Windows Phone: menos de 1% do mercado. Será o fim?

windows_phoneSem novos aparelhos Lumia, plataforma da Microsoft despencou no último ano. Android ampliou liderança no setor, enquanto Apple viu iPhone perder espaço.

O Windows Phone parece cada vez mais uma carta fora do baralho no mercado de smartphones. Isso porque o sistema mobile da Microsoft para celulares inteligentes viu sua participação no mercado cair para menos de 1% no último trimestre, segundo a Gartner.

De acordo com dados recentes da consultoria, foram vendidos apenas 2,4 milhões de de smartphones com Windows Phone no primeiro trimestre de 2016, ou 0,7% do mercado total – uma queda impressionante de 73% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram comercializados 8,6 milhões de dispositivos com a plataforma.

A principal razão para essa significativa é a falta de novos aparelhos Lumia. Além disso, a empresa de Redmond revelou recentemente que vendeu a sua divisão dos celulares básicos (feature phones) para uma subsidiária da Foxconn por cerca de 350 milhões de dólares.

Vendas sobem

Enquanto isso, as vendas gerais de smartphones cresceram quase 4% pelo mundo nos três primeiros meses de 2016.

O Android ampliou seu domínio no segmento com um total de 293,7 milhões de smartphones vendidos no período, o que lhe deixou com 84,1% de participação no mercado contra 78,8% no mesmo trimestre do ano passado. Já o iOS, da Apple, viu suas vendas e participação no setor caírem de 60,1 milhões de unidades e 17,9% para 51,6 milhões de unidades e 14,8%, respectivamente.

A Samsung continua na ponta entre as fabricantes, com 81,1 milhões de unidades vendidas e 23,2% do mercado, seguida pela Apple com os mesmos números citados acima. Três fabricantes chinesas completam o Top 5: Huawei (8,3%), Oppo (4,6%) e Xiaomi (4,3%).

Fonte: IDG Now!

Microsoft e Google: parceiros através do Android, será?

windows_phoneUm rumor, no mínimo estranho, pode ser capaz de mudar o panorama do mercado mobile caso se torne realidade. De acordo com os boatos surgidos nesta terça-feira (30), a Microsoft estaria se preparando para abandonar o Windows Phone e apostar no Android para o futuro de seu ecossistema de smartphones.

A alteração, se verdadeira, não seria feita de forma imediata, já que, no momento, a empresa se encontra nos passos finais dos trabalhos para o lançamento do Windows 10, a nova versão de seu sistema operacional que deve integrar computadores, tablets e celulares sob uma única solução. Além disso, a companhia já falou ter dois novos aparelhos com lançamento marcado para esse ano, ambos com sua plataforma proprietária.

Por outro lado, ao mesmo tempo em que mostra esse tipo de apoio ao portfólio corrente, a Microsoft passa por um momento de mudanças. O CEO da empresa, Satya Nadella, já disse que mudanças “difíceis” já tiveram que ser feitas pela companhia, com a demissão de funcionários, o fechamento de setores que não vinham apresentando a performance desejada e, acima de tudo, a admissão de que certas coisas não estão funcionando dentro da empresa.

Podem ser considerados exemplos dessas mudanças, por exemplo, o fim dos trabalhos em sua divisão de anúncios web, o fechamento de seus estúdios de produção de conteúdo original para o Xbox e, na notícia desta terça, a venda de parte da divisão de mapas do Bing para o Uber. Os rumores, então, colocariam também o “fim” do Windows Phone nesse mesmo barco.

Não ajuda, por exemplo, o fato de a base instalada do Windows Phone estar estagnada. Mesmo estando no terceiro lugar do mercado de smartphones, a Microsoft está a uma distância de perder de vista do iOS e do Android. A expectativa é que o Windows 10 ajude a cobrir um pouco dessa distância, mas parece improvável que, em algum momento, o combate pela liderança do setor tenha um terceiro lutador.

Dá para especular, por exemplo, que a fabricante poderia apostar em uma estratégia semelhante à da Nokia, no ano passado, com o lançamento da linha X de smartphones. A empresa finlandesa, parceria de longa data da Microsoft, trouxe uma série de aparelhos com um Android muito parecido com o Windows Phone em termos de interface, com integração a serviços como o OneDrive e acesso a uma loja de aplicativos própria. A ideia, de baixo custo, seria atrair usuários que não querem gastar muito, mas que, no futuro, poderiam aderir aos aparelhos mais avançados da marca.

