versão 1809 do Windows 10 October 2018 Update e reduzia brilho do display em até 25% sem qualquer ação manual do usuário. Em alguns casos, como com usuários do Surface Go, o sistema de controle do brilho simplesmente não funcionava mais, como relata o site Windows Latest.

Após reclamações, a Microsoft agiu para solucionar o problema e já disponibilizou uma correção para participantes do programa Insider (Windows 10 19H1 Build 18262), que, em breve, chegará a todos os usuários do sistema operacional.

Opinião do seu micro seguro: pra quem já se cansou dos bugs do Windows, minha dica é partir para o mundo Linux. Tem muitas distros fáceis de usar e com uma ótima variedade de softwares para uso no dia a dia. Além disso, no universo Linux vírus são uma verdadeira raridade. Estou no ambiente Linux há mais de 1 ano e por enquanto é só alegria!

Fonte: Tecmundo

Microsoft bloqueia atualização do W10 em PCs com Avast

No mês passado, a Microsoft lançou uma atualização do Windows 10, mas não são todos que estão recebendo as mudanças.
Conforme relata o MSPowerUser, a empresa está bloqueando a instalação da atualização em computadores com o antivírus da Avast.

Aparentemente, os sistemas estão apresentando incompatibilidade, o que causa travamento. Ambas as companhias afirmaram que já estão trabalhando em parceria para tentar resolver problema antes de voltar a disponibilizar a atualização.

As soluções temporárias são desinstalar o Avast e instalá-lo novamente assim que o computador for atualizado, usar um outro antivírus ou esperar a Microsoft liberar uma correção. Recentemente, o Windows 10 April 2018 update também apresentou incompatibilidade com modelos de SSDs da Intel e da Toshiba.

Agradecemos ao Igor e Celso, colaboradores amigos do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Olhar Digital

Correção do Windows 10 gerando problemas

De acordo com uma publicação recente nos fóruns de suporte do Windows, uma série de computadores que receberam o pacote KB4103721 — que deveria consertar problemas causados pela grande atualização do Windows 10 que chegou no final de abril deste ano — não conseguem mais iniciar o Windows 10.

Ao que parece, a atualização que deveria corrigir alguns problemas acabou provocando outros ainda mais sérios. De acordo com o usuário que reportou a falha inicialmente, alguns arquivos do sistema foram corrompidos nessa nova atualização, o que acarretou no comprometimento da sequência de inicialização do SO.

Até o momento, a Microsoft ainda não reconheceu o problema, tampouco disponibilizou uma solução oficial para a falha. Ainda assim, os próprios usuários encontraram duas formas de reverter a situação. Uma delas é simplesmente reinstalar o Windows 10 a partir de sua versão mais recente ou entrar no modo de segurança do sistema a partir de um pendrive bootável do Windows.

Fonte: Tecmundo

Atualização de Abril do Windows 10 causa travamentos no Chrome

Depois de uma enxurrada de reclamações em tópicos do Reddit e em fóruns de suporte do Windows, a Microsoft reconheceu na última quarta-feira (02) que a grande atualização de abril de 2018 do Windows 10 de fato é “incompatível” com o Google Chrome, o navegador web mais utilizado no mundo.

Depois de fazer a instalação da atualização que foi liberada nesta semana, vários usuários reportaram que não conseguem usar o navegador da Google, pois ele trava e congela a tela inesperadamente com certa frequência. A única forma de voltar a usar o computador depois desses travamentos seria reiniciando a máquina ou utilizar uma das recomendações da própria Microsoft.

Em um computador com teclado físico, a Microsoft explica que é possível destravar o sistema fazendo a seguinte combinação: Windows+Ctrl+Shift+B. Quem estiver usando um tablet pode solucionar o problema apertando os dois botões de volume laterais juntos três vezes seguidas em um espaço de dois segundos. É possível também apenas fechar a tampa do notebook e abri-la novamente alguns segundos depois.

Como esse bug passou pelos Insiders?

Esse mesmo problema de travamento de apps no Windows 10 com a grande atualização de abril de 2018 (versão 1803) também pode acontecer com a própria Cortana, o que nos leva a pensar como duas aplicações populares como essas não foram devidamente testadas nas versões preliminares da atualização.

Microsoft prometeu consertar o problema com uma atualização que será liberada na próxima terça-feira, dia 08 de maio

Afinal, a Microsoft tem um programa de testadores com mais de 10 milhões de pessoas conferindo as novas versões do Windows antes de elas chegarem ao consumidor final. Dessa maneira, podemos imaginar que o bug foi causado por alguma coisa nova que a empresa fez no SO, depois de ter recebido todo o feedback dos Insiders.

Seja como for, a Microsoft prometeu consertar o problema com uma atualização que será liberada na próxima terça-feira, dia 08 de maio. Até lá, quem já atualizou o sistema terá que decorar a sequência de teclas para o destravamento ou deixar o Chrome de lado por alguns dias.

Fonte: Tecmundo

Windows 10 cresce e está cada vez mais próximo de superar Windows 7

Caso tendência do último ano seja mantida, PCs Windows 10 devem superar o sistema antigo já no próximo mês de agosto. macOS, da Apple, alcança marca de 10%.

O Windows 10 ganhou mais usuários em janeiro de 2018 do que em qualquer outro mês desde o meio de 2016, segundo a empresa de análises Net Applications revelou na última semana.

Dados publicados pela companhia em 1º de fevereiro mostram que o Windows 10 acumulou 1,4% de participação no mercado em janeiro, fechando o primeiro mês do ano com 34,3% de presença nos PCs do mundo – e 39,1% de participação em todos os sistemas rodando Windows. (O segundo número é maior porque o Windows respondeu por 88,8% de todos os sistemas em janeiro, não 100%.)

Esse foi o maior crescimento do Windows 10 desde agosto de 2016, se deixarmos de lado a queda de 2,7% de novembro do ano passado. Esse declínio foi parte de uma renovação dos dados pela Net Applications, com a intenção de se livrar do tráfego falso com origem em bots criminosos, e que não representava uma prova de uma corrida pelo Windows 10.

Enquanto isso, o Windows 7, ainda o principal sistema usado nas empresas, perdeu 0,7% em janeiro, caindo para uma participação de 42,4% de todos os PCs – e 48,3% nos sistemas rodando Windows.

Esses movimentos são de extrema importância para a Microsoft, uma vez que a empresa planeja encerrar o suporte para o Windows 7 em janeiro de 2020. Durante os próximos dois anos, a companhia de Redmond vai fazer o máximo para que os usuários migrem do antigo Windows 7 para o Windows 10.

Tendências

Ao levantar as médias de quedas e crescimentos do Windows 7 e 10 nos últimos 12 meses, a Computerworld dos EUA revisou a sua previsão anual para as plataformas. Desta forma, a expectativa é que o número de PCs com Windows 10 supere o número de máquinas Windows 7 já em agosto, um mês antes da previsão anterior. Segundo as tendências do último ano, a participação do Windows 10 em agosto deverá alcançar os 41,3%, enquanto que o Windows 7 vai cair para 41,2%.

Ainda seguindo essa projeção linear, o Windows 7 deverá contar com nada menos do que 32% dos usuários de PCs em janeiro de 2020, quando a Microsoft deverá encerrar o suporte para o sistema – o Windows 10 teria 59% de participação então.

No entanto, é improvável que os ritmo reais de expansão do Windows 10 e de queda do Windows 7 sigam esse modelo por tanto tempo: os sistemas não são adotados ou descartados de um modo tão simples. Em vez disso, as taxas de migração costumam acelerar à medida que se aproxima o fim do ciclo de um sistema antigo.

Mesmo assim, os dados da Net Applications ilustram o problema representado por essa “teimosia” do Windows 7. Caso a previsão da empresa esteja pelo menos um pouco próxima do real, isso significa que milhões de máquinas ainda estarão rodando o Windows 7 em janeiro de 2020, quando a Microsoft vai liberar o último update de segurança para o sistema, deixando assim muitos e muitos usuários vulneráveis a possíveis novos exploits criados por hackers que nunca serão corrigidos pela companhia.

Apple sobe

Além desses números todos sobre o Windows, os dados de janeiro da Net Applications também mostram que o macOS, da Apple, cresceu 0,9% em janeiro, um aumento que a empresa de Cupertino não registava desde abril de 2016. Esse impulso colocou a plataforma da Apple para computadores na casa dos 10% de participação de mercado.

Fonte: IDGNow!