A Microsoft não comentou sobre os rumores nem fez nenhum anúncio relacionado ao uso do Android, o que marcaria, inclusive, uma união com o Google, um de seus principais rivais. Parece pouco provável, mas como dá para perceber, a empresa passa por mudanças, então, nunca se sabe.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Canaltech

Internet Explorer do Windows Phone apresenta falha de segurança

IE_Win_mobileOs navegadores sempre foram objeto preferido de escolha para a exploração de falhas e de bugs por parte dos chamados hackers.

É frequente o surgimento de novos problemas e novas falhas de segurança, com diferentes graus de severidade e de impacto, sempre afetando os usuários.
O mais recente surgiu agora no Internet Explorer do Windows Phone e, apesar de ser difícil de explorar, pode dar acesso a muita informação sensível do seu usuário.

A falha aparentemente está presente nas versões móveis do Internet Explorer já há bastante tempo e sempre esteve disponível para ser explorada.

É uma falha simples de ser explorada, mas necessita que o atacante tenha acesso físico ao equipamento, o que lhe permitirá fácil acesso às senhas que estiverem armazenadas no browser.

Esta situação foi apontada por um usuário do Reddit, que numa “inocente” questão colocada fez ver que é extremamente fácil acessar a uma senha guardada nesta versão do IE.

Em termos práticos é simples a qualquer um obter acesso a uma página, onde esteja presente uma senha memorizada e selecioná-la para depois realizar uma simples pesquisa, recorrendo ao botão presente para esse fim.

Ao usar essa pesquisa o IE e o Bing, ou a Cortana, vão pesquisar a password que estiver guardada, mostrando-a ao usuário e dando assim acesso a um elemento que deveria estar protegido.
O IE não permite que sejam realizadas cópias de senhas dos campos presentes nas páginas, mas com este simples truque passa a ser possível ter acesso às passwords, de forma ainda mais simples.

Esta falha foi de imediatamento reportada à Microsoft que respondeu que ao ser necessário um acesso físico ao equipamento deixa de ser uma falha de segurança e que a mesma não será corrigida.
É curioso notar que vários usuários testaram esta quebra de segurança no Windows 10 para dispositivos móveis e a mesma não está presente.

Mesmo não sendo uma falha grave e que requeira condições muito especiais para ser explorada, não deixa de representar um problema de segurança.
Muitos vão argumentar que ao ter o dispositivo acessível o atacante pode simplesmente entrar no serviço e alterar a password a seu gosto, mas é importante lembrar que em muitas das vezes emprestamos os nossos smartphones por momentos para realização de algumas ações simples, possibilitando dessa forma serem obtidas as senhas previamente gravadas.

Agradecemos ao Davi, colaborador amigo do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: pplware

Windows Phone resiste à teste de segurança

windows_phoneA HP promoveu nos dias 11 e 12 de novembro em Tóquio, Japão, uma nova edição da competição Pwn2Own com foco em dispositivos móveis. No evento, pesquisadores de segurança, desenvolvedores e hackers competiram para ver quem conseguia hackear os aparelhos usando falhas ainda desconhecidas.

As falhas exploradas eram então reportadas para os fabricantes para que elas pudessem ser corrigidas.

Competição PWN2OWN

Durante a competição Pwn2Own, um prêmio de US$ 425.000 estava disponível para quem fosse capaz de hackear um smartphone através da exploração de uma falha desconhecida e assim tomar o controle completo do aparelho em menos de 30 minutos.

Entre os aparelhos que foram hackeados com sucesso durante a competição estão o iPhone 5S, Blackberry Z30, Amazon Fire, Google Nexus 7, Samsung Galaxy 5 e LG Nexus 5.

Cinco equipes exploraram as falhas de segurança com sucesso e conseguiram tomar o controle de cinco aparelhos. Três das tentativas bem-sucedidas usaram a tecnologia NFC para permitir a extração de dados dos aparelhos. Os outros dois ataques usaram falhas nos navegadores de internet.

Um detalhe é que durante esta edição da competição Pwn2Own, o Windows Phone não fez feio.

Nico Joly, único competidor que tentou hackear um smartphone com Windows Phone, que neste caso é o Lumia 1520, não conseguiu tomar o controle do aparelho. Usando uma falha no Internet Explorer ele foi capaz apenas de acessar o banco de dados de cookies.