Reconhecimento de rosto pelo Windows 10 pode ser burlado com foto

Pesquisadores da empresa de segurança alemã SYSS encontraram uma forma de enganar o sistema de reconhecimento facial do Windows Hello. Esse é o serviço que permite a você desbloquear o acesso a um usuário do Windows 10 apenas se posicionando na frente da webcam.

Em alguns vídeos divulgados, é possível ver a técnica funcionando sem falhas e com desbloqueio imediato da tela. A SYSS fez os testes em um PC Dell Latitude com uma webcam USB instalada e em um Microsoft Surface Pro 4 e em ambos foi bem sucedida.

O primeiro passo é obter uma foto em infra-vermelho de baixa resolução do rosto do usuário, já que a identificação do Windows Hello usa a mesma tecnologia (ela é melhor pois funciona em baixa luminosidade e é mais segura). Em seguida, é só posicioná-la de frente para a câmera. Em alguns casos, é preciso colocar fita adesiva na lente da câmera RGB.

As versões afetadas são a 1607 (Anniversary Update) e anteriores. Porém, é possível aplicar a mesma estratégia até mesmo em atualizações como a Creators Update caso você não tenha refeito a configuração do Windows Hello nem tenha uma máquina mais moderna com a opção ativada de anti-fraude. No caso dos testes, o modelo da Dell não continha essa função.

Porém, você não precisa exatamente entrar em pãnico. O experimento da SYSS foi feito a partir de uma série de condições controladas — e não é muito difícil de se manter seguro nesse caso. A principal dica é manter o Windows 10 sempre atualizado, já que a última versão afetada já tem algum tempo. Porém, o fato de que o esquema de segurança pode ser burlado (assim como aparentemente aconteceu com os sistemas do Galaxy S8 e do iPhone X) deve continuar sendo testado e divulgado.

Fonte: Tecmundo

Como remover o OneDrive do seu Windows 10

O OneDrive acompanha todas as instalações do Windows 10 e oferece espaço na nuvem para os usuários. Mas nem todo mundo pode querer usar – seja por já ter algum outro serviço na nuvem de confiança ou por qualquer outro motivo – então como fazer para removê-lo do Windows?

Abaixo segue um tutorial para desinstalação do OneDrive do Windows 10 e também como fazer para excluir a pasta dele que aparece no Explorador de Arquivos.

 

1. Desinstale o OneDrive

No Windows 10 com a atualização Creators Update, remover o OneDrive é bem simples: é como remover qualquer outro software do seu computador.

Nas Configurações do Windows, entre em “Apps” e, em “Aplicativos e recursos”, busque pelo OneDrive. É só clicar em “Desinstalar” e esperar para que ele seja removido da sua máquina.

Esse é apenas o primeiro passo: a desinstalação do OneDrive não remove a pasta dele da barra lateral do Explorador de Arquivos. Essa parte é um pouco mais complicada.

2. Remova o OneDrive do Explorador de Arquivos

A partir de agora vai ser preciso mexer nos registros do Windows 10. É recomendável fazer um backup dos seus arquivos para não correr risco de perder tudo caso algo saia errado.

No Windows 10, busque por “regedit” para abrir o Editor de Registros. Lá dentro, na barra lateral, procure por “HKEY_CLASSES_ROOT\CLSID\{018D5C66-4533-4307-9B53-224DE2ED1FE6}” (sem aspas). Você também pode digitar isso na barra de endereços do Editor de Registros.

Clique em System.IsPinnedToNameSpaceTree na parte da direita, coloque o valor “0” e clique em “OK”.

Se a sua versão do Windows 10 for de 32 bits, é só isso o que você precisa fazer. Mas se for a versão de 64 bits, você vai precisar mexer mais um pouco nos registros.

3. Desativando no Windows 10 de 64 bits

Ainda no Editor de Registros, procure por “HKEY_CLASSES_ROOT\Wow6432Node\CLSID\{018D5C66-4533-4307-9B53-224DE2ED1FE6}” (ou coloque isso na barra de endereços). Clique novamente em System.IsPinnedToNameSpaceTree, mude o valor para “0” e clique em “OK”.

E pronto! Agora a pasta do OneDrive não deve mais aparecer na sua barra lateral do Explorador de Arquivos, e o OneDrive não está mais instalado na sua máquina.

Fonte: Olhar Digital