Entre os vencedores da competição Pwn2Own com foco em dispositivos móveis estão o especialista em segurança Adam Laurie, a equipe japonesa Team MBSD e a sul-africana MWR InfoSecurity.

Agradecemos ao Lucas, amigo colaborador do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Baboo

Falso antivírus é descoberto na Windows Phone Store

Falso-antivirusUm falso antivírus para a plataforma móvel Windows Phone foi descoberto pela Kaspersky Lab. O aplicativo levava o nome da empresa e custava 149 rublos (cerca de R$ 9,50 de acordo com a cotação atual da moeda russa) na loja do sistema operacional, a Windows Phone Store.

Falso Antivírus: Vírus Shield ataca Windows Phone
O “Kaspersky Mobile”, que também foi descoberto na Google Play, utilizava a logo da empresa como ícone. Se instalado, o falso antivírus até simulava uma varredura no dispositivo móvel, de acordo com o analista de malware da Kaspersky Lab, Roman Unuchek. A companhia russa informou que não possui nenhuma aplicação para a plataforma de Redmond.

“Uma coisa é certa, os mecanismos criados pelas lojas oficiais são claramente incapazes de combater fraudes como esta”, afirmou Unuchek no blog da empresa. A prova disso é que esse não é o único caso de aplicativo fraudulento encontrado pela Kaspersky. Também existiam falso apps que levavam os nomes do Avira Antivirus e dos navegadores Mozilla Firefox, Google Chrome, Opera Mobile, Internet Explorer e Safari.

Outro caso curioso encontrado pela equipe de segurança do laboratório russo foi um app que simulava o antigo browser Netscape. Na metade da década de 90, o navegador tinha uma taxa de utilização superior aos 90%. Em 2006, esse número já havia despencado para menos de 1%. O analista acredita que essa foi uma tentativa de enganar usuários mais velhos do Windows Phone.

Ainda foi detectado o falso app Vírus Shield, que já esteve entre os mais baixados na Google Play, com mais de dez mil downloads. Custando cerca de R$ 8,80, ele se passa por um antivírus, mas não realiza nenhuma ação de proteção. Unuchek acrescentou que “é bem possível que mais e mais desses aplicativos falsos comecem a aparecer”.

Agradeço ao Davi, amigo e colaborador do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Baboo

Cuidado com os falsos antivírus para Android e Windows Phone

FakeAVApós a polêmica do Virus Shield, outros golpistas estão trilhando o caminho do falso antivírus para Android (que chegou a ocupar o 1º entre os mais baixados do Google Play) tentando enganar os usuários com falsos aplicativos nomeados a partir de programas reais e confiáveis.

O alerta foi feita pela companhia de segurança russa Kaspersky. De acordo com a empresa, tanto o Google Play quanto a Windows Phone Store têm recebido vários programas que fingem varrer os arquivos do seu dispositivo móvel, mas não fazem nada além de embolsar o dinheiro pago por eles.

Além de usar o nome da própria Kaspersky, os golpistas também oferecem clones do Windows Phone Virus Shield, Google Chrome Pro e até mesmo uma versão do antigo navegador Netscape (possivelmente criada para tentar enganar usuários mais velhos). De acordo com o especialista da Kaspersky, Roman Unuchek, a presença destes falsos aplicativos demonstra que os mecanismos de segurança das lojas oficiais do Android e Windows Phone são ineficientes em combater golpes como esse.

Agradeço ao Davi, amigo e colaborador do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Tecmundo

Falha no Windows Phone 8 permite desinstalação de apps nativos

windows_phone_8_bugUma falha no Windows Phone 8 permite desinstalar aplicativos que vêm instalados de fábrica – os apps OEM, como acessórios, calendário e outras funções. Ao mudar a data do aparelho para o ano de 2115 e o fuso horário para “Amsterdã – Berlim”, é possível fazer a exclusão.

O bug está presente também na versão 8.1 do sistema, disponível por enquanto apenas para desenvolvedores e para quem se passar por um. Vale o aviso de que isso só deve ser feito se o usuário realmente não gosta de determinada função nativa. Para quem se arrepender, será possível baixar o app novamente através do SysApp Pusher.

Agradeço ao Lucas, amigo e colaborador do seu micro seguro, pela referência a essa notícia.

Fonte: Adrenaline